Menu
2019-07-26T13:23:04-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
lá em cima

Juro do rotativo do cartão de crédito sobe para 300,1% ao ano

Juro médio total cobrado no rotativo do cartão de crédito chegou a esse patamar ao subiu 0,3 ponto porcentual de maio para junho

26 de julho de 2019
13:23
cartao-de-credito
Cartão de crédito - Imagem: Shutterstock

O juro médio total cobrado no rotativo do cartão de crédito subiu 0,3 ponto porcentual de maio para junho, informou nesta sexta-feira, 26, o Banco Central. Com isso, a taxa passou de 299,8% para 300,1% ao ano.

O juro do rotativo é uma das taxas mais elevadas entre as avaliadas pelo BC. Dentro desta rubrica, a taxa da modalidade rotativo regular passou de 279,9% para 277,2% ao ano de maio para junho. Neste caso, são consideradas as operações com cartão rotativo em que houve o pagamento mínimo da fatura.

Já a taxa de juros da modalidade rotativo não regular passou de 314,0% para 316,4% ao ano. O rotativo não regular inclui as operações nas quais o pagamento mínimo da fatura não foi realizado.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

No caso do parcelado, ainda dentro de cartão de crédito, o juro passou de 174,1% para 175,6% ao ano.

Parcelado

Em abril de 2017, começou a valer a regra que obriga os bancos a transferir, após um mês, a dívida do rotativo do cartão de crédito para o parcelado, a juros mais baixos.

A intenção do governo com a nova regra era permitir que a taxa de juros para o rotativo do cartão de crédito recuasse, já que o risco de inadimplência, em tese, cai com a migração para o parcelado.

Inadimplência

A taxa de inadimplência no crédito livre foi de 3,9% para 3,8% na passagem de maio para junho, ainda segundo o BC. Em junho de 2018, a taxa estava em 4,4%.

Para pessoa física, a taxa de inadimplência seguiu em 4,8%. Para as empresas, a taxa foi de 2,7% para 2,6%. A inadimplência do crédito direcionado foi de 2,0% para 1,8% na passagem de maio para junho.

Já o dado que considera o crédito livre mais o direcionado mostra que a taxa de inadimplência foi de 3,0% para 2,9%.

Empresas

O saldo de financiamentos do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para empresas recuou 2,3% em junho ante maio, somando R$ 411,051 bilhões, informou o Banco Central. Em 12 meses, a queda acumulada é de 10,4%.

Em junho, houve recuo de 0,9% nas linhas de financiamento agroindustrial, baixa de 2,3% no financiamento de investimentos e queda de 6,8% no saldo de capital de giro.

Spread

O spread bancário médio no crédito livre subiu de 31,1 pontos porcentuais em maio para 31,5 pontos porcentuais em junho. O spread médio da pessoa física no crédito livre foi de 45,2 para 46,2 pontos porcentuais no período. Para pessoa jurídica, o spread médio passou de 12,5 para 12,2 pontos porcentuais.

O spread médio do crédito direcionado foi de 4,1 pontos porcentuais para 4,0 pontos porcentuais na passagem de maio para junho. Já o spread médio no crédito total (livre e direcionado) foi de 19,2 pontos porcentuais para 19,6 pontos porcentuais no período.

Endividamento das famílias

O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro ficou em 44,0% em maio, ante 43,7% em abril, informou o Banco Central. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento ficou em 25,4% em maio, ante 25,1% em abril.

O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. Além disso, incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (Pnad) contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do IBGE.

Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) atingiu 20,3% em maio, ante 20,2% em abril. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda ficou em 17,9% em maio, ante 17,8% em abril.

Crédito para habitação

O estoque das operações de crédito direcionado para habitação no segmento pessoa física diminuiu 0,7% em junho ante maio, totalizando R$ 615,119 bilhões.

Em 12 meses até junho, o crédito para habitação no segmento pessoa física subiu 5,6%. Já o estoque de operações de crédito livre para compra de veículos por pessoa física avançou 1,2% em junho ante maio, para R$ 183,859 bilhões. Em 12 meses, houve alta de 16,6%.

Setores

O saldo de crédito para as empresas do setor de agropecuária caiu 0,7% em junho, para R$ 24,378 bilhões. Já o saldo para a indústria cedeu 2,4%, para R$ 615,137 bilhões. O montante para o setor de serviços teve alta de 1,5%, para R$ 760,490 bilhões.

No caso do crédito para pessoa jurídica com sede no exterior e créditos não classificados (outros), o saldo subiu 33,3%, aos R$ 22,3 bilhões.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

CORONAVÍRUS

Xi Jinping alerta para a ‘grave situação’ criada pela disseminação ‘acelerada’ do novo coronavírus

Até agora, as autoridades disseram que a doença já infectou mais de 1.300 pessoas e matou 41. Mas a Comissão Nacional de Saúde anunciou que 237 pacientes estão em condições graves

ECONOMIA

‘Recessão profunda torna retomada lenta’, diz economista do Insper

“Um ponto a se considerar é que, somando com os resultados de 2018, já são quase 1,2 milhão de empregos desde a crise. O mercado de trabalho demorou para responder, porque a recessão foi muito profunda, mas está respondendo”, falou Sergio Fripo

AINDA SOBRE A 'CAIXA-PRETA'

TCU dá 20 dias para BNDES explicar auditoria milionária da ‘caixa-preta’

Após um ano e dez meses focado em oito operações com as empresas JBS, Bertin, Eldorado Brasil Celulose, a auditoria não apontou nenhuma irregularidade

DE OLHO NA VALE

Vale paga multas ao governo mineiro, mas questiona cobranças do Ibama

De acordo com dados da Semad, foram aplicados até o momento 11 autos de infração em decorrência do rompimento da barragem no dia 25 de janeiro de 2019

OLHO NAS STARTUPS

Volume de aportes em startups do País cresce 80% e atinge US$ 2,7 bi em 2019

O número de aportes, por sua vez, cresceu 8,3% na comparação com 2018, mas não bateu recordes – em 2017, foram 263 investimentos no País, mas com valor individual menor, totalizando US$ 905 milhões

ACORDOS

Bolsonaro assina 15 acordos com a Índia e fala que comércio poderá superar US$ 50 bilhões até 2022

O principal acordo assinado é o de cooperação e facilitação de investimentos (ACFI), segundo o jornal Folha de S.Paulo

MAIS LIDAS DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: O sonho da aposentadoria rápida

Caro leitor, O que te assusta mais: o coronavírus ou a fila do INSS? Não tenho dúvidas de que a nova doença foi o assunto da semana no mundo todo, mas o desejo de se aposentar rápido – e sem depender do governo – foi o que bombou aqui no Seu Dinheiro.  O projeto Aposente-se aos […]

DE OLHO NA TECNOLOGIA

Toyota investe US$ 394 milhões em companhia de táxi aéreo elétrico, Joby Aviation

Parecida a um drone, a aeronave tem capacidade para quatro passageiros mais o piloto, possui seis hélices, um alcance de 150 milhas (aproximadamente 240 km) e pode voar até 200 milhas por hora (cerca de 320 km/h)

POLÍTICA

Em Davos, Doria se ‘afasta’ de Bolsonaro

Nesses 12 meses de intervalo, o clima entre os dois não apenas esfriou como houve troca de farpas tendo como pano de fundo o cenário político de 2022

EMPREGO

Em 1º ano, Bolsonaro gera mais vagas que Temer, mas fica atrás de Lula e Dilma

Com a economia ganhando tração a partir do segundo semestre do ano passado, o Caged registrou saldo positivo de 644.079 vagas com carteira assinada em 2019

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements