Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2021-12-16T15:32:40-03:00
Victor Aguiar
Victor Aguiar
Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero e com MBA em Informações Econômico-Financeiras e Mercado de Capitais pelo Instituto Educacional BM&FBovespa. Trabalhou nas principais redações de economia do país, como Bloomberg, Agência Estado/Broadcast e Valor Econômico. Em 2020, foi eleito pela Jornalistas & Cia como um dos 10 profissionais de imprensa mais admirados no segmento de economia, negócios e finanças.
Sinal verde

Cade aprova fusão entre Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) com restrições mais duras; ações sobem mesmo assim

O Tribunal do Cade decidiu favoravelmente à operação, por 3 votos a 2; Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3) terão que vender ativos

15 de dezembro de 2021
13:01 - atualizado às 15:32
Montagem com duas alianças e os logos de Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3), simbolizando a fusão entre as duas companhias
Imagem: Montagem Andrei Moraes/ Seu Dinheiro

O Tribunal do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou há pouco, por três votos a dois, a fusão entre Localiza (RENT3) e Unidas (LCAM3). O sinal verde, no entanto, foi condicionado à adoção de algumas restrições por parte das companhias — os chamados 'remédios' que diminuam a concentração de mercado no setor.

A aprovação já era esperada pelo mercado, uma vez que a Superintendência-Geral do Cade já tinha dado o seu aval para a operação, desde que parte dos ativos da companhia fundida fosse vendido. Com a confirmação pelo Tribunal, as ações das duas companhias operam em alta nesta quarta-feira (15): por volta de 16h45, os papéis da Localiza (RENT3) subiam 2,89%, a R$ 59,15, enquanto os ativos da Unidas (RENT3) avançavam 4,24%, a R$ 26,57.

Combinadas, Localiza e Unidas teriam um lucro anual de R$ 1,18 bilhão, com base nos resultados de 2019 — os remédios estabelecidos pelo Cade, no entanto, tendem a diminuir o tamanho da nova empresa, especialmente com a venda de ativos no segmento de aluguel (Rent-a-car, ou RAC, em inglês).

Acionistas da Unidas receberão 0,44682380 ação ordinária de emissão da Localiza, segundo a relação de troca estabelecida em setembro de 2020, quanto a transação foi anunciada ao mercado. Ao final da operação, os atuais acionistas da Localiza ficariam com 76,9% da companhia combinada, e os da Unidas, com 23,1%.

Localiza + Unidas: o que diz o Cade

A discussão no Tribunal do Cade se arrastou por quase três horas. Por mais que o posicionamento dos conselheiros tenha sido bastante divergente — dois deles, afinal, votaram pela reprovação da fusão —, todos concordaram que era preciso adotar mecanismos para evitar a concentração excessiva de poder econômico por parte da nova empresa.

Esses mecanismos são sigilosos, mas a relatora do caso no Cade, Lenisa Prado, revelou as diretrizes gerais do que precisará ser feito. A maior parte dos remédios envolve o segmento de RAC — o aluguel de veículos para consumidores pessoa física —, uma vez que Localiza e Unidas já são as duas grandes empresas do setor.

Segundo ela, Localiza e Unidas se comprometeram com um "desinvestimento em RAC significativamente superior ao negociado com a Superintendência-Geral" — a relatora classificou como "espantosa" a fatia a ser vendida pelas empresas para levar a fusão adiante.

Vale lembrar que, em 2017, a Unidas já tinha se fundido com a Locamérica: enquanto a primeira era particularmente forte no RAC, a segunda tinha foco na gestão de frotas; a combinação, assim, criou a segunda maior empresa do setor no Brasil, atrás somente da própria Localiza.

De acordo com o Broadcast, as partes teriam se comprometido a vender a marca Unidas, de modo a evitar uma superconcentração no segmento de locação à pessoa física. Além disso, as empresas também pretendem vender mais de 70 mil veículos para alguma empresa rival.

RENT3 + LCAM3: o que o mercado achou

Um analista que acompanhou de perto o julgamento no Cade destaca que, a priori, as restrições impostas para que a operação seja liberada são mais intensas que as ventiladas há alguns meses, na etapa de análise pela Superintendência-Geral do órgão — na ocasião, falava-se numa venda de 20 mil a 40 mil veículos do RAC.

"De fato, foram remédios um pouco mais duros do que o mercado imaginava, mas [a fusão] tem sinergias óbvias", disse ele, em condição de anonimato. Nesse sentido, outra novidade é a liberação para a entrada de concorrentes estrangeiros no mercado doméstico, como a Alamo, o que também elevaria a competição por aqui.

Para um gestor de ações de uma asset paulista, a venda de parte da frota do RAC não chega a preocupar, uma vez que esses ativos podem ser repostos rapidamente pela companhia combinada. "O resultado é positivo, mas precisamos entender melhor qual o tamanho dos remédios para quantificar o impacto", disse ele.

Desde que o plano de combinação entre as empresas foi anunciado, em setembro de 2020, as ações da Localiza (RENT3) e da Unidas (LCAM3) acumulam desempenhos bastante positivos, com ganhos que superam os dois dígitos. No acumulado do ano, no entanto, os papéis aparecem no vermelho, afetados pela instabilidade que toma conta da bolsa neste segundo semestre.

Repare que as ações das duas empresas andam praticamente juntas desde o anúncio da operação, com a Unidas tendo um desempenho ligeiramente melhor

Em linhas gerais, a combinação entre Localiza e Unidas cria um gigante no setor de locação de veículos e gestão de frotas, com amplo alcance geográfico e poder elevado de negociação com as montadoras para a aquisição de novos carros. Além disso, a escala maior também permite que a gigante pratique preços mais agressivos, tanto no aluguel quanto na venda de seminovos.

Dito isso, o eventual comprador de parte de frota de RAC da Localiza-Unidas tenderá a emergir como um competidor de escala razoável no segmento de aluguel de veículos à pessoa física. Empresas como Movida (MOVI3) e Ouro Verde seriam as naturais postulantes à frota, muito embora alguns agentes de mercado acreditem que a Movida deva enfrentar barreiras para tal, uma vez que a sua expansão nessa magnitude criaria uma espécie de duopólio.

Localiza e Unidas comemoram

Em nota enviada ao Seu Dinheiro, a Localiza afirma que a operação "resultará na criação de uma plataforma de mobilidade, que irá oferecer soluções inovadoras que garantam maior acesso à locação de carros à população e a empresas, além de proporcionar melhor experiência, comodidade e conveniência aos clientes".

A companhia ressalta que a conclusão ainda está condicionada à aprovação, pelo Cade, do comprador dos ativos a serem vendidos, e que as duas partes continuarão operando de forma independente até o fechamento da transação.

A Unidas, por sua vez, diz que a nova gigante nasce em um cenário de alta demanda por aluguel de veículos, e que "a nova empresa estará pronta para desenvolver agenda ESG robusta e acelerar sua frente de tecnologia para gerar valor aos seus públicos de relacionamento, sociedade e meio ambiente".

*Procuradas, Movida e Ouro Verde preferiram não comentar a decisão do Cade.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Mercados Hoje

Ibovespa abre em alta de mais de 1% puxado pelo exterior positivo e dólar recua a uma semana da reunião do Federal Reserve

As commodities permanecem no radar: o petróleo pode chegar aos US$ 100 e o minério de ferro avançou na China durante a madrugada

Tendências da bolsa

AGORA: Ibovespa futuro avança próximo da estabilidade e dólar cai de olho no exterior positivo e nos balanços dos bancos de hoje

As commodities permanecem em rota de valorização, com o petróleo e o minério de ferro em destaque hoje

O melhor do Seu Dinheiro

Um guia com 51 investimentos para 2022, a queda das ações tech na B3, Binance e outros destaques do dia

Confira os investimentos mais promissores do ano, além de uma análise completa dos riscos e oportunidades nas principais classes de ativos

De olho na bolsa

Esquenta dos mercados: Bolsas buscam recuperação lá fora, de olho nos balanços do dia e Ibovespa foca no cenário doméstico

O presidente da República, Jair Bolsonaro, tem até sexta-feira (21) para decidir sobre o Orçamento e o reajuste dos servidores públicos

PAPO CRIPTO #010

Maior corretora de criptomoedas do mundo, Binance vê 2022 como o “ano da regulação” do mercado

“Existe um preconceito com o mercado de criptomoedas como um todo”, diz a representante da Binance no Brasil sobre países que proibiram a atuação da corretora

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies