🔴 3 ações para LUCRAR com a SELIC em alta: clique aqui e descubra quais são

2022-06-23T11:33:50-03:00
Camille Lima
O REMÉDIO CHEGOU

Cade aprova compra da Extrafarma, da Ultrapar (UGPA3), pela Pague Menos (PGMN3) — mas com algumas exigências

Após mais de um ano desde o anúncio do negócio, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica aprovou, com restrições, a operação multimilionária

23 de junho de 2022
11:33
Pague Menos Extrafarma Ultrapar
Imagem: Shutterstock/Andrei Morais

Cerca de um ano atrás, a Ultrapar (UGPA3) encontrou um medicamento para solucionar o mal estar com um de seus negócios mais problemáticos: a venda multimilionária da Extrafarma para a Pague Menos (PGMN3). 

O remédio, porém, dependia da prescrição do maior médico dos mercados financeiros, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) — e o tão aguardado aval saiu apenas nesta quarta-feira (22).

O Cade já havia informado que o negócio era complexo e deveria ser analisado com lupa, e a aprovação da aquisição da Extrafarma pela Pague Menos por R$ 700 milhões veio com algumas ressalvas. 

As restrições do Cade

Antes de se tornar oficialmente o segundo maior grupo farmacêutico do país em número de lojas, com cerca de 1,5 mil estabelecimentos e atrás apenas da Raia Drogasil, a compradora terá que atender a algumas demandas do Conselho.

Para conseguir o aval do Cade, a Pague Menos terá que vender oito unidades da Extrafarma — isto é, 2% do total de lojas da adquirida — no Nordeste em até seis meses. 

A exigência foi feita após o Conselho observar uma concentração excessiva gerada pelo negócio na região, de acordo com o relator do caso, conselheiro Gustavo Augusto. 

De acordo com o Conselho, serão vendidas cinco unidades no Ceará, nos municípios Russas, Canindé, Limoeiro do Norte, Aracati e Horizonte. Enquanto isso, deverão ser vendidas duas lojas no Maranhão, sendo uma em Chapadinha e outra em Codó (MA). Já no Rio Grande do Norte, será feita a venda de uma unidade da cidade de Caicó.

A venda da Extrafarma para a Pague Menos (PGMN3)

O programa de enxugamento de portfólio da Ultrapar (UGPA3) começou em maio de 2021, com o anúncio da venda da Extrafarma para a cearense Pague Menos (PGMN3).

O negócio foi fechado por R$ 700 milhões, sujeito a ajustes que consideram variações de capital de giro e a posição da dívida líquida da Extrafarma na data de conclusão da operação.

A Ultrapar, conhecida por controlar a rede de postos Ipiranga, não teve o mesmo sucesso na investida no varejo de medicamentos. Apesar de possuir mais de 400 lojas espalhadas ao redor do país, a Extrafarma não tinha fortes impactos nos balanços da controladora.

Uma compra estratégica da Pague Menos (PGMN3)

A decisão de comprar a empresa rival não foi por acaso. De acordo com Mário Queirós, presidente da Pague Menos, a aquisição da Extrafarma foi estratégica, visando também o crescimento das vendas digitais e de serviços

“A Extrafarma estava numa situação de virada e com um valor que não era o que ela merecia, e vamos atingir um mercado ainda maior com a aquisição", disse Queirós.

O negócio ainda fortaleceu a presença da cearense no Norte e no Nordeste, regiões em que a empresa é líder. A Pague Menos está convencida de que a expansão e otimização dos pontos de venda é uma de suas principais armas contra a concorrência.

Para o fim de 2022, a empresa espera registrar um saldo de 100 novas lojas abertas, sem considerar o negócio da Extrafarma, de acordo com o CFO da Pague Menos, Luiz Renato Novais. No ano passado, foram inaugurados 80 estabelecimentos.

O que dizem os analistas

Para a corretora Ativa Investimentos, a aprovação do negócio pelo Cade é positiva para a Pague Menos. Isso porque a compra da Extrafarma acelera o plano de expansão da cearense nas regiões de maior atuação da Pague Menos.

Além disso, os analistas acreditam que a operação pode gerar importantes sinergias que contribuirão com o aumento da penetração on-line através do e-commerce e de vendas por loja da farmacêutica. 

As ações das companhias reagiram positivamente ao aval do Cade ontem e fecharam em forte alta no Ibovespa, com ganhos de 2,14% para a Pague Menos (PGMN3) e de 3,28% para a Ultrapar (UGPA3). 

Já nesta quinta-feira, o otimismo oscilou e os papéis UGPA3 entraram em rota de queda. Por volta das 11h15 desta sessão, as ações da Ultrapar (UGPA3) recuavam 0,87%, cotadas a R$ 12,47. Enquanto isso, os papéis da Pague Menos (PGMN3) subiam 0,42% no mesmo horário, negociados a R$ 4,79.

Apesar do bom humor ontem, no acumulado do ano, os papéis têm desempenho negativo. No caso de PGMN3, a queda em 2022 foi de 48%, enquanto UGPA3 recuou 14%.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Fraqueza nos números

Entrega de veículos da Tesla (TSLA34) recua no segundo trimestre e vem abaixo da expectativa do mercado

Apesar do crescimento das vendas na comparação anual, houve uma queda em relação ao trimestre anterior

Mais uma vítima

Após tomar calote do 3AC, exchange Voyager Digital suspende saques, depósitos e negociações de clientes

Corretora de criptomoedas tomou calote de mais de US$ 670 milhões, mas, apesar de ter tomado empréstimos, precisou paralisar atividades

Bancões na área

Vão sobrar uns cinco ou dez bancos digitais, e o Next está entre eles, diz CEO do banco digital do Bradesco

Renato Ejnisman diz ainda que Next visa a mais aquisições e pensa ainda em internacionalização

No vermelho

Magazine Luiza (MGLU3) é a ação com o pior desempenho do Ibovespa no primeiro semestre de 2022; outras varejistas e techs também sofreram no período

Com queda acumulada de quase 70% no ano, ações do Magalu são as piores do Ibovespa no semestre que acaba de terminar

Proteção

Qual título público comprar no Tesouro Direto? Santander recomenda papel indexado à inflação para o mês de julho; veja qual

Recomendação do banco para o Tesouro Direto visa proteção contra a inflação e possibilidade de valorização

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies