🔴 PRIO3 E +9 AÇÕES PARA COMPRAR AGORA – ASSISTA AQUI

Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Contas externas

Investimento externo é o maior desde 2001

Contas externas mostram situação confortável do país na sua relação comercial e financeira com o resto do mundo. Ações e fundos tiveram saque anual pela primeira vez desde 2008, mas dinheiro já começou a retornar

Eduardo Campos
Eduardo Campos
28 de janeiro de 2019
11:17 - atualizado às 12:25
Dólar
Imagem: Shutterstock

O déficit em transações correntes, que mede a relação comercial e financeira do Brasil com o resto do mundo, encerrou 2018 em US$ 14,511 bilhões, ou 0,77% do Produto Interno Bruto (PIB). Em 2017, o déficit tinha sido de 0,35% do produto.

A ampliação do déficit era esperada em função do melhor desempenho da economia, que eleva a demanda por bens e serviços importados. Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do Banco Central (BC), Fernando Rocha, o déficit é baixo para padrões brasileiros e não apresenta riscos.

O que importa é que esse déficit é financiado com folga pelo investimento externo, que somou US$ 88,314 bilhões ou 4,7% do PIB, avançando do 3,42% de 2017. Em termos nominais, esse é o maior Investimento Direto no País desde 2012. Em percentual do PIB é a maior leitura desde junho de 2001 (4,79%).

Investimento Direto no País - Imagem: Banco Central

Olhando a composição do IDP, há uma redução do volume de participação no capital, visto com o IDP propriamente dito, de US$ 64 bilhões em 2017 para US$ 55,994 bilhões em 2018. Já os empréstimos intercompanhia apresentaram alta de US$ 6,3 bilhões para US$ 32,32 bilhões no ano passado. Os setores de coque, derivados de petróleo, celulose, telecom e eletricidade foram os destaques nos empréstimos.

Rocha avalia que a redução no IDP modalidade participação de capital capta menores operações de grande valor, aquelas acima de US$ 1 bilhão. Em 2018 também ocorreram menos operações de privatizações e concessões, que movimentam volumes maiores de recursos.

Os dados mostram que no lado dos fundamentos, o país apresenta uma robusta situação externa, o que afasta crises no balanço de pagamentos como as que atingiram Argentina e Turquia em 2018.

Em tese, isso limita o espaço para grandes desvalorizações do real, mas é importante lembrar que o mercado também reage a expectativas com relação ao cenário interno (reformas) e externos (liquidez e crescimento mundial) na formação de preço da taxa de câmbio.

Ações e títulos

Os investimentos em carteira fecharam o ano com saída líquida de US$ 8,404 bilhões, sendo US$ 5,1 bilhões perdidos apenas em dezembro. Essa conta é influenciada por sazonalidade de fim de ano, com agentes reduzindo posições em ações e títulos para fechamento de balanços. Geralmente, o dinheiro que sai em dezembro já começa a retornar em janeiro e as parciais confirmam isso.

No mercado de ações, a saída líquida do ano ficou em US$ 2,217 bilhões, em comparação com um ingresso de US$ 2,963 bilhões um ano antes. Considerando, ações e fundos de investimento, a saída fica em US$ 7,682 bilhões, primeiro resultado negativo desde 2008.

Na renda fixa negociada no país, os saques líquidos ficaram em US$ 4,348 bilhões, depois de fechar 2017 com perda de US$ 5 bilhões.

O dados parcial de janeiro, até dia 24, mostram ingresso em ações e fundos de investimento de US$ 3,88 bilhões, e a renda fixa tinha resultado positivo de US$ 1,04 bilhão.

Lucros e dividendos

Dólar um pouco mais valorizado e melhora, mesmo que breve na atividade, influem nas remessas de lucros e dividendos, que fecharam o ano em US$ 16,946 bilhões, acima dos US$ 15,827 bilhões de 2017.

Na conta de juros, os pagamentos líquidos fecharam 2018 em R$ 19,970 bilhões, montante menor que os US$ 24,5 bilhões desembolsados em 2017. A conta capta um maior ganho com a renda das reservas internacionais.

Turismo

Ao longo do ano passado, os brasileiros gastaram US$ 18,263 bilhões em viagens internacionais, pouco menos que os US$ 19 bilhões de 2017. Descontando o que os estrangeiros deixaram por aqui (US$ 5,9 bilhões), essa conta do balanço fechou o ano deficitária em US$ 12,346 bilhões.

Projeções janeiro

Para janeiro, a previsão do BC é de um déficit externo de US$ 5,8 bilhões, contra US$ 6,3 bilhões em janeiro de 2018. Para o IDP, a projeção está em US$ 4,3 bilhões em janeiro. No mês até o dia 24, o ingresso estava em US$ 3,3 bilhões. Em janeiro de 2018, o ingresso tinha sido de US$ 8,363 bilhões.

A parcial para remessas de lucros e dividendos, agora em janeiro, até o dia 24, estava em US$ 1 bilhão, e o pagamento de juros consumia US$ 3,7 bilhões.

O BC também atualizou o fluxo cambial em janeiro até o dia 24. O resultado é negativo em US$ 822 milhões, sendo US$ 625 milhões na conta comercial e outros US$ 197 milhões na conta financeira. Com fluxo negativo, os bancos são têm de prover liquidez ao mercado, ampliando sua posição vendida de US$ 24,865 bilhões, em dezembro, para US$ 25,518 bilhões agora em janeiro.

 

Compartilhe

SOBE MAIS UM POUQUINHO?

Campos Neto estragou a festa do mercado e mexeu com as apostas para a próxima reunião do Copom. Veja o que os investidores esperam para a Selic agora

15 de setembro de 2022 - 12:41

Os investidores já se preparavam para celebrar o fim do ciclo de ajuste de alta da Selic, mas o presidente do Banco Central parece ter trazido o mercado de volta à realidade

PREVISÕES PARA O COPOM

Um dos maiores especialistas em inflação do país diz que não há motivos para o Banco Central elevar a taxa Selic em setembro; entenda

10 de setembro de 2022 - 16:42

Heron do Carmo, economista e professor da FEA-USP, prevê que o IPCA registrará a terceira deflação consecutiva em setembro

OUTRA FACE

O que acontece com as notas de libras com a imagem de Elizabeth II após a morte da rainha?

9 de setembro de 2022 - 10:51

De acordo com o Banco da Inglaterra (BoE), as cédulas atuais de libras com a imagem de Elizabeth II seguirão tendo valor legal

GREVE ATRASOU PLANEJAMENTO

Banco Central inicia trabalhos de laboratório do real digital; veja quando a criptomoeda brasileira deve estar disponível para uso

8 de setembro de 2022 - 16:28

Essa etapa do processo visa identificar características fundamentais de uma infraestrutura para a moeda digital e deve durar quatro meses

FAZ O PIX GRINGO

Copia mas não faz igual: Por que o BC dos Estados Unidos quer lançar um “Pix americano” e atrelar sistema a uma criptomoeda

30 de agosto de 2022 - 12:08

Apesar do rali do dia, o otimismo com as criptomoedas não deve se estender muito: o cenário macroeconômico continua ruim para o mercado

AMIGO DE CRIPTO

Com real digital do Banco Central, bancos poderão emitir criptomoeda para evitar “corrosão” de balanços, diz Campos Neto

12 de agosto de 2022 - 12:43

O presidente da CVM, João Pedro Nascimento, ainda afirmou que a comissão será rigorosa com crimes no setor: “ fraude não se regula, se pune”

AGORA VAI!

O real digital vem aí: saiba quando os testes vão começar e quanto tempo vai durar

10 de agosto de 2022 - 19:57

Originalmente, o laboratório do real digital estava previsto para começar no fim de março e acabar no final de julho, mas o BC decidiu suspender o cronograma devido à greve dos servidores

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

PRATA E CUPRONÍQUEL

Banco Central lança moedas em comemoração ao do bicentenário da independência; valores podem chegar a R$ 420

26 de julho de 2022 - 16:10

As moedas possuem valor de face de 2 e 5 reais, mas como são itens colecionáveis não têm equivalência com o dinheiro do dia a dia

AGRADANDO A CLIENTELA

Nubank (NUBR33) supera ‘bancões’ e tem um dos menores números de reclamações do ranking do Banco Central; C6 Bank lidera índice de queixas

21 de julho de 2022 - 16:43

O banco digital só perde para a Midway, conta digital da Riachuelo, no índice calculado pelo BC

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies