Menu
2019-11-28T12:15:47-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Será que o mercado não quer mais o ‘casadão’ no dólar?

Oferta à vista de US$ 1 bilhão foi colocada integralmente, já venda casada com retirada de swaps não teve aceitação

28 de novembro de 2019
12:15
Real e Dólar
Imagem: Montagem Andrei Morais / Shutterstock

O Banco Central (BC) fez nova oferta de dólar no mercado à vista na manhã desta quinta-feira. O lote de até US$ 1 bilhão foi colocado integralmente. O que difere essa atuação das feitas na terça e quarta-feira é que ela foi anunciada previamente.

Mas o que chama atenção e pode ser uma sinalização de mudança de atuação do BC no mercado é que a oferta de dólar à vista casada com a retirada de swaps cambiais, conhecida também como “casadão”, não teve aceitação. Assim, não ocorreu a troca de derivativos (swaps) por dólar à vista e o BC acabou rolando os US$ 785 milhões em contratos de swap que vencem em janeiro.

A dúvida é se o mercado está demandando apenas dólar à vista, preferindo manter a exposição que tem em swaps cambiais. De forma bem simplificada, a demanda à vista atende a necessidade de mandar dólares para pagar compromissos ou remeter para fora do país. O swap é encarado como um instrumento de proteção, de “hedge”. O agente não tem necessidade do dólar físico, mas quer se proteger contra eventual variação do preço da moeda. (Quer entender cada instrumento? Veja esse texto).

Essa discussão parece distante do nosso bolso, mas alterações na forma de atuação podem ter consequência direta sobre a formação de preço do dólar, aliviando ou ampliando a pressão compradora que vimos nos últimos dias - veja nossa cobertura de mercados.

Opções do BC

Em evento, ontem, o diretor de Política Monetária do BC, Bruno Serra Fernandes, disse que o objetivo do BC com as operações de troca de swaps por dólar à vista não era zerar a carteira de swaps, mas sim prover liquidez naquilo que for mais adequado pelo mercado no momento. “Faremos isso até o ponto em que o mercado der sinais de que não precisa mais”, disse o diretor.

Será que o resultado das operações de hoje são um desses sinais? Uma resposta aos questionamentos aqui levantados pode vir ainda hoje ou mesmo amanhã, com o BC decidindo como fará a rolagem dos swaps cambiais que vencem em fevereiro e somam US$ 7,457 bilhões.

O BC tem opções. Pode simplesmente fazer a rolagem tradicional, que é trocar o vencimento de fevereiro por outro mês, se mantendo neutro. Pode seguir com o modelo de troca de swaps por dólar à vista, que começou a ser feito no fim de agosto. E pode, também, não fazer nada e deixar os swaps vencerem, algo que teria um efeito de compra no mercado futuro. Pode ainda, comunicar que fará a rolagem de fevereiro apenas em janeiro, já que está adianto no cronograma.

A mudança de atuação no câmbio feita em agosto foi para atender à maior demanda do mercado por dólares à vista. Temos uma mudança estrutural no nosso mercado, reflexo, basicamente da queda de taxa de juros, que gerou dois efeitos. Fim das operações de arbitragem (captar dinheiro a zero no mundo e ganhar nosso juro) e troca de dívida externa por interna feita pelas empresas.

Agora, podemos estar observando nova demanda só por dólar à vista. Pode ser algo apenas sazonal, em função do aumento na demanda por moeda para remessas de lucros de dividendos. Aqui, o BC também tem a opção de ofertar linhas com compromisso de recompra, como se fosse um empréstimo das reservas.

Apesar dos ruídos que as intervenções causam, elas são parte do trabalho natural do BC de zelar pelo bom funcionamento do mercado. Por isso que o BC sempre enfatiza que o câmbio é flutuante, mas que pode atuar sempre que entender que o mercado está disfuncional, descolado dos fundamentos ou com problemas de liquidez.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

em caráter experimental

IBGE lança pesquisas para mensurar impactos da pandemia de covid em empresa

A Pesquisa Covid-19 nas Empresas, ainda em caráter experimental, está sendo realizada por telefone para avaliar a incidência e o grau de intensidade dos impactos da pandemia na performance empresarial

reviravolta na bolsa

Esta ação era patinho feio – agora é cisne!

Procurei 16 corretoras nos últimos dias para saber quais são suas três principais apostas para o mês de julho. A resposta está aqui

de olho na demanda

Consumo de combustíveis cai 23,8% em maio, diz Unica

Na comparação com os registros de abril, em contrapartida, o volume consumido no mês registrou uma alta de 8,14%, com 3,38 bilhões de litros

Segue o jogo

Caixa ignora crise e mantém prestação de mutuário de baixa renda

Procurada, a Caixa disse que “atua na qualidade de gestor operacional e que cumpre determinações do gestor do programa” – que é o Ministério do Desenvolvimento Regional

propostas do governo

Nova Carteira Verde e Amarela simplifica contratação

Ministério da Economia quer tirar os trabalhadores da informalidade – um contingente de 38 milhões de “invisíveis”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements