Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-11-28T07:24:12-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

BC mandou avisar: Tem venda de dólar nesta quinta-feira

Oferta no mercado à vista será de até US$ 1 bilhão e marca nova estratégia depois de dois dias de ofertas surpresa

27 de novembro de 2019
19:47 - atualizado às 7:24
pá-de-dolares
Imagem: Shutterstock

Depois de dois pregões com venda surpresa de dólar no mercado à vista, o Banco Central (BC) mudou a estratégia. Já anunciou, que vai vender até US$ 1 bilhão de dólares na quinta-feira pela manhã.

Vale lembrar que a atuação não se limita apenas a essa oferta. Como o presidente, Roberto Campos Neto, e o diretor Bruno Serra Fernandes, já disseram, o BC atuará sempre que entender que o mercado está disfuncional, descolado dos fundamentos ou com problemas de liquidez.

Ao pré-anunciar sua atuação, o BC perde o elemento surpresa, mas consegue afastar as suspeitas de parte do mercado de que pretende defender uma linha de preço. Tanto ontem, como hoje, os leilões aconteceram com o dólar à vista testando a linha de R$ 4,27. E tanto ontem, como hoje, o dólar manteve a trajetória de alta após as atuações, fechando em máxima histórica nominal de R$ 4,2586, alta de 0,44% - veja nossa cobertura de mercados.

Discutimos as diferentes percepções do mercado sobre as recentes atuais do BC neste texto. Agora vale aguardar qual será a reação do mercado à nova modalidade de atuação. O pregão de amanhã pode ser de liquidez reduzida em função do feriado nos EUA.

Surpresa ou ração?

Já dissemos que a atuação surpresa, seja à vista, com swaps ou linhas, é a arma mais poderosa que o BC tem para atuar no mercado de câmbio.

Alguns estudos acadêmicos já fizeram a comparação entre atuações anunciadas previamente e as repentinas e o modelo sem aviso e com volumes elevados foi o que se mostrou o mais eficiente em “convencer” o mercado a seguir na mesma direção da intervenção. O que o BC não consegue é reduzir a volatilidade da taxa (working paper 413 “Efeitos das Intervenções Cambiais sobre a Taxa de Câmbio Futura no Brasil” link aqui).

O que o BC faz ao atuar sem aviso prévio é tirar o comprado, aquele que ganha com a alta do dólar, da zona de conforto. Antes de abrir nova posição esse cara vai se questionar, tentar estimar ou montar alguma regra para escapar ou antecipar a atuação do BC (vale para o vendido também em momentos de baixa, ou seja, quando o BC compra).

Um dos riscos da ação previamente anunciada é o mercado entender que terá uma “ração diária”, o que acomoda a atuação de comprados e vendidos. O BC já usou a tal “ração diária” em outras ocasiões, a mais recente foi em junho 2014, com a venda de swaps cambiais, programa que passou de US$ 100 bilhões ofertados ao mercado e que foi alvo de críticas nos anos posteriores.

Também já discutimos detidamente a questão dos fundamentos de mercado nesse texto aqui, mas basicamente temos uma mudança de política econômica. A redução do gasto do governo abriu espaço para o corte da taxa de juros e o real deixou de ser moeda de arbitragem. Deixamos de “exportar taxa de juro” e o dólar deixou de ser "âncora" para o BC manter a inflação na meta.

Além disso, tivemos expressivo volume de empresas trocando dívida externas por interna, também reflexo da queda de juro por aqui. Algo salutar, mas que ampliou a demanda por dólar à vista ao longo do ano.

Mais recentemente, tivemos frustração com leilão do pré-sal, aumento das tensões políticas na América Latina e um período sazonal ruim, pois novembro e dezembro concentram remessas de lucros e dividendos. Ainda nesta semana, o próprio BC surpreendeu o mercado mostrando um rombo maior nas contas externas ao reclassificar a conta de lucros e dividendos.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Quem é a Pi

Uma plataforma de investimentos feita para ajudar a atingir seus objetivos por meio de uma experiência #simples, #segura, #acessível e #transparente.

Debandada no Ministério

Três membros da equipe econômica pedem demissão após Guedes lavar as mãos para furo no teto de gastos

Segundo o Ministério da Economia, os funcionários alegaram motivos pessoais, mas o timing das saídas aponta que a insatisfação com a postura do ministro pode ser o real motivo por trás da debandada

Presente de grego

Bolsonaro está dando presente para os mais pobres com o Auxílio Brasil? Para o relator do benefício na Câmara, ele está apenas emprestando até ganhar a eleição

O deputado Marcelo Aro diz que a solução encontrada pelo presidente é claramente eleitoreira e pode prejudicar os beneficiários após o fim das eleições

INVESTIR EM CANNABIS

Dividendos em Cannabis: como ganhar uma renda recorrente investindo em um dos segmentos mais promissores dos próximos anos

O analista Enzo Pacheco explica as oportunidades desse mercado que tem ganhado cada vez mais espaço nos Estados Unidos

US$ 1 = R$ 5,70

Dólar flerta com o maior patamar em seis meses, mas desacelera alta após relatório da PEC dos precatórios e moeda se afasta dos R$ 5,70

Em 2021, o dólar chegou a atingir o patamar de R$ 5,883, em março, um dos piores momentos da crise causada pela pandemia de covid-19

TAPANDO O SOL COM A PENEIRA

Bolsonaro recorre a suposta sensibilidade com mais pobres para negar que esteja furando teto

Comentários do presidente vêm à tona um dia depois de o ministro da Economia, Paulo Guedes, ter admitido a necessidade de uma ‘licença para gastar’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies