O melhor time de jornalistas e analistas do Telegram! Inscreva-se agora e libere a sua vaga

2022-01-14T07:51:32-03:00
Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Cursa jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @RenanSSousa1
De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas operam sem direção antes de balanços de bancos nos EUA e digerindo o aperto monetário do Fed

Os números do varejo de dezembro aqui e nos Estados Unidos movimentam os negócios, depois de uma semana marcada pela inflação

14 de janeiro de 2022
7:51
Fed
Confira o que movimenta a bolsa brasileira hoje (14). Imagem: Shutterstock

O último pregão da semana será marcado pelo mau humor dos investidores contra a retirada de estímulos do Federal Reserve. As bolsas pelo mundo ainda não se acostumaram com a perspectiva de alta nos juros e aperto monetário nos EUA, o que pressiona os índices na manhã desta sexta-feira (14). 

Depois da maior inflação em 40 anos, os investidores estão cada vez mais certos de que a alta nos juros virá em março. Os próprios dirigentes e representantes do Fed não poupam as palavras e reafirmam a postura do BC americano contra a alta recorde de preços.

Os balanços de grandes bancos devem movimentar os negócios hoje, com JPMorgan, Wells Fargo e outros divulgando seus resultados do trimestre hoje.

Já em terras brasileiras, o risco fiscal e o clima eleitoral das eleições de outubro marcaram os últimos dias do Ibovespa por aqui. Os dados inflacionários também pesaram no índice local, com o IPCA encerrando 2021 acima dos 10%. 

Até o fechamento da última quinta-feira (14), o principal índice da B3 avança 3,5% na semana. Ontem, o Ibovespa fechou em leve queda de 0,15%, aos 105.529 pontos. O dólar à vista, por sua vez, fechou em leve queda de apenas 0,10%, aos R$ 5,5295.

Confira o que esperar da bolsa hoje — e o que movimentou os últimos dias:

Brasil agitado

O investidor local mal havia iniciado a semana e o panorama doméstico já pesou logo na segunda-feira (10). As eleições de outubro já começam a dar as caras, o que coloca em risco os gastos públicos para financiar bondades de campanha. 

O programa de refinanciamento das dívidas de micro e pequenas empresas (Refis) permaneceu em foco ao longo da semana. O presidente da República, Jair Bolsonaro, havia vetado o texto na semana passada, mas instaurou um novo programa para auxiliar empreendedores do Simples Nacional e MEIs. 

Paralisação

Paralelo a isso, a greve de servidores da Receita Federal e do Banco Central permanece como um impasse.

Na noite de ontem (13), o ministro da Economia, Paulo Guedes, se reuniu com auditores do fisco para pôr fim à paralisação das atividades, mas o encontro foi “frustrante”, segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita (Sindifisco), Isac Falcão.

Com a paralisação das atividades, diversas atividades permanecem paralisadas, em especial nos portos e aeroportos que recebem mercadorias do exterior. 

O dragão no Brasil

Ainda na composição do quadro doméstico desta semana, a inflação brasileira fechou 2021 aos 10,06%, puxada, principalmente, pela alta nos preços dos combustíveis. Vale lembrar que a meta de inflação no ano passado era de 3,75%, com tolerância máxima de 5,25%.

E para hoje….

O IBGE divulga pela manhã os números do varejo restrito e ampliado. 

Na mediana das projeções de especialistas ouvidos pelo Broadcast, o varejo restrito deve permanecer estável em novembro e acumular alta de 1,5% no ano. Já o ampliado deve sentir um recuo de 0,6%, mas acumular avanço de 4,5% no ano.

Uma semana de Fed

O último pregão da semana ainda reflete o tom mais duro do Federal Reserve contra a inflação, após o discurso de Jerome Powell, presidente da instituição, na terça-feira (11). 

O tom mais agressivo (hawkish, no jargão do mercado) ganhou corpo após os dados inflacionários da quarta-feira (12), em que os EUA registraram a maior alta de preços no ano desde 1982

E os representantes do Fed também não se preocuparam em aliviar o medo dos investidores: mantiveram o discurso de que o aperto monetário é necessário e que a alta nos juros irá acontecer. Sem descanso. 

É dada a largada!

Ainda com o gosto amargo do fim dos estímulos, os investidores internacionais permanecem atentos aos primeiros resultados do último trimestre. Grandes bancos como JPMorgan, Citigroup, Wells Fargo e BlackRock divulgam seus balanços antes da abertura nos EUA. 

Por fim, o último pregão da semana terá no cardápio os números de vendas no varejo dos Estados Unidos e a produção industrial de dezembro. 

Bolsas pelo mundo

A perspectiva de aperto monetário nos Estados Unidos fez as bolsas asiáticas encerrarem o pregão desta sexta-feira em queda, após comentários mais duros de representantes do Federal Reserve sobre a retirada de estímulos.

Na Europa, as bolsas também caem com os comentários sobre o fim dos estímulos à economia americana, de olho na temporada de balanços dos Estados Unidos. 

Por falar nos EUA, os futuros de Nova York sobem pela manhã e limitam as perdas das bolsas europeias, antes dos balanços do dia e de dados do varejo americano. 

Agenda do dia

  • IBGE: Vendas no varejo e varejo ampliado de novembro (9h)
  • IBGE: Produção industrial regional de novembro (9h)
  • Estados Unidos: Vendas no varejo de dezembro (10h30)
  • Estados Unidos: Produção industrial de dezembro (11h15)

Balanços

Estados Unidos:

  • JPMorgan (antes da abertura)
  • Citigroup (antes da abertura)
  • Wells Fargo (antes da abertura)
  • BlackRock (antes da abertura)
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

NOITE CRIPTO

Não durou muito: bitcoin (BTC) opera em queda e volta a ficar abaixo do nível de US$ 30 mil; veja a performance das outras criptomoedas

O peso da perda de confiança do mercado é um dos pontos que mais afastam o investidor do mercado de criptomoedas atualmente

DISTRIBUINDO MAIS DO QUE COMBUSTÍVEIS

Dividendos e JPC: Vibra Energia (VBBR3) anuncia o pagamento de R$ 131 milhões em proventos; confira prazos

Ao todo, a distribuidora de combustíveis já pagou R$ 663 milhões em dividendos e juros sobre capital próprio no exercício de 2021

CSN (CSNA3) e CSN Mineração (CSNA3) vão recomprar até 164 milhões de ações; veja o que muda para os acionistas

As duas companhias aproveitam o momento descontado na B3 para encerrar os programas atuais e iniciar novas operações com duração de um ano

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Inflação derruba bolsas, Hapvida vai às compras e a varejista que ameaça o Magalu; confira os destaques do dia

Depois de um dia de animação, preocupações com o movimento dos preços e a atividade econômica pelo mundo estragaram o humor dos investidores

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana come margem de grandes empresas e derruba bolsas globais; Ibovespa cai mais de 2% e dólar cola em R$ 5

Com inflação pressionando e China voltando a fechar cidades, o Ibovespa caiu menos que as bolsas em Wall Street, mas ainda assim amargou fortes perdas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies