Menu
2019-05-06T09:47:22-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
décima queda consecutiva

Projeção de alta do PIB de 2019 cai de 1,70% para 1,49%

Apenas um mês atrás, a projeção era de 1,97%. Para 2020, o mercado financeiro manteve previsão de alta do PIB em 2,50%

6 de maio de 2019
8:35 - atualizado às 9:47
Gráfico indicando queda
Gráfico indicando queda - Imagem: Shutterstock

A cada semana que passa o otimismo diminui para os economistas do mercado financeiro. Na semana passada, saíram os dados do desemprego no primeiro trimestre e os números da produção industrial: desanimadores. Pois hoje, o Boletim Focus já projeta uma alta do PIB de 2019 de míseros 1,49%, ante 1,70% da semana passada. É a décima queda consecutiva na projeção.

Para se ter uma ideia, apenas um mês atrás, a projeção era de 1,97%. Para 2020, o mercado financeiro manteve previsão de alta do PIB em 2,50%. Quatro semanas atrás, estava em 2,70%.

No Focus de hoje, também teve queda para a alta da produção industrial de 2019: 1,76%, ante 2,0%. Um mês atrás estava em 2,50%. Para 2020, a estimativa de crescimento da produção industrial permanece em 3,00%.

IPCA: de 4,01% para 4,04%

Os economistas do mercado financeiro elevaram a projeção mediana para 2019 do IPCA, o índice oficial de preços: passou de 4,01% para 4,04% — tendo como base os últimos cinco dias. Há um mês estava em 3,93%. Para 2020, a projeção segue em 4,00%. Quatro semanas atrás estava no mesmo nível.

A projeção dos economistas para a inflação está abaixo do centro da meta de 2019, de 4,25% — a margem de tolerância é de 1,5 ponto percentual. Para 2020, a meta é de 4%, com margem de 1,5.

Projeções mais recentes do BC, no Relatório Trimestral de Inflação de março, considerando o cenário do mercado, apontam para inflação de 3,9% em 2019, 3,8% em 2020 e 3,9% no ano seguinte.

Selic no fim de 2019 permanece em 6,50% ao ano

Já a Selic, a taxa básica de juros, tem mediana das previsões em 6,50% ao ano, mesmo patamar de mês atrás. Para ano que vem, a projeção também segue em 7,50% ao ano, como há quatro semanas.

Em março, o Comitê de Política Monetária (Copom) anunciou a manutenção, pela oitava vez consecutiva da Selic em 6,50% ao ano. O BC indicou, em seu cenário básico, que o balanço de riscos para a inflação tornou-se simétrico — o risco de uma inflação baixa tem o mesmo peso de uma inflação mais alta.

Câmbio para o fim de 2019 permanece em R$ 3,75

O relatório de mercado Focus mostrou manutenção no cenário para a cotação da moeda norte-americana em 2019. A mediana das expectativas para o câmbio no fim deste ano seguiu em R$ 3, 75, ante R$ 3, 70 de quatro semanas atrás.

Para 2020, a projeção foi de R$ 3,80, ante R$ 3,79 de uma semana atrás. Há um mês estava em R$ 3,75.

*Com Estadão Conteúdo

 

Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

responsabilização

JBS aprova em assembleia ação contra irmãos Batista

Processo diz respeito a prejuízos causados por crimes revelados nos acordos de colaboração e leniência firmados pela JBS com a Procuradoria Geral da República

em live

Se necessário, voltaremos a fazer transferência do BC para o Tesouro, diz secretário

Em agosto, CMN já havia autorizado o Banco Central a repassar R$ 325 bilhões para o Tesouro Nacional

Balanço do mês

Bitcoin e dólar são os melhores investimentos de outubro; ativos de risco ficaram para trás de novo

Por pouco o Ibovespa não ficou entre os melhores investimentos do mês, mas segunda onda de coronavírus na Europa derrubou as bolsas; risco fiscal, eleições americanas e indefinição quanto a estímulos fiscais nos EUA também pesaram

seu dinheiro na sua noite

O saci à solta nos mercados

Não sei dizer exatamente quando nem quem tomou a iniciativa de importar dos países anglófonos a celebração do Halloween, o Dia das Bruxas. O fato é que desde que as crianças brasileiras começaram a sair fantasiadas pedindo doces no último dia de outubro houve uma série de tentativas de “tropicalizar” o evento. Embora não seja […]

Disparou

Dívida bruta do governo deverá encerrar o ano em 96% do PIB

Endividamento cresceu 20,2 pontos por causa de pandemia.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies