Menu
2019-10-10T14:09:01-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
o famoso roe

Retorno sobre patrimônio dos bancos é o maior desde março de 2012

ROE em 12 meses ficou em 15,8%, mostra relatório do BC; esse indicador aponta a capacidade de geração de valor da instituição, considerando seu patrimônio

10 de outubro de 2019
14:09
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

Os bancos que operam no País registraram nos 12 meses encerrados em junho deste ano um Retorno sobre o Patrimônio Líquido (ROE) de 15,8%. Este porcentual é o maior para o acumulado em 12 meses desde março de 2012, quando o ROE estava em 15,9%.

Os porcentuais foram divulgados nesta quinta-feira, 10, no Relatório de Estabilidade Financeira (REF) do Banco Central.

O ROE é um dos principais indicadores de rentabilidade de uma empresa. Na prática, ele aponta a capacidade de geração de valor da instituição, considerando seu patrimônio.

Lá em cima

O retorno dos bancos brasileiros é superior ao de boa parte do verificado em outros países. Os dados mais recentes do Fundo Monetário Internacional (FMI) indicam que o ROE brasileiro é superior ao de países como Turquia (14,2%), China (13,2%), Austrália (12,9%), Rússia (11,1%), Reino Unido (7,5%), Japão (7,3%) e França (6,5%).

Entre os países com ROE superior ao brasileiro no setor bancário estão Argentina (55,8%), México (20,9%), Canadá (19,8%) e Indonésia (16,4%). Todos os porcentuais são de 2019.

Os dados do BC mostram ainda que o lucro líquido dos bancos nos 12 meses até junho deste ano somou R$ 109,5 bilhões. Em valores nominais, é o valor da série histórica, iniciada em dezembro de 2011.

O diretor de Fiscalização do Banco Central, Paulo Souza, destacou, durante a apresentação dos números, que desde o auge da recessão em 2016, o lucro líquido dos bancos saltou de R$ 67 bilhões para R$ 109,5 bilhões agora.

"Para manter essa lucratividade, os bancos terão de aumentar o volume das carteiras ou alterar o mix de produtos, partindo para modalidades de maior risco", avaliou.

Souza explicou que o principal efeito do processo de redução da Selic (a taxa básica de juros) nos últimos anos, na rentabilidade dos bancos, foi percebido em 2019. De agosto de 2016 para setembro de 2019, a Selic caiu de 14,25% para 5,50% ao ano.

"Apesar de a Selic ter caído da faixa de 14% para a de 6% (hoje está em 5,50%) não fez a taxa de juros de 3 anos variar tanto. Ela baixava, mas voltava para 11%", disse Souza. "A partir de 2019, a curva de juros teve uma queda consistente", disse. Isso reduziu o custo de captação dos bancos e favoreceu o retorno.

Souza afirma, no entanto, que o efeito trazido pela queda do custo de captação dos bancos foi assimilado. "Se os bancos não mudarem o mix ou aumentarem o volume, não terão mais tanto resultado com juros", pontuou.

*Com Estadão Conteúdo 

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

resultado da volta parcial

Indústria cresce 7% em maio, após dois meses de queda com a pandemia

Em comparação com maio de 2019, a produção teve queda de 21,9%, sendo o sétimo resultado negativo subsequente e a segunda queda mais elevada desde o início da série histórica

Tudo que vai mexer com seu dinheiro hoje

12 notícias para você começar o dia bem informado

Você provavelmente conhece algum pequeno empresário que está passando por dificuldades nesta crise. É o restaurante da esquina se virando no delivery, o salão de beleza que ficou fechado, a lojinha de bairro… E as linhas de crédito emergencial liberadas pelos bancos? Bem, não estão chegando para todo mundo. Além disso, não tem tanto dinheiro […]

atualização

Brasil tem 60,8 mil mortes por covid-19; total de casos vai a 1,4 milhão

Compilação é feita por uma série de jornais, incluindo Estadão, Folha e G1, a partir de dados das secretarias estaduais de Saúde

esquenta dos mercados

Otimismo com vacina para covid-19 embala os negócios em dia de payroll

Agentes financeiros ignoram os novos recordes de casos do coronavírus nos Estados Unidos e sustentam o otimismo com as notícias de avanços na produção de uma vacina para a doença

histórico

Tesla passa Toyota e se torna a montadora mais valiosa

Papéis da fabricante de carros elétricos do bilionário americano Elon Musk encerraram o dia com alta de 3,7%, fazendo a empresa ser cotada a US$ 207,6 bilhões

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements