Menu
2019-09-04T17:32:41-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Leilão surpresa de dólar à vista do BC ficou na casa dos US$ 560 milhões

Estimativa para operação feita no dia 27 de agosto parte de dados do BC sobre as reservas internacionais

4 de setembro de 2019
17:32
pá-de-dolares
Imagem: Shutterstock

No dia 27 de agosto, uma terça-feira, o Banco Central (BC) fez um leilão de venda de dólar à vista sem aviso prévio no mercado de câmbio, depois que o dólar ameaçou bater os R$ 4,20 em meio a uma aguda piora nos mercados. O BC não divulga os montantes dessas operações de imediato, mas é possível estimar que ela tenha ficado na casa dos US$ 560 milhões.

A conta levou uma semana para ser feita, pois ela só possível com a divulgação dos dados sobre o mercado cambial, que são atualizados toda a quarta-feira com os números referentes à semana anterior (prazo de liquidação do câmbio à vista é D+2).

Para chegar nesses US$ 560 milhões, olhamos nos dados do BC na tabela “Reservas Internacionais", e vemos que no dia 29 tivemos intervenções à vista de US$ 1,110 bilhão. No entanto, sabemos de antemão que naquele dia o BC tinha liquidado uma rolagem US$ 550 milhões no mercado à vista. Note que estamos olhando a posição do dia 29 e não do dia 27, dia do leilão surpresa, por causa da liquidação em D+2 das operações à vista.

O link para essa tabela está aqui. Procure pelo Capítulo V tabela 27.

Na unha

Há outra forma de estimar o montante à vista de atuação, considerando o fluxo cambial, a posição dos bancos e a atuação do BC no mercado. É uma conta mais imprecisa, mas serve para dar a ordem de grandeza da operação quando não tivermos todos os dados atualizados.

Partimos do princípio que o mercado à vista é um “sistema fechado”, o que sai de um lado entra do outro e os agentes aqui são os bancos e o BC. Vamos aos números.

Na passagem de julho para agosto, a posição vendida dos bancos no mercado à vista subiu de US$ 27,739 bilhões para US$ 28,691 bilhões.

Olhando o fluxo cambial, fechamos agosto com uma saída líquida de US$ 4,317 bilhões. Em tese, a posição dos bancos teria de ter subido nesse mesmo montante, pois eles são os provedores de liquidez do mercado.

Mas desde o dia 21 de agosto, o BC vinha atuado no mercado à vista, trocando swaps por dólares, em operações que totalizaram US$ 2,9 bilhões. Então, considerando a variação da posição vendida dos bancos, atuações do BC e o fluxo, teríamos um “buraco” de cerca de US$ 400 milhões, que pode ser visto como a atuação surpresa do BC. A diferença dessa estimativa com os dados da tabela pode ser atribuída aos distintos sistemas de registros para operações cambiais e com reservas.

Quer entender a diferença entre leilão à vista, swap, swap reverso e linha? Veja esse texto aqui.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Socorro

Parecer no Senado inclui trabalhador intermitente no auxílio emergencial

Senado Federal vai estender o auxílio emergencial de R$ 600 a trabalhadores intermitentes que estão com o vínculo inativo, ou seja, não estão atuando no momento

Associações fazem cobrança

Varejistas encaminham lista de pedidos e cobram agilidade de BC e ministério

Conjunto de cinco associações nacionais de varejistas disparou na manhã desta segunda-feira, 30, uma lista de pedidos para que o governo federal agilize medidas de socorro à economia brasileira

Demissões

Até 40% das empresas cortaram pessoal por pandemia, diz Fed de Nova York

Levantamento do Fed aponta que 40% das empresas do setor de serviços e 30% daquelas do setor manufatureiro estão informando reduções de pessoal

Já caiu tudo o que tinha?

Recuperação será firme, mas não se sabe se mercado chegou ao fundo do poço, diz CEO da BlackRock

“Por mais dramático que isto tenha sido, acredito que a economia se recuperará de modo firme, em parte porque a situação carece de alguns dos obstáculos à recuperação de uma crise financeira típica”, escreveu Fink

Altas e baixas

Klabin, Eletrobras, Ultrapar e BR Distribuidora: os destaques do Ibovespa nesta segunda-feira

As units da Klabin (KLBN11) reagem positivamente à compra de ativos da IP Brasil, enquanto as ações da Eletrobras sobem após o balanço trimestral da companhia

recomendação

Magazine Luiza, Pão de Açúcar e Vivara são melhores opções do varejo, diz XP

Corretora divide as ações das empresas em duas categorias: ganhadoras de curto prazo – o que inclui serviços essenciais – e de longo prazo – varejistas com sólido caixa

período é de crise

GM propõe suspensão temporária de contratos e redução de salários, diz sindicato

Liberação dos funcionários foi uma reivindicação do sindicato, por meio de licença remunerada e sem redução dos salários.

diante da crise

Paradas, pequenas empresas não têm fôlego nem para um mês

Segundo especialistas, a maioria não tem fluxo de caixa suficiente para bancar um período longo sem receitas

Riscos

Metade das grandes empresas tem caixa para suportar até 3 meses sem receita

Metade das empresas de capital aberto tem recursos para aguentar até três meses sem faturar, segundo levantamento com 245 companhias

Horizonte negativo

Fitch revisa perspectiva do setor bancário do Brasil de estável para negativa

Segundo a Fitch, o choque macroeconômico global por causa da doença impõe “desafios de execução para todos os setores no Brasil”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements