Menu
2019-05-23T19:00:47-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Bancos

BC injeta R$ 8,2 bilhões no sistema financeiro com liberação de depósito compulsório

Alteração nas regras envolve debêntures emitidas por empresas de leasing de conglomerados financeiros

23 de maio de 2019
19:00
Fachada do Banco Central do Brasil (BC)
Imagem: Arnaldo Jr./Shutterstock

O Banco Central (BC) comunicou uma nova simplificação em uma das inúmeras regras que regem os depósitos compulsórios, dinheiro que os bancos são obrigados a deixar parado no próprio BC. O efeito prático da medida será a liberação de R$ 8,2 bilhões ao sistema financeiro a partir de 15 de julho. Os depósitos compulsórios, em suas diferentes modalidades, totalizam cerca de R$ 400 bilhões.

A ação anunciada hoje tem um histórico relativamente longo. Até 2008, as empresas de leasing que pertenciam a conglomerados financeiros faziam a emissão de debêntures para captação de recursos, pegavam esse dinheiro e depositavam no banco relacionado, que depois fazia operações compromissadas com demais clientes.

Na prática, as instituições financeiras faziam uma arbitragem regulatória para escapar do compulsório.

A prática tomou corpo e chegou perto de R$ 400 bilhões antes de o BC instituir um depósito compulsório específico sobre essas intrincadas operações em janeiro de 2008.

Depois disso, em 2016, o Conselho Monetário Nacional (CMN) proibiu a realização das operações compromissadas lastreadas nesses títulos emitidos pelas empresas de leasing. Houve um prazo de dois anos, até dezembro de 2018, para adaptação.

Agora, como não existe mais esse tipo de negócio, teremos essa liberação de R$ 8,2 bilhões. A mudança entrará em vigor no dia 1º de julho, com efeitos financeiros a partir do dia 15 de julho.

Em tese, isso significa mais dinheiro para os bancos ofertarem ao público, mas em um momento de demanda nada exuberante por crédito, esse dinheiro deve engrossar as operações compromissadas.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

seu dinheiro na sua noite

Expectativa vs. realidade

Quando eu estava na terceira série do ensino médio, o coordenador do curso deu um alerta aos alunos: em geral os estudantes agem como se o vestibular fosse o objetivo final, e quando passam têm aquela sensação de “ah! Nunca mais vou precisar estudar!” Mas é depois do vestibular que a coisa começa a ficar […]

mudança nas estruturas

Acionistas da Cosan aprovam reorganização societária

Com isso, Cosan Logística e Cosa Limited serão incorporadas pela Cosan

FECHAMENTO DA SEMANA

Ano novo, vida velha: Ibovespa recua e dólar sobe mais de 2% com piora do cenário fiscal e avanço da covid-19

Semana foi negativa para os mercados brasileiros mesmo após a aprovação de vacinas e entusiasmo com Biden no exterior

preocupação

Ex-BCs dizem que atraso na vacinação preocupa por pressão fiscal

Carlos Viana disse não ver uma mudança estrutural no processo inflacionário no País, onde, assim como a atual direção do BC, vê como temporário os choques de preços

pandemia

Anvisa aprova segundo lote da vacina CoronaVac

Diferença da análise do segundo lote para o primeiro está no fato de que o envase e os processos de rotulagem e embalagem ocorrem no Instituto Butantan

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies