Menu
2019-11-27T15:36:53-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

BC quer segurar o dólar? Guedes quer vender reservas?

Diferentes teses circulam no mercado para tentar avaliar a retomada dos leilões de dólar no mercado à vista

27 de novembro de 2019
15:36
dólar
Imagem: Shutterstock

Inquietação comum de parte do mercado quando o Banco Central (BC) atua no dólar é tentar saber se ele defende alguma linha de preço, quer suavizar tendência ou se há outros fatores menos técnicos conduzindo a atuação.

Esse tipo de discussão sempre ocorreu e ocorrerá apesar de o BC sempre deixar claro que não tem meta para taxa de câmbio e que suas atuações acontecem em momentos de mau funcionamento do mercado, problemas de liquidez e quando o real se descola muito dos pares sem que tenha mudança nos fundamentos.

Para as atuações desta terça e quarta-feira temos diversas teses em circulação. Há quem diga que o BC defende sim uma linha de preço, pois voltou a vender dólares, hoje, quando a cotação marcou os R$ 4,27, mesmo patamar de terça-feira - veja nossa cobertura de mercados.

Quem advoga por essa tese, avalia que o real não estava tão descolado dos pares emergentes como ontem. Podemos ponderar que o BC usa outras medidas para ver esse descolamento e decidir pela intervenção, além de olhar também as condições de liquidez do mercado.

No fim, sempre teremos essa discussão entre princípios e percepção do mercado. Por vezes, as percepções se consolidam e ganham ares de convicção. Quando isso acontece, não tem discurso oficial que mude a mentalidade do mercado. Vimos muito disso acontecer nos anos Dilma/Mantega.

Além disso, o dólar sempre escapa das discussões de mercado e esbarra na política. Tem sido bastante comum ver a oposição apontando o dólar alto como algo negativo do governo. Aqui não importam fundamentos e lado técnico, mas sim fazer o raso discurso político e relacionar o dólar com qualquer outra bandeira que se queira empunhar.

Vende e resgata dívida

Outra discussão que se desenrola desde ontem é se teria chegado o momento de colocar em prática uma tese levantada por Paulo Guedes no fim de outubro do ano passado, de vender reservas internacionais para abater dívida se o dólar escalasse para R$ 4,20, R$ 4,30, R$ 5,0.

Segundo disse o ministro na época, essa alta do dólar seria algo interessante, pois o BC poderia vender US$ 100 bilhões das reservas internacionais e abater R$ 500 bilhões em dívida. O ministro condicionou essa ação a um ambiente de crise.

Esse momento teria chegado? Apesar da alta do dólar e dos consequentes respingos nos mercados de juros e bolsa de valores, não é possível falar em crise. No entanto, teríamos atingindo um preço interessante para fazer uma revisão do tamanho das reservas? São questionamentos que ficam em aberto.

Guedes é um defensor da redução das reservas. Já chamou do instrumento de seguro caro e também de “carteira de transgressor”, algo como uma ficha de bons antecedentes para ser apresentada todo ano de eleição contra ataques especulativos ou em momentos de crise.

O BC, naturalmente, tem postura mais reservada, defendendo as reservas como um seguro que tem funcionado e que tem custo de carregamento perto de zero considerando os últimos 15 anos.

O fato é que avaliações objetivas e desinteressadas sobre câmbio, ou qualquer outro ativo, são sempre muito difíceis, pois o mercado que comenta e “dá nota” para a atuação do BC é o mesmo que está apostando na alta ou na queda do dólar.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Mais uma na área

FDA autoriza uso emergencial de vacina de dose única nos EUA

Imunizante é produzido pela Johnson & Johnson

Contra a pandemia

Matéria-prima para produção de 12 milhões de doses de vacina chega ao Rio

Total de efetivamente imunizados não chega a 1% da população brasileira

Acordo confirmado

Notre Dame Intermédica e Hapvida chegam a acordo para combinação de negócios

Ações da Notre Dame serão incorporadas pela Hapvida; acordo resultará em uma das maiores empresas de saúde do mundo

Sem trégua

Brasil passa de 254 mil mortes por covid-19

Número de casos da doença supera a marca de 10,5 milhões

Estrada do futuro

Em breve, você ganhará dinheiro investindo em uma Mona Lisa

Recebíveis de tecnologia, obras de arte, criptomoedas… o mundo dos investimentos está mudando numa velocidade avassaladora. E pela primeira vez na história os investidores individuais estão fazendo parte dessa mudança

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies