Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-09-30T16:17:43-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Nas contas do governo

Déficit primário soma R$ 1,448 bilhões em agosto

Já no acumulado até agosto desse ano, as contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 21,950 bilhões

30 de setembro de 2019
15:25 - atualizado às 16:17
Dinheiro concentrado cofre
Imagem: Shutterstock

O setor público consolidado (Governo Central, Estados, municípios e estatais, com exceção de Petrobras e Eletrobras) apresentou déficit primário de R$ 13,448 bilhões em agosto, informou o Banco Central. Em julho, houve déficit de R$ 2,763 bilhões.

O resultado primário consolidado do mês passado ficou perto do teto do intervalo das estimativas de analistas do mercado financeiro ouvidos pelo Projeções Broadcast, que iam de déficit de R$ 19,800 bilhões a déficit de R$ 13,019 bilhões. A mediana estava negativa em R$ 17,403 bilhões.

O resultado fiscal de agosto foi composto por um déficit de R$ 16,459 bilhões do Governo Central (Tesouro, Banco Central e INSS). Já os governos regionais (Estados e municípios) influenciaram o resultado positivamente com R$ 2,657 bilhões no mês. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 2,269 bilhões, os municípios tiveram resultado positivo de R$ 388 milhões. As empresas estatais registraram superávit primário de R$ 355 milhões.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019. No caso do governo central, a meta é um déficit de R$ 139,0 bilhões.

No ano

As contas do setor público acumularam um déficit primário de R$ 21,950 bilhões no ano até agosto, o equivalente a 0,47% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central.

O resultado fiscal no ano até agosto ocorreu em função do déficit de R$ 42,535 bilhões do Governo Central (0,90% do PIB). Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 19,815 bilhões (0,42% do PIB) no período. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 17,713 bilhões, os municípios tiveram um saldo positivo de R$ 2,102 bilhões. As empresas estatais registraram um resultado positivo de R$ 770 milhões no período.

12 meses

As contas do setor público acumulam um déficit primário de R$ 95,508 bilhões em 12 meses até agosto, o equivalente a 1,36% do Produto Interno Bruto (PIB), informou o Banco Central.

A meta de déficit primário do setor público consolidado considerada pelo governo é de R$ 132,0 bilhões para 2019.

O déficit fiscal nos 12 meses encerrados em agosto pode ser atribuído ao rombo de R$ 106,457 bilhões do Governo Central (1,51% do PIB). Os governos regionais (Estados e municípios) apresentaram um superávit de R$ 8,558 bilhões (0,12% do PIB) em 12 meses até agosto. Enquanto os Estados registraram um superávit de R$ 10,176 bilhões, os municípios tiveram um saldo negativo de R$ 1,618 bilhão. As empresas estatais registraram um resultado negativo de R$ 2,391 bilhões no período.

Juros

O setor público consolidado teve gasto de R$ 50,197 bilhões com juros em agosto, após esta despesa ter atingido R$ 27,500 bilhões em julho, informou o Banco Central.

O Governo Central (Tesouro Nacional, Previdência Social e Banco Central) teve no mês passado despesas na conta de juros de R$ 45,376 bilhões. Os governos regionais registraram gasto de R$ 4,184 bilhões e as empresas estatais, de R$ 637 milhões.

No ano até agosto, o gasto com juros somou US$ 258,808 bilhões, o que representa 5,49% do PIB.

Em 12 meses até agosto, as despesas com juros atingiram R$ 349,203 bilhões (4,96% do PIB).

Dívida bruta

O chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central, Fernando Rocha, explicou que a desvalorização do real em relação ao dólar foi um dos fatores que levaram ao crescimento da dívida bruta em agosto, além das emissões de títulos no mês passado e os juros nominais apurados no período.

A Dívida Bruta do Governo Geral fechou agosto aos R$ 5,618 trilhões, o que representa 79,8% do Produto Interno Bruto (PIB). O porcentual é o maior da série histórica do BC, iniciada em dezembro de 2006. No melhor momento da história, em dezembro de 2013, a dívida bruta chegou a 51,5% do PIB.

"No caso da dívida bruta, o que explica diretamente a variação são as emissões de títulos, determinadas pelo resultado que o governo geral obtém em suas contas. Já estamos com déficits primários desde 2014 esse será o sexto ano -, sendo que, para estabilizar ou reduzir a dívida bruta, seria preciso alcançar superávits primários", explicou.

Rocha lembrou que o responsável pela política fiscal é o Ministério da Economia e, por isso, evitou comentar qual patamar de resultado primário seria necessário para a estabilização da dívida bruta e sua eventual redução.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

RUMO AO MILHÃO

O primeiro e mais importante investimento para quem atingir o primeiro milhão (ou ir além)

Por mais que você busque o conforto e a segurança de uma promessa de retorno garantido, digo, com convicção, que o único investimento com retorno garantido em longo prazo é aquele feito em educação

Ventos contrários

Renova Energia não consegue “proteção” contra minoritários da própria empresa

Empresa perdeu ação no TJ-SP que tentata impedir os acionistas de produzirem provas contra a empresa, relativas à investigação sobre desvio de recursos

Preocupação

Vidas secas? Bolsonaro admite que Brasil vive “enorme crise hidrológica”

Presidente citou a falta de chuvas como um dos grandes problemas econômicos do país, juntamente com os efeitos causados pela pandemia

MESA QUADRADA

“Não me arrependo de nada. Só não posso dar conselhos financeiros para ninguém”, diz Bob Wolfenson, o fotógrafo das celebridades entrevistado no 7º episódio do Mesa Quadrada

Em em conversa para o podcast Mesa Quadrada, Dan Stulbach, Teco Medina e Caio Mesquita, conversam sobre dinheiro e carreira com Bob Wolfenson, ícone da fotografia brasileira

Situação preocupante

Cuidado com as luzes acesas! Aneel mantém taxa adicional mais alta na contas de agosto

Tarifa cobrada na bandeira vermelha nível 2 é de R$ 9,49 por 100 quilowatts-hora (kWh), e agência continua avaliando se vai elevar o valor

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies