Menu
2019-11-28T07:24:12-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

BC mandou avisar: Tem venda de dólar nesta quinta-feira

Oferta no mercado à vista será de até US$ 1 bilhão e marca nova estratégia depois de dois dias de ofertas surpresa

27 de novembro de 2019
19:47 - atualizado às 7:24
pá-de-dolares
Imagem: Shutterstock

Depois de dois pregões com venda surpresa de dólar no mercado à vista, o Banco Central (BC) mudou a estratégia. Já anunciou, que vai vender até US$ 1 bilhão de dólares na quinta-feira pela manhã.

Vale lembrar que a atuação não se limita apenas a essa oferta. Como o presidente, Roberto Campos Neto, e o diretor Bruno Serra Fernandes, já disseram, o BC atuará sempre que entender que o mercado está disfuncional, descolado dos fundamentos ou com problemas de liquidez.

Ao pré-anunciar sua atuação, o BC perde o elemento surpresa, mas consegue afastar as suspeitas de parte do mercado de que pretende defender uma linha de preço. Tanto ontem, como hoje, os leilões aconteceram com o dólar à vista testando a linha de R$ 4,27. E tanto ontem, como hoje, o dólar manteve a trajetória de alta após as atuações, fechando em máxima histórica nominal de R$ 4,2586, alta de 0,44% - veja nossa cobertura de mercados.

Discutimos as diferentes percepções do mercado sobre as recentes atuais do BC neste texto. Agora vale aguardar qual será a reação do mercado à nova modalidade de atuação. O pregão de amanhã pode ser de liquidez reduzida em função do feriado nos EUA.

Surpresa ou ração?

Já dissemos que a atuação surpresa, seja à vista, com swaps ou linhas, é a arma mais poderosa que o BC tem para atuar no mercado de câmbio.

Alguns estudos acadêmicos já fizeram a comparação entre atuações anunciadas previamente e as repentinas e o modelo sem aviso e com volumes elevados foi o que se mostrou o mais eficiente em “convencer” o mercado a seguir na mesma direção da intervenção. O que o BC não consegue é reduzir a volatilidade da taxa (working paper 413 “Efeitos das Intervenções Cambiais sobre a Taxa de Câmbio Futura no Brasil” link aqui).

O que o BC faz ao atuar sem aviso prévio é tirar o comprado, aquele que ganha com a alta do dólar, da zona de conforto. Antes de abrir nova posição esse cara vai se questionar, tentar estimar ou montar alguma regra para escapar ou antecipar a atuação do BC (vale para o vendido também em momentos de baixa, ou seja, quando o BC compra).

Um dos riscos da ação previamente anunciada é o mercado entender que terá uma “ração diária”, o que acomoda a atuação de comprados e vendidos. O BC já usou a tal “ração diária” em outras ocasiões, a mais recente foi em junho 2014, com a venda de swaps cambiais, programa que passou de US$ 100 bilhões ofertados ao mercado e que foi alvo de críticas nos anos posteriores.

Também já discutimos detidamente a questão dos fundamentos de mercado nesse texto aqui, mas basicamente temos uma mudança de política econômica. A redução do gasto do governo abriu espaço para o corte da taxa de juros e o real deixou de ser moeda de arbitragem. Deixamos de “exportar taxa de juro” e o dólar deixou de ser "âncora" para o BC manter a inflação na meta.

Além disso, tivemos expressivo volume de empresas trocando dívida externas por interna, também reflexo da queda de juro por aqui. Algo salutar, mas que ampliou a demanda por dólar à vista ao longo do ano.

Mais recentemente, tivemos frustração com leilão do pré-sal, aumento das tensões políticas na América Latina e um período sazonal ruim, pois novembro e dezembro concentram remessas de lucros e dividendos. Ainda nesta semana, o próprio BC surpreendeu o mercado mostrando um rombo maior nas contas externas ao reclassificar a conta de lucros e dividendos.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Proventos

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 416 milhões em Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Terão direito ao provento os investidores com posição acionária na empresa no dia 11 de março

o melhor do seu dinheiro

Brandão balança mais não cai?

Chegamos ao fim de mais uma semana tensa nos mercados, que começou com a derrocada das ações da Petrobras, em razão da interferência do governo na presidência da estatal, e termina com pressões na bolsa e no dólar motivadas pelas preocupações dos investidores com a inflação nos Estados Unidos e alta nas taxas dos títulos […]

URGENTE

Hapvida e NotreDame chegam a um acordo sobre fusão, afirma site

A maior combinação entre duas empresas brasileiras criará uma gigante do setor de saúde, com um valor de R$ 110 bilhões.

fechamento da semana

Tensão em Brasília leva Ibovespa de volta aos 110 mil pontos e afunda estatais; dólar vai a R$ 5,60

Em semana marcada pela tensão entre governo e mercado, o Ibovespa recuou 7,09%, de volta aos 110 mil pontos. O dólar disparou acima dos R$ 5,60

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam quase 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal; BB nega que presidente tenha renunciado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies