Menu
2019-08-15T09:19:14-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Dólar abre pregão em baixa após BC anunciar venda à vista

Oferta de moeda à vista não acontecia desde fevereiro de 2009. BC está trocando contratos de swaps por moeda à vista.

15 de agosto de 2019
9:16 - atualizado às 9:19
Dólar
Imagem: Shutterstock

O dólar comercial começou o dia em baixa, caindo 0,45%, sendo negociado na casa dos R$ 4,02, com os agentes de mercado colocado no preço o anúncio do Banco Central (BC) voltar a oferecer dólares à vista, algo que não acontecia desde fevereiro de 2009. Outras moedas emergentes também têm desempenho positivo ante o dólar.

O anúncio foi feito na noite de ontem e as intervenções começaram na quarta-feira, dia 21. O BC está trocando contratos de swaps (que equivalem à venda de dólar no mercado futuro) por moeda à vista. Também são feitas operações de swaps reverso (que equivalem à compra de dólar futuro).

A operação busca a rolagem integral de até US$ US$ 3,8445 bilhões (76.890 contratos) que é o montante de swaps a vencer em outubro. Serão ofertados até US$ 550 milhões por dia junto com swaps tradicionais e reversos.

Resumindo bem a questão, o BC entra com o dólar à vista pelo simples fato de que falta “moeda de verdade” para a cobertura de compromissos cambiais e os bancos parecem ter atingido o limite de capacidade de tomar linhas externas e fazer oferta por aqui (a posição vendida dos bancos está na casa dos US$ 30 bilhões, entre as maiores da história).

No fim dessa operação, o BC espera ter trocado os US$ 3,8445 bilhões em swaps por moeda à vista ou feito a rolagem desses contratos.

Como não poderia ser diferente, o anúncio da operação gera variadas interpretações e críticas. No entanto, o BC vinha falando que não tinha “preconceito” com os diferentes instrumentos cambiais e que atuaria para atender à demanda do mercado.

Segundo o próprio BC há uma redução na demanda de proteção cambial (hedge) e o aumento da demanda de liquidez no mercado de câmbio à vista. Discutimos detidamente esse tema nesse texto aqui.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

IR 2020

Caiu na malha fina? Veja como regularizar a situação

Saiba como regularizar a sua situação junto a Receita Federal caso a sua declaração apresente informações inconsistentes e caia na malha fina do imposto de renda

Flexibilização

Prefeitura de São Paulo assina protocolo para reabrir bares e salões de beleza

A cidade está na terceira etapa do plano de flexibilização da quarentena do governo estadual, chamada de fase amarela. Com os termos firmados, os estabelecimentos poderão voltar a funcionar na segunda-feira

Recuperação

Fundos imobiliários de tijolo subiram 6% em junho; FII de shoppings ainda caem 21% no ano

Fundos imobiliários de papel, por sua vez, valorizaram, em média, só 3% no mês passado, segundo indicadores calculados pelo Banco Inter

BNDES prorroga linha de crédito para pequena e média empresa, com mais R$ 5 bilhões

Linha para capital de giro será prorrogada até 31 de dezembro, com orçamento ampliado

Crise

Risco para investir volta a nível de 2016

Estrangeiro olha com desconfiança para o Brasil, por conta da crise do coronavírus e também pela taxa de juros nas mínimas históricas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements