🔴 MELHORES MOMENTOS DO MACRO SUMMIT BRASIL 2024 – ASSISTA AQUI

Renan Sousa
Renan Sousa
É repórter do Seu Dinheiro. Formado em jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP) e já passou pela Editora Globo e SpaceMoney. Twitter: @Renan_SanSousa
De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas operam sem direção antes de balanços de bancos nos EUA e digerindo o aperto monetário do Fed

Os números do varejo de dezembro aqui e nos Estados Unidos movimentam os negócios, depois de uma semana marcada pela inflação

Fed
Confira o que movimenta a bolsa brasileira hoje (14). Imagem: Shutterstock

O último pregão da semana será marcado pelo mau humor dos investidores contra a retirada de estímulos do Federal Reserve. As bolsas pelo mundo ainda não se acostumaram com a perspectiva de alta nos juros e aperto monetário nos EUA, o que pressiona os índices na manhã desta sexta-feira (14). 

Depois da maior inflação em 40 anos, os investidores estão cada vez mais certos de que a alta nos juros virá em março. Os próprios dirigentes e representantes do Fed não poupam as palavras e reafirmam a postura do BC americano contra a alta recorde de preços.

Os balanços de grandes bancos devem movimentar os negócios hoje, com JPMorgan, Wells Fargo e outros divulgando seus resultados do trimestre hoje.

Já em terras brasileiras, o risco fiscal e o clima eleitoral das eleições de outubro marcaram os últimos dias do Ibovespa por aqui. Os dados inflacionários também pesaram no índice local, com o IPCA encerrando 2021 acima dos 10%. 

Até o fechamento da última quinta-feira (14), o principal índice da B3 avança 3,5% na semana. Ontem, o Ibovespa fechou em leve queda de 0,15%, aos 105.529 pontos. O dólar à vista, por sua vez, fechou em leve queda de apenas 0,10%, aos R$ 5,5295.

Confira o que esperar da bolsa hoje — e o que movimentou os últimos dias:

Brasil agitado

O investidor local mal havia iniciado a semana e o panorama doméstico já pesou logo na segunda-feira (10). As eleições de outubro já começam a dar as caras, o que coloca em risco os gastos públicos para financiar bondades de campanha. 

O programa de refinanciamento das dívidas de micro e pequenas empresas (Refis) permaneceu em foco ao longo da semana. O presidente da República, Jair Bolsonaro, havia vetado o texto na semana passada, mas instaurou um novo programa para auxiliar empreendedores do Simples Nacional e MEIs. 

Paralisação

Paralelo a isso, a greve de servidores da Receita Federal e do Banco Central permanece como um impasse.

Na noite de ontem (13), o ministro da Economia, Paulo Guedes, se reuniu com auditores do fisco para pôr fim à paralisação das atividades, mas o encontro foi “frustrante”, segundo o presidente do Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita (Sindifisco), Isac Falcão.

Com a paralisação das atividades, diversas atividades permanecem paralisadas, em especial nos portos e aeroportos que recebem mercadorias do exterior. 

O dragão no Brasil

Ainda na composição do quadro doméstico desta semana, a inflação brasileira fechou 2021 aos 10,06%, puxada, principalmente, pela alta nos preços dos combustíveis. Vale lembrar que a meta de inflação no ano passado era de 3,75%, com tolerância máxima de 5,25%.

E para hoje….

O IBGE divulga pela manhã os números do varejo restrito e ampliado. 

Na mediana das projeções de especialistas ouvidos pelo Broadcast, o varejo restrito deve permanecer estável em novembro e acumular alta de 1,5% no ano. Já o ampliado deve sentir um recuo de 0,6%, mas acumular avanço de 4,5% no ano.

Uma semana de Fed

O último pregão da semana ainda reflete o tom mais duro do Federal Reserve contra a inflação, após o discurso de Jerome Powell, presidente da instituição, na terça-feira (11). 

O tom mais agressivo (hawkish, no jargão do mercado) ganhou corpo após os dados inflacionários da quarta-feira (12), em que os EUA registraram a maior alta de preços no ano desde 1982

E os representantes do Fed também não se preocuparam em aliviar o medo dos investidores: mantiveram o discurso de que o aperto monetário é necessário e que a alta nos juros irá acontecer. Sem descanso. 

É dada a largada!

Ainda com o gosto amargo do fim dos estímulos, os investidores internacionais permanecem atentos aos primeiros resultados do último trimestre. Grandes bancos como JPMorgan, Citigroup, Wells Fargo e BlackRock divulgam seus balanços antes da abertura nos EUA. 

Por fim, o último pregão da semana terá no cardápio os números de vendas no varejo dos Estados Unidos e a produção industrial de dezembro. 

Bolsas pelo mundo

A perspectiva de aperto monetário nos Estados Unidos fez as bolsas asiáticas encerrarem o pregão desta sexta-feira em queda, após comentários mais duros de representantes do Federal Reserve sobre a retirada de estímulos.

Na Europa, as bolsas também caem com os comentários sobre o fim dos estímulos à economia americana, de olho na temporada de balanços dos Estados Unidos. 

Por falar nos EUA, os futuros de Nova York sobem pela manhã e limitam as perdas das bolsas europeias, antes dos balanços do dia e de dados do varejo americano. 

Agenda do dia

  • IBGE: Vendas no varejo e varejo ampliado de novembro (9h)
  • IBGE: Produção industrial regional de novembro (9h)
  • Estados Unidos: Vendas no varejo de dezembro (10h30)
  • Estados Unidos: Produção industrial de dezembro (11h15)

Balanços

Estados Unidos:

  • JPMorgan (antes da abertura)
  • Citigroup (antes da abertura)
  • Wells Fargo (antes da abertura)
  • BlackRock (antes da abertura)

Compartilhe

BRIGA PELO TRONO GRELHADO

Acionistas da Zamp (BKBR3) recusam-se a ceder a coroa do Burger King ao Mubadala; veja quem rejeitou a nova oferta

21 de setembro de 2022 - 8:01

Detentores de 22,5% do capital da Zamp (BKBR3) já rechaçaram a nova investida do Mubadala, fundo soberano dos Emirados Árabes Unidos

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana segue sendo o elefante na sala e Ibovespa cai abaixo dos 110 mil pontos; dólar vai a R$ 5,23

15 de setembro de 2022 - 19:12

O Ibovespa acompanhou o mau humor das bolsas internacionais e segue no aguardo dos próximos passos do Fed

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Cautela prevalece e bolsas internacionais acompanham bateria de dados dos EUA hoje; Ibovespa aguarda prévia do PIB

15 de setembro de 2022 - 7:42

As bolsas no exterior tentam emplacar alta, mas os ganhos são limitados pela cautela internacional

FECHAMENTO DO DIA

Wall Street se recupera, mas Ibovespa cai com varejo fraco; dólar vai a R$ 5,17

14 de setembro de 2022 - 18:34

O Ibovespa não conseguiu acompanhar a recuperação das bolsas americanas. Isso porque dados do varejo e um desempenho negativo do setor de mineração e siderurgia pesaram sobre o índice.

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Depois de dia ‘sangrento’, bolsas internacionais ampliam quedas e NY busca reverter prejuízo; Ibovespa acompanha dados do varejo

14 de setembro de 2022 - 7:44

Os futuros de Nova York são os únicos que tentam emplacar o tom positivo após registrarem quedas de até 5% no pregão de ontem

FECHAMENTO DO DIA

Inflação americana derruba Wall Street e Ibovespa cai mais de 2%; dólar vai a R$ 5,18 com pressão sobre o Fed

13 de setembro de 2022 - 19:01

Com o Nasdaq em queda de 5% e demais índices em Wall Street repercutindo negativamente dados de inflação, o Ibovespa não conseguiu sustentar o apetite por risco

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas internacionais sobem em dia de inflação dos EUA; Ibovespa deve acompanhar cenário internacional e eleições

13 de setembro de 2022 - 7:37

Com o CPI dos EUA como o grande driver do dia, a direção das bolsas após a divulgação dos dados deve se manter até o encerramento do pregão

DANÇA DAS CADEIRAS

CCR (CCRO3) já tem novos conselheiros e Roberto Setubal está entre eles — conheça a nova configuração da empresa

12 de setembro de 2022 - 19:45

Além do novo conselho de administração, a Andrade Gutierrez informou a conclusão da venda da fatia de 14,86% do capital da CCR para a Itaúsa e a Votorantim

FECHAMENTO DO DIA

Expectativa por inflação mais branda nos Estados Unidos leva Ibovespa aos 113.406 pontos; dólar cai a R$ 5,09

12 de setembro de 2022 - 18:04

O Ibovespa acompanhou a tendência internacional, mas depois de sustentar alta de mais de 1% ao longo de toda a sessão, o índice encerrou a sessão em alta

novo rei?

O Mubadala quer mesmo ser o novo rei do Burger King; fundo surpreende mercado e aumenta oferta pela Zamp (BKBR3)

12 de setembro de 2022 - 11:12

Valor oferecido pelo fundo aumentou de R$ 7,55 para R$ 8,31 por ação da Zamp (BKBR3) — mercado não acreditava em oferta maior

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies