Menu
2019-08-28T12:51:12-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Tiro para todo lado

BC fez quatro leilões diferentes de dólar agora pela manhã

Tivemos baixa colocação de dólar à vista, o que levou o BC a fazer rolagem de swaps. Também aconteceu rolagem de US$ 1,5 bilhão em linhas

28 de agosto de 2019
12:51
pá-de-dolares
Imagem: Shutterstock

A primeira metade do pregão de dólar foi movimentada por quatro diferentes intervenções do Banco Central (BC). Todas elas, no entanto, previamente anunciadas. Não tivemos, ao menos ainda, um leilão surpresa como o anunciado ontem. Por volta das 12h40, o dólar rondava a estabilidade, a R$ 4,1557 (Veja a cobertura de mercados).

Vamos pela ordem. A primeira operação foi o leilão de até US$ 550 milhões no mercado à vista, conjungado com a oferta de swaps reversos (que equivalem à compra de dólar futuro) no mesmo montante. Resultado: foram colocados apenas US$ 25 milhões à vista e o mesmo montante de swap.

Como essa operação faz parte da rolagem dos swaps que vencem em outubro, o que o BC não conseguiu colocar no mercado à vista é ofertado ao mercado em swaps tradicionais (que equivalem à venda de dólar futuro). Resultado: todo o lote remanescente, de US$ 525 milhões (10.500 contratos), foi rolado para julho de 2020.

Além dessas três operações, que são “casadas”, também foi feita a rolagem de linhas com compromisso de recompra que vencem na virada do mês. O volume ofertado nessa operação, que é uma espécie de empréstimo das reservas internacionais, foi de US$ 1,5 bilhão. Todo o lote foi rolado para novembro.

É possível que o BC faça outra rolagem de linha, já que o montante vincendo em setembro soma US$ 3,8 bilhões. Teremos a resposta por volta das 18 horas de hoje. O que não for rolado tem de ser comprado no mercado e devolvido ao BC.

Saldo total

Até o momento, da rolagem de outubro, de cerca de US$ 3,5 bilhões, o BC colocou US$ 2,425 bilhões à vista e rolou US$ 875 milhões em swaps. Lembrando que cada swap reverso “cancela” um swap tradicional. Por isso temos a troca de swaps por dólar à vista. Amanhã teremos a última oferta da rolagem de outubro, de US$ 550 milhões.

O BC também já comunicou que pretende manter esse formato de rolagem, com troca ou não de swaps a depender da demanda, ao longo de setembro. O montante a vencer equivale a US$ 11,6 bilhões.

Quer entender a diferença entre leilão à vista, swap, swap reverso e linha? Veja esse texto aqui.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

BANCÕES EM ALTA

Lucro do Banco do Brasil sobe 44,7% no 1º trimestre e atinge R$ 4,9 bilhões

O Banco do Brasil (BB) registrou lucro líquido ajustado de R$ 4,9 bilhões no primeiro trimestre deste ano, 44,7% maior que os R$ 3,4 bilhões reportados em igual período de 2020 e 32,9% superior ao resultado obtido nos últimos três meses do ano passado. “O lucro recorde para um trimestre é resultado de uma estratégia […]

Vol é vida?

Lucro líquido da B3 cresce 22,5% e atinge R$ 1,25 bi no 1º trimestre

O lucro líquido recorrente atingiu R$ 1,4 bilhão, alta de 15,5% frente ao mesmo período do ano passado e de 15,2% na comparação com o trimestre anterior

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

O Carnaval fora de época da Ambev e mais…

O varejo tem várias datas importantes: dia das mães, dia dos pais, dia das crianças, dia dos namorados, Black Friday, Natal… Há uma data comemorativa em quase todos os meses, e todas são aguardadas com ansiedade pelo setor — afinal, qualquer impulso nas vendas é bem vindo. Pois para a Ambev, a coisa funciona um […]

FECHAMENTO DO DIA

Balanços e commodities metálicas ditam o ritmo e Ibovespa fecha em alta; dólar volta à casa dos R$ 5,20

Com a agenda de indicadores fracas e um Copom sem grandes surpresas, os investidores se debruçaram nos números do trimestre e no novo recorde do minério de ferro.

Queda no apetite

Fed sinaliza risco de tombo nos preços de ativos em relatório de estabilidade

O banco central dos EUA demonstrou preocupação com um possível declínio no apetito ao risco dos investidores norte-americanos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies