Menu
2019-09-26T06:24:38-03:00
Olivia Bulla
Olivia Bulla
Olívia Bulla é jornalista, formada pela PUC Minas, e especialista em mercado financeiro e Economia, com mais de 10 anos de experiência e longa passagem pela Agência Estado/Broadcast. É mestre em Comunicação pela ECA-USP e tem conhecimento avançado em mandarim (chinês simplificado).
A Bula do Mercado

Cautela deixa mercados sem direção

Ativos no exterior tentam encontrar rumo para o dia, em meio ao drama político nos EUA e às incertezas comerciais, enquanto Brasil espera acelerar pauta econômica

26 de setembro de 2019
5:31 - atualizado às 6:24
cautelagps
No mercado doméstico, dólar pode completar hoje 30 pregões acima de R$ 4,00

O dia mais pessimista com sentimento de risk off não se confirmou ontem, mas isso não significa que o mercado financeiro navega por águas tranquilas. Os negócios no exterior flutuam nesta manhã, lutando para encontrar uma direção firme para o dia, com a situação política nos Estados Unidos e as incertezas com a guerra comercial elevando o vaivém. Enquanto isso, no Brasil, os investidores ainda esperam uma aceleração da economia.

Ainda que se acredite que os riscos de Donald Trump deixar a Casa Branca antes de 2020 - caso não seja reeleito - são pequenos, uma vez que o Senado é controlado pelos republicanos, o pedido de impeachment do presidente é mais um foco de tensão no radar do mercado. E o processo pode desestimular a China em chegar a um acordo com os EUA em breve.

A divulgação da íntegra do telefonema entre Trump e o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, foi uma tentativa de reprimir a tentativa de impeachment, que ainda precisa ser aprovado na Câmara dos EUA. Na conversa, Trump pediu para Kiev investigar o pré-candidato democrata Joe Biden e seu filho Hunter, que tinham negócios na Ucrânia.

Aos ruídos em torno do impeachment de Trump somam-se as incertezas sobre a guerra comercial e a preocupação com o crescimento econômico global, formando, então, um cenário mais nebuloso. Com isso, os mercados internacionais se esforçam para ficar no terreno positivo.

Xangai não conseguiu e fechou em queda de 0,9%, antes da pausa de um longo feriado nacional, que manterá a bolsa fechada na semana que vem. Hong Kong, por sua vez, subiu 0,3% e Tóquio avançou 0,1%. Em Wall Street, os índices futuros das bolsas estão na linha d’água, mas com um ligeiro viés de alta, o que tenta embalar o pregão europeu. Nos demais mercados, o petróleo recua, enquanto o dólar mede forças em relação às moedas rivais.

“Novo normal”

No mercado doméstico, o dólar pode completar hoje a marca de 30 pregões consecutivos negociado acima de R$ 4,00, dando indícios de que o patamar se tornou um “novo normal” para o câmbio, após superar essa barreira em meados de agosto. Esse desempenho recente foi conduzido tanto por fatores internos quanto por um clima global mais negativo.

O problema é que os sinais de aversão ao risco vindos da situação política nos EUA combinados com o ciclo de cortes na Selic dificultam uma reversão dessa tendência da moeda norte-americana no curto prazo. Ainda assim, os investidores têm respeitado o nível de R$ 4,20, em meio à cautela com potenciais leilões mais firmes do Banco Central.

Apesar do aumento das incertezas globais por causa da abertura do processo de impeachment contra Trump e da valorização do dólar, o mercado doméstico não altera a previsão do juro básico rumo a novos pisos. O debate no momento é qual será a taxa terminal ao final do ciclo de cortes, após as duas reuniões últimas deste ano.

O mercado vê uma “dobradinha” entre Selic e câmbio, com três cenários possíveis. No mais otimista, se o dólar voltar para a faixa de R$ 3,90 até o fim do ano, a Selic pode cair a 4%. Caso a moeda norte-americana devolva apenas uma parte da recente valorização, indo a R$ 4,05, a Selic vai a 4,5%. Já se o dólar subir mais e ir a R$ 4,20, a Selic pára em 5%.

Há quem diga que tudo o que se precisa é de crescimento econômico para que o dólar volte a se estabilizar, com o real se valorizando. Obviamente, uma das razões para a alta da moeda norte-americana é a política monetária estimulativa, que é apenas consequência da atividade fraca. Logo, se a economia melhorar, então não há motivo para um dólar caro.

A expectativa de ingresso de recursos estrangeiros também tende a aliviar a pressão no câmbio. Com isso, a notícia de que o governo fechou um acordo com o Congresso para garantir o megaleilão do pré-sal neste ano pode aliviar o mercado doméstico hoje. O governo precisa dos recursos para fechar as contas deste ano, evitando uma piora fiscal.

O acordo para não atrasar a realização do leilão do excedente da chamada cessão onerosa foi fechado ontem entre o ministro da Economia, Paulo Guedes, e os presidentes da Câmara, Rodrigo Maia, e do Senado, Davi Alcolumbre, e inclui a autorização para o leilão, que pode render mais de R$ 100 bilhões, e para o pagamento da dívida da União com a Petrobras. Ainda falta definir a questão da partilha entre Estados e municípios.

Dia de RTI e PIB

Já a agenda econômica desta quinta-feira traz como destaque a divulgação do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), às 8h. No documento, o Banco Central deve confirmar o tom suave (“dovish”) na condução da política monetária, confirmando espaço para quedas adicionais da Selic em outubro e em dezembro.

O tamanho da dose - se de 0,25 ou meio ponto - ainda é dúvida. Mas a novidade deve ficar com a projeção do BC para o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil, após o Comitê de Política Monetária (Copom) afirmar, na reunião de setembro, que o terceiro trimestre deve ser de ligeiro crescimento, com aceleração da atividade nos últimos três meses do ano.

A partir das 11h, o diretor de política econômica do BC, Carlos Viana, fará sua última apresentação do documento, antes de desligar-se do cargo e ser substituído por Fábio Kanczuk. Em seguida, será realizada uma entrevista coletiva à imprensa, com a presença do presidente do BC, Roberto Campos Neto.

Ainda no calendário doméstico, será conhecido o dado revisado da confiança da indústria (8h). Já no exterior, destaque para a terceira e última leitura do PIB dos EUA no segundo trimestre deste ano, às 9h30. A previsão é de que seja confirmada a expansão de 2,0%, na taxa anualizada.

No mesmo horário, saem os pedidos semanais de auxílio-desemprego feito nos EUA e, às 11h, é a vez das vendas pendentes de imóveis residenciais em agosto.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Urgente

Guilherme Boulos é diagnosticado com Covid-19

As agendas de campanha foram todas suspensas, e a coordenação da campanha vai propor à TV Globo que o último debate, previsto para hoje, seja feito de forma virtual.

Novidade no mercado

CMN: corretora de título e valor mobiliários pode prestar serviço de pagamento

Com isso, as SCTVM e SDTVM deverão optar entre a manutenção das atuais contas de registro ou a utilização de contas de pagamento.

Novidades na bolsa

B3 vai lançar 37 BDRs de fundos de índices estrangeiros (ETF)

Com os novos BDRs, os investidores brasileiros poderão ficar expostos à variação de uma série de fundos que acompanham índices estrangeiros sem sair da B3

Retorno

Vale consegue licença para retomar operações em Serra Leste, no Pará

As operações estão paralisadas desde janeiro de 2019, após a mineradora ter atingido o limite da área até então licenciada para extração de minério de ferro.

Revolucionário

Média de tempo de transações do PIX deve estar entre 2 e 3 segundos, diz BC

Lançado em 16 de novembro, o PIX permite pagamentos e transferências 24 horas por dia, 7 dias por semana, todos os dias do ano.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies