Menu
2019-05-18T12:42:45-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Tem viagem marcada?

O dólar que já está quase em R$ 5

Se no mercado financeiro o dólar terminou a semana em R$ 4,10, no mercado turismo as cotações estão bem mais salgadas, pesando no bolso de quem vai viajar

18 de maio de 2019
11:22 - atualizado às 12:42
Dólar
Imagem: Shutterstock

Não é só no mercado financeiro que a escalada do dólar anda assustando. Para quem pretende viajar para o exterior, a cotação da moeda americana é capaz de causar ainda mais aflição.

Na última sexta-feira (17), a cotação do dólar à vista, no mercado financeiro, fechou a R$ 4,10, o mais alto patamar desde setembro de 2018, véspera das eleições presidenciais. Na máxima do dia, chegou a pouco mais de R$ 4,11. Na semana, o dólar negociado no mercado financeiro teve alta de 4,56%.

Para quem precisa comprar moeda para viajar, porém, o cenário é bem pior, e o dólar já se aproxima dos R$ 5. É que a cotação turismo tende a acompanhar o dólar comercial, mas costuma ficar um pouco acima, por uma questão de demanda (pessoas físicas transacionam volumes menores que empresas e bancos), custos e também do lucro para as casas de câmbio.

Na sexta, o dólar turismo era negociado por até R$ 4,38 e, em cartão pré-pago, chegou a ser vendido por R$ 4,60 em uma casa de câmbio de São Paulo.

Para quem tem viagem marcada e ainda não comprou dólares, essa alta recente do dólar, que ontem parecia não ter fim, promete deixar a conta bastante salgada.

Felizmente para quem deseja uma cotação mais baixa, o Banco Central anunciou, sexta à noite, uma atuação no câmbio que pode conter novas altas.

Especialistas aconselham que, ao decidir viajar, as pessoas físicas comprem dólares aos poucos, de forma a misturar cotações mais baixas e mais altas, gerando um preço médio razoável. Como é muito difícil acertar para onde vai o câmbio, esta é a forma mais conservadora de se planejar.

Além disso, do ponto de vista dos investimentos, é sempre interessante manter uma pequena parte da sua carteira em dólar ou fundos cambiais, de forma a ganhar com esses choques de alta e proteger seu patrimônio como um todo.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies