Menu
2019-11-27T15:36:53-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

BC quer segurar o dólar? Guedes quer vender reservas?

Diferentes teses circulam no mercado para tentar avaliar a retomada dos leilões de dólar no mercado à vista

27 de novembro de 2019
15:36
dólar
Imagem: Shutterstock

Inquietação comum de parte do mercado quando o Banco Central (BC) atua no dólar é tentar saber se ele defende alguma linha de preço, quer suavizar tendência ou se há outros fatores menos técnicos conduzindo a atuação.

Esse tipo de discussão sempre ocorreu e ocorrerá apesar de o BC sempre deixar claro que não tem meta para taxa de câmbio e que suas atuações acontecem em momentos de mau funcionamento do mercado, problemas de liquidez e quando o real se descola muito dos pares sem que tenha mudança nos fundamentos.

Para as atuações desta terça e quarta-feira temos diversas teses em circulação. Há quem diga que o BC defende sim uma linha de preço, pois voltou a vender dólares, hoje, quando a cotação marcou os R$ 4,27, mesmo patamar de terça-feira - veja nossa cobertura de mercados.

Quem advoga por essa tese, avalia que o real não estava tão descolado dos pares emergentes como ontem. Podemos ponderar que o BC usa outras medidas para ver esse descolamento e decidir pela intervenção, além de olhar também as condições de liquidez do mercado.

No fim, sempre teremos essa discussão entre princípios e percepção do mercado. Por vezes, as percepções se consolidam e ganham ares de convicção. Quando isso acontece, não tem discurso oficial que mude a mentalidade do mercado. Vimos muito disso acontecer nos anos Dilma/Mantega.

Além disso, o dólar sempre escapa das discussões de mercado e esbarra na política. Tem sido bastante comum ver a oposição apontando o dólar alto como algo negativo do governo. Aqui não importam fundamentos e lado técnico, mas sim fazer o raso discurso político e relacionar o dólar com qualquer outra bandeira que se queira empunhar.

Vende e resgata dívida

Outra discussão que se desenrola desde ontem é se teria chegado o momento de colocar em prática uma tese levantada por Paulo Guedes no fim de outubro do ano passado, de vender reservas internacionais para abater dívida se o dólar escalasse para R$ 4,20, R$ 4,30, R$ 5,0.

Segundo disse o ministro na época, essa alta do dólar seria algo interessante, pois o BC poderia vender US$ 100 bilhões das reservas internacionais e abater R$ 500 bilhões em dívida. O ministro condicionou essa ação a um ambiente de crise.

Esse momento teria chegado? Apesar da alta do dólar e dos consequentes respingos nos mercados de juros e bolsa de valores, não é possível falar em crise. No entanto, teríamos atingindo um preço interessante para fazer uma revisão do tamanho das reservas? São questionamentos que ficam em aberto.

Guedes é um defensor da redução das reservas. Já chamou do instrumento de seguro caro e também de “carteira de transgressor”, algo como uma ficha de bons antecedentes para ser apresentada todo ano de eleição contra ataques especulativos ou em momentos de crise.

O BC, naturalmente, tem postura mais reservada, defendendo as reservas como um seguro que tem funcionado e que tem custo de carregamento perto de zero considerando os últimos 15 anos.

O fato é que avaliações objetivas e desinteressadas sobre câmbio, ou qualquer outro ativo, são sempre muito difíceis, pois o mercado que comenta e “dá nota” para a atuação do BC é o mesmo que está apostando na alta ou na queda do dólar.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Bolsa em alta

Petrobras e Vale têm ganhos firmes e puxam a recuperação do Ibovespa; dólar cai

Dados mais fortes na China deram forças ao setor de commodities, impulsionando as ações da Vale e da Petrobras e ajudando o Ibovespa como um todo

Presidente da Câmara

Câmara deve retomar debate sobre reforma tributária na 4ª, diz Maia

O presidente da Casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), aguardava a retomada da comissão mista, que reúne deputados e senadores, mas não foi possível, por isso, dará continuidade apenas na Câmara

Lael Brainard

Para diretora do Fed, é excepcionalmente importante admitir que ventos contrários vão durar

Nesse contexto, a diretora Lael Brainard defendeu os apoios fiscal e monetário como cruciais para sustentar o quadro econômico, no contexto atual da pandemia

Projeções para a bolsa

“Não é trivial romper a barreira dos 100 mil pontos do Ibovespa”, diz Beker, do Bank of America

David Beker, chefe de economia e estratégia do Bank of America no Brasil, falou sobre sua visão para a economia global e o comportamento do Ibovespa nos próximos meses

gigante aérea americana

Delta tem prejuízo de US$ 5,7 bilhões no 2º trimestre e estima que levará mais de dois anos para se recuperar

No mesmo período do ano passado, a aérea teve lucro de US$ 1,44 bilhão. Delta diminuiu em 70% a queima de caixa em junho, em comparação aos últimos dias de março. Ações caem 2% em Nova York

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements