Menu
2021-12-13T08:09:45-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
Segredos da Bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas operam sem direção definida antes das reuniões de importantes Bancos Centrais do mundo

No panorama local, a PEC dos precatórios, o relatório trimestral da inflação e o IBC-Br movimentam os próximos dias da bolsa brasileira

13 de dezembro de 2021
7:57 - atualizado às 8:09
Jerome Powell, presidente do federal reserve olha ressabiado para o público
A covid-19 segue como pano de fundo para as bolsas esta semana. - Imagem: Federal Reserve

A elevação dos juros no Brasil na última quarta-feira (08) foi o pontapé inicial de uma semana que se inicia de olho nas reuniões dos Bancos Centrais pelo mundo afora. Além do Federal Reserve, o Banco da Inglaterra (BoE), o Banco Central Europeu (BCE), o Banco Central do Japão (BoJ) e outros os BCs também realizam encontros ao longo dos próximos dias. 

E os protagonistas não poderiam ser diferentes. A inflação mundial segue como grande preocupação e arqui-inimiga dos investidores pelo mundo. Por outro lado, a alta dos juros é uma arma que pode tanto destruir o dragão da alta de preços quanto limitar a retomada da economia. 

Enquanto as reuniões não acontecem, o investidor local deve permanecer atento aos desdobramentos da PEC dos precatórios, com votação marcada para esta terça-feira (14) na Câmara.

Ao longo da semana, indicadores como a pesquisa mensal de serviços do IBGE na terça-feira e a divulgação do IBC-Br, considerado uma prévia do PIB, devem movimentar os negócios.

Na última semana, o Ibovespa conseguiu emplacar um avanço de 2,56%, dos quais 1,38% foram só na última sexta-feira (10) e fez o principal índice da B3 fechou aos 107.758 pontos.

Confira outros destaques para esta segunda-feira (13): 

PEC dos Precatórios

A proposta que fatia as dívidas que o governo tem com o judiciário volta ao plano principal dos debates da semana com a votação do texto na Câmara nesta terça-feira (14). A PEC já foi fatiada e dividida entre uma “PEC dos Senado” e uma “PEC da Câmara”, para viabilizar a aprovação do pedaço que libera os recursos necessários para o Auxílio Brasil (antigo Bolsa Família). 

Dessa forma, o texto sai diretamente do Senado sem a necessidade de passar novamente pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara. 

Semana dos Bancos Centrais

Não é de hoje que a inflação é uma pedra no sapato dos investidores pelo mundo, em especial em um momento de retomada da economia. A elevação dos juros encarece o dinheiro em circulação, o que limita os investimentos para reaquecer os negócios. É uma faca de dois gumes. 

Depois que o Banco Central brasileiro elevou os juros para 9,25% na última reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central, é a vez do Federal Reserve entrar em cena nesta semana. Na quarta-feira, o Fomc, o Copom americano, deve divulgar não apenas as perspectivas para os juros, mas recalibrar as expectativas do tapering, a retirada de estímulos da economia dos EUA.

Além da reunião do Federal Reserve, o Banco da Inglaterra (BoE), o Banco Central Europeu (BCE), o Banco Central do Japão (BoJ) e os BCs de Chile, Turquia, México e Rússia também realizam reuniões esta semana. 

Inflação transitória?

O mercado como um todo já esperava uma retirada de estímulos mais agressiva, mas os últimos dados de inflação e de emprego (como o payroll) devem fazer a instituição financeira acelerar a retirada de estímulos.

O presidente do BC americano, Jerome Powell, dispensou o discurso de inflação transitória nos EUA e já considera tomar medidas mais duras para conter a alta de preços e os investidores devem acompanhar e ajustar suas carteiras ao novo momento de retirada de estímulos e juros mais elevados. 

Ata do Copom e relatório de inflação 

Depois da semana com dados de inflação e elevação dos juros brasileiros, esta semana o investidor local permanece atento à ata da última reunião do Copom, divulgada na terça-feira (14). O Banco Central pode afrouxar o tom mais agressivo (hawkish, no jargão do mercado) do comunicado do último encontro do comitê. 

Entretanto, o relatório trimestral da inflação, divulgado na quinta-feira (16) deve dizer se essa mudança de tom será positiva ou não.

Vale lembrar que o IPCA já acumulada alta de mais de 10% no ano e o relatório deve trazer um panorama mais detalhado sobre a alta nos preços — o que pode exigir um tom mais duro do BC e mais caro aos investidores.

Atividade econômica

O investidor local ainda deve digerir os dados do IBC-Br, considerado uma prévia do PIB, na próxima quarta-feira (15). O ministro da Economia, Paulo Guedes, voltou a falar de recuperação em “V” no programa Canal Livre do último domingo (12), mas os investidores seguem um pouco céticos de que a volta das atividades ocorra dessa maneira. 

Esse pessimismo se reflete nas projeções do Boletim Focus semanal, que vem registrando queda na perspectiva para o PIB e eleva a projeção para a inflação. Ainda hoje, deve ser divulgada uma nova edição do relatório. 

Bolsas pelo mundo

Os principais índices asiáticos encerraram o pregão desta segunda-feira sem uma única direção. A incerteza envolvendo as decisões dos Bancos Centrais em meio a altos índices inflacionários e retomada na economia influencia o apetite de risco dos investidores. 

Na Europa, as principais praças iniciam a semana em alta, antes dos dados de inflação da Zona do Euro e de olho nas decisões de política monetária desta semana. 

Por fim, os futuros de Nova York amanheceram em alta, à espera das decisões dos BCs.

Agenda da semana

Segunda-feira (13)

  • Banco Central: Boletim Focus semanal (8h)
  • Estados Unidos: Relatório mensal da Opep (9h)
  • Reino Unido: Banco da Inglaterra (BoE, em inglês) divulga relatório da estabilidade financeira (14h) 

Terça-feira (14)

  • Banco Central: Ata da última reunião do Copom (8h)
  • IBGE: Pesquisa mensal de serviços em outubro (9h)
  • Estados Unidos: Índice de preços ao produtor (PPI, em inglês) de novembro (10h30)
  • Estados Unidos: Estoques de petróleo (18h30)
  • China: Produção industrial em novembro (23h)

Quarta-feira (15)

  • FGV: IPG-10 de dezembro (8h)
  • Banco Central: índice IBC-Br de atividade econômica em outubro (9h)
  • Estados Unidos: Vendas no varejo em novembro (10h30)
  • Brasil: Fluxo cambial semanal (14h30)
  • Estados Unidos: Decisão de política monetária do Fed (16h)

Quinta-feira (16)

  • Banco Central: Relatório trimestral da inflação (8h)
  • Estados Unidos: Produção industrial de novembro (11h15)
  • Estados Unidos: PMI de serviços, industrial e preliminar do PMI composto de dezembro (11h45)

Sexta-feira (17)

  • Brasil: IPC semanal
  • Zona do Euro: CPI e núcleo do CPI de novembro (7h)
  • FGV: IGP-M e IPC-S capitais (8h)
  • Estados Unidos: Secretária do Tesouro, Janet Yellen, preside o Comitê de Estabilidade Financeira (13h)
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

PRECAUÇÃO EXTRA

Cautela demais atrapalha os negócios? Não para o Bradesco (BBDC4): banco cria nova vice-presidência focada na gestão de riscos

A nova vertical abrangerá as áreas de compliance, conduta, ética e demais setores ligados à gestão de ameaças corporativas

FECHAMENTO DOS MERCADOS

Ibovespa ignora tensão pré-Fed e sobe mais de 2%, fechando no melhor nível desde outubro; dólar volta aos R$ 5,43

O dia tinha tudo para ser como ontem, mas o Ibovespa encontrou forças para voltar aos 110 mil pontos e recuperar as perdas da semana

CRIPTOMOEDAS HOJE

Bitcoin (BTC) sobe forte e apaga parte da queda brusca na semana; veja como operam as principais criptomoedas do mercado

Como outros ativos do risco, a moeda digital também foi afetada pelas tensões entre entre Ucrânia e Rússia nos últimos dias, mas encontrou fôlego para avançar hoje

INTERRUPÇÃO TEMPORÁRIA

Banco Central suspende sistema para consulta de dinheiro ‘esquecido’ em bancos; veja o que está por trás do bloqueio

O BC precisou interromper o funcionamento do sistema lançado ontem após enfrentar instabilidades geradas pelo grande volume de acessos

NOVA DEBANDADA?

Mais um técnico da área de Orçamento da Economia deixa cargo e expõe novo desgaste na equipe de Paulo Guedes

O movimento de saída é comum no último ano de governo, mas agora tem ocorrido mais cedo, ainda no primeiro mês de 2022

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies