Menu
2019-10-01T19:58:35-03:00
Passou

Após negociação com Planalto, Senado aprova quatro indicados para o Cade

Parlamentares aprovaram a indicação de Sérgio Costa Ravagnani, Lenisa Prado e Luis Henrique Bertolino Braido como conselheiros

1 de outubro de 2019
19:55 - atualizado às 19:58
senado
Senado - Imagem: Alessandro Dantas/Fotos Públicas

O Senado aprovou, nesta terça-feira, 1, a indicação de quatro nomes para compor o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade). Ainda falta a apreciação de outros dois nomes já sabatinados na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

Os senadores aprovaram a indicação de Sérgio Costa Ravagnani, Lenisa Prado e Luis Henrique Bertolino Braido como conselheiros.

A indicação de Ravagnani veio da Casa Civil e a de Braido, do ministro da Economia, Paulo Guedes. Já Lenisa foi indicada por senadores. A recondução de Walter de Agra Júnior para o cargo de procurador-geral do Cade também foi aprovada.

O aval do Senado é necessário para a nomeação dos indicados pelo presidente Jair Bolsonaro no órgão. O Cade está com apenas três integrantes no tribunal e sem quórum para votações desde julho. A votação dos nomes ocorreu na mesma sessão em que a reforma da Previdência está pautada.

O Senado ainda precisa avaliar as indicações de Alexandre Cordeiro para o cargo de superintendente-geral do Cade e de Luiz Augusto de Almeida Hoffmann para ser conselheiro do órgão. As indicações foram feitas pelo presidente Jair Bolsonaro em negociação com o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), que havia manifestado rejeição a nomes anteriormente encaminhados.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

3 passos para sobreviver à crise atual no mercado

Um investidor inteligente com educação financeira se concentra menos no que não pode ser controlado — o preço, por exemplo — e mais no que pode ser controlado, como as taxas de juros fixas e as taxas de retorno.

Acabou a crise?

A maldição de maio não pegou de novo: bolsa foi o melhor investimento do mês, e dólar foi o pior

Pelo segundo ano consecutivo, a máxima “sell in may and go away” não se fez valer. Ativos de risco se saíram bem em maio, mas títulos públicos de longo prazo e o dólar tiveram desempenho negativo

Covid no Brasil

Brasil chega a 465,1 mil casos por coronavírus e 27,8 mil mortes

Do total de casos confirmados, 189.476 pacientes foram recuperados

Agência de telecomunicações

Anatel acata decisão judicial e aprova regra que retira sigilo de ligações

A Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) regulamentou a questão ontem, 28, em cumprimento a uma decisão da Justiça Federal do Sergipe

seu dinheiro na sua noite

Adam Smith e o PIB da pandemia

A economia funciona desta forma: a produção de bens e serviços só existe em função do consumo. Essa conclusão não é minha, é claro, mas de Adam Smith. Citar o “pai” do liberalismo em um raro momento de consenso sobre a necessidade de maior atuação do Estado para conter os efeitos do coronavírus na economia […]

De novo

CVC adia mais uam vez entrega do balanço do quarto trimestre de 2019

A operadora e agência de viagens CVC informou nesta sexta-feira, 29, que as suas demonstrações financeiras referentes ao exercício de 2019 só devem ser apresentadas até 31 de julho

Auxílio emergencial

Caixa abre mais de 2 mil agências no sábado

Por enquanto, apenas quem recebeu a primeira parcela até 30 de abril e nasceu em janeiro pode sacar o valor

Saldo positivo

Após muita volatilidade, dólar acumula queda de 1,83% em maio; Ibovespa sobe 8,57% no mês

Uma suavização nos fatores de risco domésticos e globais permitiu que o dólar se despressurizasse em maio e levou o Ibovespa de volta aos 87 mil pontos

Presidente da Câmara

Maia rechaça aumento de impostos para suprir queda na receita e defende reformas

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), disse que considera difícil qualquer tipo de aumento na carga tributária para compensar a queda de receita pública por causa da pandemia de covid-19

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements