Menu
Angela Bittencourt
Blog da Angela
Angela Bittencourt
é jornalista e editora da Empiricus
2019-04-29T13:48:21-03:00
BLOG DA ANGELA

O desafio do Banco Central de enxugar (gelo?) a liquidez com operações compromissadas

Sem mudanças estruturais na economia brasileira, por melhor que seja a intenção do BC e de seus técnicos, iniciativas para conter a expansão dessas operações de altíssima liquidez – como o “novo” sistema de operações compromissadas que começou nesta segunda-feira – serão o mesmo que enxugar gelo no hemisfério norte em janeiro.

29 de abril de 2019
13:48
Homem limpa painel cheio de gelo
Enxugar gelo - Imagem: Shutterstock

O desequilíbrio ambiental transformou o cotidiano das famílias em um desafio permanente. Nos trópicos, bem sabemos, mudanças drásticas nos regimes de chuva provocam tantas tragédias que repetimos, ao menos uma vez por semana e sem constrangimento, um velho refrão: “Famílias perdem tudo”. A natureza range os dentes também no hemisfério norte. Lá, baixíssimas temperaturas, em janeiro ou fevereiro, são tão destruidoras quanto o aguaceiro dos trópicos. Ai de quem tenta driblar a força dos ventos, da neve, do gelo...

No sábado eu e o meu filho Júlio caminhávamos para o supermercado. Ao atravessar a Avenida Angélica, agradecemos simultaneamente a um motorista que aguardou nossa passagem. Já na calçada, Júlio (que nem dirige!) deu a entender que trânsito não é para os fracos. E disparou: “E com neve é pior”! Recordou do caminho para a escola que percorria com os irmãos, quando todos moravam em Nova York, e disse que a neve é fofa. “A gente afunda, mas dá para limpar com a pazinha. Gelo não. É interminável. A gente não limpa gelo. “A gente tenta é se equilibrar sobre ele, mas cai fácil,” avisou.

Não duvido que os operadores de mercado aberto do Banco Central (BC) tenham hoje a mesma sensação que o Júlio teve a caminho da escola. É o que acontece quando se coloca à venda títulos do Tesouro comprometendo-se a recomprá-los em 3 meses. Há tanto dinheiro de bancos e empresas aplicado no curto prazo (mais de R$ 1,3 trilhão), que qualquer tentativa de reduzir essa montanha é o mesmo que enxugar gelo – vai dar em nada.

Nova forma de vender títulos públicos

Na sexta-feira à noite, o BC anunciou um novo esquema de operações compromissadas. A instituição informou que, a partir desta segunda, passará a vender títulos do Tesouro diariamente com prazos de 3 e 6 meses para o vencimento.

Às segundas, quartas e sextas-feiras serão realizados as ofertas de 3 meses e, às terças e quintas-feiras, as ofertas de 6 meses. A nova sistemática vai substituir as atuais ofertas de 3 e 6 meses promovidas às terças e sextas-feiras. O objetivo é aperfeiçoar a administração da liquidez bancária e a oferta de lastro pelo BC.

A oferta será de R$ 3 bilhões para cada uma dessas operações, perfazendo R$ 15 bilhões semanais. Até a sexta-feira passada, os montantes envolvidos nesses prazos eram de R$ 10 bilhões cada. Portanto, R$ 20 bilhões no total, sendo que a colocação efetiva rondava R$ 15 bilhões.

O que muda de fato a partir desta segunda é a possibilidade de uma instituição adquirir temporariamente até 100% de uma única modalidade de título público. Até a sexta-feira a compra era limitada a 50%.

As operações compromissadas do BC com o mercado crescem em uma velocidade extraordinária. Cada vez que títulos do Tesouro são resgatados, mais dinheiro entra em circulação e deve ser recolhido pelo BC para evitar pressões inflacionárias ou um desequilíbrio da taxa de juro de curtíssimo prazo.

O Tesouro não tem como substituir imediatamente todos os títulos que vencem ao longo do tempo, sem correr o risco de provocar distorções de preços e encarecer o refinanciamento da dívida pública.

Dívida pública mobiliária elevada e concentração de dinheiro no curto prazo também são sintomas de uma economia desequilibrada e contas públicas fora de ordem. Daí a relevância de se promover reformas estruturais, sendo a primeira delas a da Previdência que volta a ser protagonista no Congresso, nesta virada de abril para maio.

Sem mudanças estruturais na economia brasileira, por melhor que seja a intenção do BC e de seus técnicos, iniciativas para conter a expansão dessas operações de altíssima liquidez - como o “novo” sistema de operações compromissadas que começou nesta segunda-feira - serão o mesmo que enxugar gelo no hemisfério norte em janeiro.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

Entre a cruz e a espada

Bitcoin se aproxima da “Cruz da Morte”: O que isso significa para a criptomoeda?

O bitcoin tocou essa linha imaginária no último final de semana, o que deve determinar o futuro da moeda para os próximos meses

Buscando confiança

Números de abril mostram melhora do IRB, mas queda da ação mostra que desconfiança persiste

Estratégia de rever contratos, principalmente no exterior, diminuiu as receitas fora do Brasil, mas ajudou sinistralidade e resultado final

Economia dos eua

Dirigente do Fed admite inflação alta, mas defende contínuo apoio monetário

Presidente da distrital do banco admitiu que as leituras recentes de inflação estão “altas” e devem ser monitoradas de perto

Aperto monetário

Vem aí uma alta de 1 ponto na Selic? Por que o mercado elevou as projeções para os juros após a ata do Copom

Juro básico da economia pode subir para 5,25% ao ano já em agosto se o Copom decidir apertar o ritmo de elevação da Selic para conter as pressões inflacionárias

Novo passo

PDG lança Vernyy, nova unidade de negócios de prestação de serviços imobiliários

Construtora está diversificando atividades como parte do seu plano de recuperação judicial

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies