2019-04-04T13:39:24-03:00
Fernando Pivetti
Fernando Pivetti
Jornalista formado pela Universidade de São Paulo (USP). Foi repórter setorista de Banco Central no Poder360, em Brasília, redator no site EXAME e colaborou com o blog de investimentos Arena do Pavini.
Projeto de um gigante

Deutsche Bank e Commerzbank confirmam negociações de fusão

Anúncio oficial põe fim a meses de especulações de que os dois bancos estavam explorando uma combinação de ativos

17 de março de 2019
10:50 - atualizado às 13:39
Deutsche Bank - Imagem: Shutterstock

O Deutsche Bank, maior banco da Alemanha, e seu concorrente Commerzbank confirmaram neste domingo, 17, que estão em negociações formais para uma fusão. O projeto promete criar uma espécie de "campeão nacional", já que ambos os bancos lutam para retomar suas receitas após cortes profundos em seus braços de investimento.

Em breve comunicado à imprensa, o Commerzbank anunciou que as duas instituições "concordaram hoje em iniciar discussões sobre uma potencial fusão".

Já o Deutsche Bank anunciou em nota que seu conselho de administração decidiu "rever opções estratégicas", enfatizando que "não há certeza sobre o possível resultado das tratativas".

O anúncio acontece após meses de especulações de que os dois bancos, incentivados pelo governo alemão, iriam explorar uma possível combinação de ativos.

Ainda que um acordo esteja em aberto, a decisão anunciada hoje deixa os bancos alemães um passo mais perto da criação do quarto maior banco da Europa em ativos. Ao final de 2018, as duas instituições empregavam mais de 133 mil funcionários.

E por falar em funcionários, representantes trabalhistas no conselho fiscal do Deutsche Bank já disseram que se opõem a uma fusão. Para eles, uma combinação de negócios não vai fortalecer o banco e levará a cortes maciços de pessoal. Cerca de 30.000 posições poderiam estar em risco se um acordo fosse acordado, segundo pessoas a par do assunto.

Do lado governamental, o Ministério das Finanças alemão busca favorecer tal acordo. O objetivo é garantir que o país tenha um financiador com alcance global que suporte uma economia voltada para a exportação. Vale lembrar que o governo ainda possui uma grande participação no Commerzbank.

Dinheirão

Embora ainda não esteja claro como a fusão seria estruturada, especula-se que o Deutsche Bank teria que levantar cerca de 8 bilhões de euros, que poderiam vir de acionistas ou através de vendas de ativos como o negócio de gestão de ativos do DWS Group. A Allianz SE demonstrou interesse no DWS e estaria explorando a possibilidade de combiná-lo com seu próprio braço de gestão de ativos.

"Vamos apenas buscar opções que façam sentido econômico, com base no progresso que fizemos em 2018", disse Christian Sewing, CEO do Deutsche Bank, em carta. "Nosso objetivo declarado continua sendo um banco global com um forte mercado de capitais - baseado em uma posição de liderança em nosso mercado doméstico na Alemanha e na Europa, e com uma rede global".

*Com agências internacionais.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
CUIDADO COM OS ATRAVESSADORES

Onde está o seu iate?

Está na hora de tirar os intermediários do processo de investimento para deixar o dinheiro com os investidores

MUDANDO A RECOMENDAÇÃO

Itaú BBA vê Gerdau (GGBR4) como ação defensiva, mas a siderúrgica que pode subir mais de 50% é outra; confira as apostas do banco

A queda de mais de 39% das ações da Usiminas abriram um bom ponto de entrada, segundo os analistas do Itaú BBA

Análise SD

Jogou a toalha? Azul (AZUL4) critica plano de recuperação da LATAM e dá a entender que não vai aumentar a proposta

A Latam pretende injetar mais de US$ 8 bi com as medidas de seu plano de recuperação judicial, cifra superior à proposta pela Azul (AZUL4)

bitcoin (BTC) hoje

Alívio com variante da covid-19 chega primeiro ao mercado de criptomoedas e bitcoin (BTC) volta aos US$ 57 mil

O mercado de criptomoedas, que não para nunca, sentiu o alívio ainda no final do sábado (27) e segue em alta hoje

Radiocash

“Esses 4 milhões de pessoas na Bolsa vieram para ficar”, diz Gustavo Cerbasi

Com 16 livros publicados e 1,5 milhão de seguidores no Instagram, o ex-professor universitário encara com cautela a fama, e rejeita alguns rótulos

Ao acionista com carinho

Ação da Petrobras (PETR4) pode render 100% só em dividendos nos próximos cinco anos

Relação ‘risco-recompensa’ é como comparar um formigueiro ao Everest, avalia o UBS