🔴 MELHORES MOMENTOS DO MACRO SUMMIT BRASIL 2024 – ASSISTA AQUI

Camille Lima
Camille Lima
Repórter no Seu Dinheiro. Estudante de Jornalismo na Universidade Municipal de São Caetano do Sul (USCS). Já passou pela redação do TradeMap.
A XERIFE ESTÁ DE OLHO

Petrobras (PETR4) vendeu combustível mais caro que o normal? O Cade está na dúvida e decidiu investigar

Conselho irá apurar se a petroleira vendeu combustíveis por preços mais altos para uma refinaria privada na Bahia; ao total, existem pelo menos 11 investigações abertas envolvendo a estatal

Petrobras BR
Imagem: Shutterstock

Os holofotes estão novamente voltados para a Petrobras (PETR4) nesta quinta-feira (26). A petroleira voltou para o radar do mercado e dos órgãos reguladores após o Cade (Conselho Administrativo de Defesa Econômica) decidir abrir uma nova investigação contra a estatal.

A xerife da livre concorrência no Brasil já estava de olho na companhia e decidiu reabrir o inquérito ontem por suspeitar que a companhia estaria vendendo combustíveis por preços mais altos para a refinaria privada Landulpho Alves (RLAM), operada pela Acelen, na Bahia.

Refinaria de Landim: vítima da Petrobras e autora de outro caso?

A investigação do caso dos preços na Bahia não envolve apenas a Petrobras. Na realidade, foram abertos dois inquéritos relacionados à refinaria.

A própria RLAM não é apenas a vítima do caso da Petrobras, como também o próprio objeto de investigação do Cade no outro processo.

O estabelecimento está sob a lupa do Conselho por revender combustíveis a valores mais elevados na Bahia, onde detém monopólio do fornecimento, do que cobra em outros estados.

O caso foi levado ao plenário por Gustavo Augusto, conselheiro do Cade, e já tinha sido arquivado anteriormente pela Superintendência-Geral, a área do órgão regulador responsável pelas investigações.

A solicitação precisava de aprovação da maioria do conselho para virar um inquérito administrativo. Assim, com a decisão unânime dos conselheiros de abrir o inquérito, a causa terá que ser reaberta.

Combustível mais caro na Bahia

A causa dos combustíveis mais caros na Bahia já estava sendo questionada pelo Sindicombustíveis-BA (Sindicato do Comércio Varejista de Derivado de Petróleo da Bahia).

O grupo denunciou ao Cade no começo de março que o preço dos combustíveis vendidos pela refinaria baiana subiram depois dela ser privatizada no final do ano passado.

A Superintendência Geral do órgão decidiu arquivar o pedido do sindicato na semana passada por não concordar com os argumentos.

Porém, o conselheiro Gustavo Augusto não concordou com a decisão da SG e conseguiu convencer o resto do Cade a reabrir o inquérito.

A justificativa de Augusto foi justamente sobre os preços cobrados pela refinaria privada Landulpho Alves (RLAM) serem maiores que em outros estados.

O conselheiro indicou no pedido ao Cade que a questão andaria na contramão da lógica econômica, uma vez que, como as outras unidades federativas estariam distantes da refinaria, os preços deveriam contemplar um frete maior, e não o contrário.

Petrobras, a xerife está de olho

Não é de hoje que o Cade concentrou os holofotes sobre a Petrobras. O órgão está sob intensa pressão do Palácio do Planalto e do Ministério da Economia para tomar medidas contra o avanço dos preços de combustíveis.

Em janeiro deste ano, o Conselho instaurou dois inquéritos contra a estatal. Segundo o Broadcast, a xerife do mercado já possui pelo menos 11 investigações abertas envolvendo a petroleira, seja direta ou indiretamente.

Porém, com casos abertos desde 2009, a maioria dos processos não teve resultados práticos.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Leia também:

Compartilhe

Após um ano

Demorou, mas saiu: Petrobras (PETR4) embolsa R$ 2 bilhões com venda da Gaspetro — relembre as barreiras no acordo com a Compass

11 de julho de 2022 - 18:40

O pagamento ocorre pouco mais de duas semanas após o sinal verde do Cade, que demorou quase um ano para aprovar a transação com a subsidiária da Cosan (CSAN3)

sinal verde

Superintendência do Cade aprova combinação de negócios entre XP e Modal sem restrições

8 de julho de 2022 - 19:09

A decisão ainda pode ser revista pelo Tribunal do Cade, caso contrário se torna definitiva após 15 dias da publicação

O REMÉDIO CHEGOU

Cade aprova compra da Extrafarma, da Ultrapar (UGPA3), pela Pague Menos (PGMN3) — mas com algumas exigências

23 de junho de 2022 - 11:33

Após mais de um ano desde o anúncio do negócio, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica aprovou, com restrições, a operação multimilionária

PLANO DE DESINVESTIMENTOS

Petrobras (PETR4) recebe aval do Cade para vender Albacora Leste para PRIO (PRIO3); o que falta para a petroleira embolsar US$ 2,2 bilhões?

20 de junho de 2022 - 11:07

Com o negócio, a antiga PetroRio se tornará operadora da concessão de Albacora Leste; a participação restante, de 10%, continuará pertencendo à Repsol Sinopec Brasil

FRUTOS DA INVESTIGAÇÃO

Odebrecht e outras três construtoras investigadas na Lava Jato assinam acordo milionário com o Cade para evitar novas punições; saiba mais

8 de junho de 2022 - 17:23

As empresas e os executivos implicados se comprometeram a pagar R$ 454,9 milhões e colaborar com as apurações ainda em curso no orgão regulador

RUTH E RAQUEL

brMalls (BRML3) e Aliansce (ALSO3): proposta de fusão deve ser discutida em assembleia extraordinária; veja detalhes dessa novela

2 de abril de 2022 - 12:00

Vale lembrar que a brMalls solicitou ao Cade a revisão da aquisição de participação na empresa pela rival, que já teve duas ofertas rejeitadas

COM IMPOSIÇÕES UNILATERAIS

Cade supera barraco, desconsidera recurso e mantém aprovação da venda Oi Móvel (OIBR3) para rivais

9 de março de 2022 - 11:47

O Cade manteve o acordo, mas aprovou por unanimidade a incorporação de imposições unilaterais que assegurem a mitigação dos riscos concorrenciais no setor de telecomunicações

É AGORA!

Cade julga hoje recurso que pode barrar venda da divisão móvel da Oi (OIBR3) para rivais; acompanhe ao vivo

9 de março de 2022 - 9:41

O recurso em questão foi apresentado na semana passada pela Telcomp e questiona o acordo final entre o órgão e as empresas envolvidas

SINAL AMARELO

Cade julga na próxima semana recurso que pode barrar venda da divisão móvel da Oi (OIBR3) para rivais; entenda

4 de março de 2022 - 15:15

O recurso em questão foi apresentado ontem pela Telcomp e questiona o acordo final entre o órgão e as empresas envolvidas

PEDRA NO CAMINHO

E agora Oi (OIBR3)? Telcomp questiona acordo final fechado pelo Cade para a venda da Oi Móvel; veja detalhes do recurso

3 de março de 2022 - 18:56

A associação apresentou um recurso contra a decisão que aprovou a venda do negócio de telefonia móvel da empresa para as rivais Claro, Vivo e Tim

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies