IPCA + 8% e outros títulos ‘premium’: receba as melhores ofertas de renda fixa no seu WhatsApp

Cotações por TradingView
2019-01-16T16:05:43-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
câmbio

Sobrou dólar no país pela primeira vez desde o começo de novembro

Fluxo cambial foi positivo em US$ 1,448 bilhão na segunda semana de janeiro, com ingressos concentrados na conta financeira

16 de janeiro de 2019
13:14 - atualizado às 16:05
pá-de-dolares
Imagem: Shutterstock

Pela primeira vez em oito semanas, a entrada de dólar superou as remessas para fora do país. Segundo dados do Banco Central (BC), o fluxo cambial foi positivo em US$ 1,448 bilhão na semana encerrada dia 11 de janeiro, primeiro resultado semanal positivo desde o começo de novembro.

Os ingressos se concentraram na conta financeira, que registra operações de investimento em carteira e demais modalidades, com US$ 1,347 bilhão. Na conta comercial, a entrada foi de US$ 101 milhões.

O volume de ingressos líquidos, no entanto, ainda é pouco expressivo, tendo em vista que nas oito semanas de saques, o volume de dólares que deixou o país foi de US$ 20 bilhões.

Na primeira semana de janeiro, o fluxo tinha sido negativo em US$ 1,312 bilhão. Na ocasião ponderamos que a expectativa, em função do comportamento sazonal do mercado, era de que a entrada de dólares voltasse a superar as saídas com mais consistência ao longo das próximas semanas e meses. O resultado conhecido hoje, no entanto, não permite falar, ainda, em confirmação dessa tendência.

Em dezembro, o fluxo foi negativo em US$ 12,756 bilhões, maior para meses de dezembro desde 2014, quando a saída foi de US$ 14,050 bilhões. A saída na conta financeira ficou em US$ 14,635 bilhões, refletindo o forte aumento nas remessas de empresas para fechamento de balanços e outros compromissos. Em 2018, no entanto, fluxo foi negativo em US$ 995 milhões. Agora em 2019, o fluxo está levemente positivo em US$ 136 milhões.

A saída de dólares em novembro e dezembro levou o Banco Central (BC) a atuar no mercado com leilões de linha com compromisso de recompra. Foram dez atuações que somaram US$ 12,25 bilhões, sendo US$ 11 bilhões em “dinheiro novo” e outro US$ 1,25 bilhão em rolagem de linha.

Essas operações vão vencer no começo dos meses de fevereiro e março. O BC decidirá se deixa as linhas vencerem, com efeito "compra" no mercado, ou se renova as operações via rolagens.

Formação de preço

Como já dissemos, o acompanhamento do fluxo à vista é algo relevante, mas a formação de preço do dólar ocorre, mesmo, no mercado futuro da B3, pois é lá que os comprados, que ganham com a alta do dólar, e os vendidos, que ganham com a queda da moeda, protegem suas exposições em outros mercados e fazem apostas direcionais na moeda americana.

O dólar começou o ano com firme trajetória de baixa, acumulando queda de 4,3% nas duas primeiras semanas de 2019. Nos últimos pregões, no entanto, se percebe certa resistência à novas queda na linha de R$ 3,70. Nas mínimas do período, o dólar foi a R$ 3,68, algo que não se via desde o fim de outubro, quando a moeda marcou R$ 3,65.

Os maiores vendedores de moeda são os fundos de investimento, que estão com uma posição líquida vendida de US$ 34 bilhões em dólar futuro e cupom cambial. Na ponta de compra, seguem os estrangeiros, com US$ 34,9 bilhões. Em 10 de dezembro, essa posição bateu recorde a US$ 41,7 bilhões.

Os bancos deixam de ser relevantes nesse mercado, após um firme ajuste de posições iniciado no fim do ano passado. A posição líquida é vendida em apenas US$ 2,885 bilhões, depois de passar de US$ 17 bilhões em meados de dezembro.

Os bancos também carregam uma expressiva posição vendida no mercado à vista, na casa dos US$ 25 bilhões, reflexo do fluxo cambial negativo do fim do ano passado somado às atuações do BC no mercado via leilões de linha com compromisso de recompra.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

É RECORDE!

Black Friday e Copa do Mundo garantem bom desempenho para o Magazine Luiza (MGLU3) em novembro

29 de novembro de 2022 - 21:10

Novembro se tornou o melhor mês deste ano para a empresa e o mês com mais vendas na história da companhia

Estreante

CTG Brasil deve puxar a fila dos IPOs em 2023. Veja detalhes da oferta

29 de novembro de 2022 - 20:20

Caso se concretize, o IPO da CTG será o primeiro depois de um hiato de sete meses sem ofertas públicas – a última foi a privatização da Eletrobras, em junho

SINAL VERDE DA CÂMARA

Histórico! Brasil aprova lei sobre criptomoedas; confira o que muda para você a partir de agora

29 de novembro de 2022 - 19:58

O estabelecimento de regras mais principiológicas é animador para o esse novo setor da economia brasileira, segundo especialistas

BOA NOTÍCIA PARA OS ACIONISTAS?

Nubank encerra acordo polêmico de remuneração ao fundador, David Vélez, e gera economia bilionária aos cofres da fintech

29 de novembro de 2022 - 19:20

Além da economia, o encerramento do programa também evitará uma potencial diluição de até 2% dos outros acionistas da companhia

FECHAMENTO DO DIA

Commodities metálicas disparam e Ibovespa sobe quase 2%; dólar cai a R$ 5,28

29 de novembro de 2022 - 19:07

O Ibovespa pegou impulso com a valorização das commodities no mercado internacional e subiu quase 2%

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies