Menu
2019-11-27T15:36:53-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

BC quer segurar o dólar? Guedes quer vender reservas?

Diferentes teses circulam no mercado para tentar avaliar a retomada dos leilões de dólar no mercado à vista

27 de novembro de 2019
15:36
dólar
Imagem: Shutterstock

Inquietação comum de parte do mercado quando o Banco Central (BC) atua no dólar é tentar saber se ele defende alguma linha de preço, quer suavizar tendência ou se há outros fatores menos técnicos conduzindo a atuação.

Esse tipo de discussão sempre ocorreu e ocorrerá apesar de o BC sempre deixar claro que não tem meta para taxa de câmbio e que suas atuações acontecem em momentos de mau funcionamento do mercado, problemas de liquidez e quando o real se descola muito dos pares sem que tenha mudança nos fundamentos.

Para as atuações desta terça e quarta-feira temos diversas teses em circulação. Há quem diga que o BC defende sim uma linha de preço, pois voltou a vender dólares, hoje, quando a cotação marcou os R$ 4,27, mesmo patamar de terça-feira - veja nossa cobertura de mercados.

Quem advoga por essa tese, avalia que o real não estava tão descolado dos pares emergentes como ontem. Podemos ponderar que o BC usa outras medidas para ver esse descolamento e decidir pela intervenção, além de olhar também as condições de liquidez do mercado.

No fim, sempre teremos essa discussão entre princípios e percepção do mercado. Por vezes, as percepções se consolidam e ganham ares de convicção. Quando isso acontece, não tem discurso oficial que mude a mentalidade do mercado. Vimos muito disso acontecer nos anos Dilma/Mantega.

Além disso, o dólar sempre escapa das discussões de mercado e esbarra na política. Tem sido bastante comum ver a oposição apontando o dólar alto como algo negativo do governo. Aqui não importam fundamentos e lado técnico, mas sim fazer o raso discurso político e relacionar o dólar com qualquer outra bandeira que se queira empunhar.

Vende e resgata dívida

Outra discussão que se desenrola desde ontem é se teria chegado o momento de colocar em prática uma tese levantada por Paulo Guedes no fim de outubro do ano passado, de vender reservas internacionais para abater dívida se o dólar escalasse para R$ 4,20, R$ 4,30, R$ 5,0.

Segundo disse o ministro na época, essa alta do dólar seria algo interessante, pois o BC poderia vender US$ 100 bilhões das reservas internacionais e abater R$ 500 bilhões em dívida. O ministro condicionou essa ação a um ambiente de crise.

Esse momento teria chegado? Apesar da alta do dólar e dos consequentes respingos nos mercados de juros e bolsa de valores, não é possível falar em crise. No entanto, teríamos atingindo um preço interessante para fazer uma revisão do tamanho das reservas? São questionamentos que ficam em aberto.

Guedes é um defensor da redução das reservas. Já chamou do instrumento de seguro caro e também de “carteira de transgressor”, algo como uma ficha de bons antecedentes para ser apresentada todo ano de eleição contra ataques especulativos ou em momentos de crise.

O BC, naturalmente, tem postura mais reservada, defendendo as reservas como um seguro que tem funcionado e que tem custo de carregamento perto de zero considerando os últimos 15 anos.

O fato é que avaliações objetivas e desinteressadas sobre câmbio, ou qualquer outro ativo, são sempre muito difíceis, pois o mercado que comenta e “dá nota” para a atuação do BC é o mesmo que está apostando na alta ou na queda do dólar.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

balanços 3º tri

Hypera Pharma atinge maior receita da história e lucro cresce 29,4% no terceiro trimestre

Além da evolução de dois dígitos no segmento de ‘sell-out’ (vendas em farmácias), o período também fechou a conclusão de dois grandes negócios para a Hypera Pharma

Mudanças no time

BB Seguridade anuncia Marcio Hamilton Ferreira como novo diretor-presidente

Ferreira é graduado em Administração de empresas e desde janeiro ocupava o cargo de Diretor-Presidente da Brasilprev, empresa investida da BB Seguridade.

Multa de US$ 40 milhões

Justiça dos EUA aprova acordo para encerramento de ação coletiva, diz BRF

A empresa pagou a quantia de US$ 40 milhões para encerrar todas as demandas pendentes e que possam vir a ser propostas por pessoas ou entidades

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Um grande passo para a Arezzo

A Arezzo, rede de lojas de calçados femininos presente em boa parte dos shoppings brasileiros, abriu o capital na bolsa em 2011. Se você buscar no Google, provavelmente vai encontrar a matéria que eu escrevi na época sobre o IPO da empresa. Eu inclusive estive na sede da antiga BM&FBovespa (atual B3) na manhã do […]

fechando a conta no azul

Perdeu, mas ganhou: Ibovespa tem correção e cai, mas termina semana em alta; juros disparam com inflação

Índice não conseguiu manter toada positiva vista em outros dias e recuou com quedas de bancos e Petrobras; dólar sobe com inflação maior à vista

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies