Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-04-04T13:42:22-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Dados do Banco Central

Investimento direto no país soma US$ 5,866 bilhões em janeiro

Resultado veio dentro das estimativas de analistas, que ia de US$ 4,200 bilhões a US$ 7,100 bilhões, de acordo com o Banco Central

25 de fevereiro de 2019
11:38 - atualizado às 13:42
Cédulas de real e dólar
Cédulas de real e dólar - Imagem: Barbara Cosme/Shutterstock

Os Investimentos Diretos no País (IDP) somaram US$ 5,866 bilhões em janeiro, informou nesta segunda-feira, 25, o Banco Central (BC).

O resultado ficou dentro das estimativas apuradas pelo Projeções Broadcast, que iam de US$ 4,200 bilhões a US$ 7,100 bilhões, com mediana de US$ 4,450 bilhões. Pelos cálculos do Banco Central (BC), o IDP de janeiro indicaria entrada de US$ 4,3 bilhões.

A estimativa do BC para 2019, atualizada no último Relatório Trimestral de Inflação (RTI), é de IDP de US$ 90,0 bilhões. Já no acumulado dos 12 meses até janeiro deste ano, o saldo de investimento estrangeiro ficou em US$ 85,822 bilhões, o que representa 4,55% do Produto Interno Bruto (PIB).

Segundo o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, Fernando Rocha, as entradas de IDP em janeiro ficaram acima dos US$ 4,3 bilhões previstos pelo banco para o mês, em função de operações de empréstimos intercompanhia. "Não temos informações se essas operações são preparatórias para leilões e concessões que ocorrerão este ano, mas é de se esperar a entrada de recurso de investidores interessados nessas privatizações", comentou.

De acordo com ele, a queda na entrada de IDP em relação a janeiro de 2018 (quando somou US$ 8,363 bilhões) tem características de ser um fenômeno pontual. "Pode ter havido uma antecipação do fluxo de IDP no segundo semestre do ano passado", afirmou.

Rocha também pontuou que a entrada de IDP em fevereiro já mostra crescimento em relação ao ano passado, quando somou US$ 4,7 bilhões. Até o dia 21 de fevereiro deste ano, os investimentos já somam US$ 5,7 bilhões. "A estimativa do BC para o mês é de entrada de US$ 7 bilhões. Com isso, o patamar do primeiro bimestre de 2019 seria semelhante ao do mesmo período do ano passado", acrescentou.

Desta forma, o descasamento de janeiro entre o déficit em transações correntes e a entrada de IDP também seria pontual. "Aconteceu apenas em um mês e não há nenhum impacto macroeconômico visível", concluiu.

Investimento em ações

Os dados do BC também mostraram que o investimento estrangeiro em ações brasileiras ficou positivo em US$ 2,806 bilhões em janeiro. Em igual mês do ano passado, o resultado havia sido positivo em US$ 3,066 bilhões.

Pelos cálculos do banco, o saldo das operações de investidores estrangeiros no mercado de ações será positivo em US$ 5,0 bilhões em 2019. Esta projeção considera as ações negociadas em bolsas brasileiras e no exterior e os fundos.

O investimento em fundos de investimentos no Brasil ficou positivo em US$ 694 milhões em janeiro. No mesmo mês do ano passado, ele havia sido positivo em US$ 1,044 bilhão.

Já o saldo de investimento estrangeiro em títulos de renda fixa negociados no País ficou positivo em US$ 3,060 bilhões em janeiro. No mesmo mês do ano passado, havia ficado positivo em US$ 5,968 bilhões.

Para 2019, a estimativa do BC é de saldo neutro nas operações com renda fixa.

Taxa de rolagem

O Banco Central informou ainda que a taxa de rolagem de empréstimos de médio e longo prazos captados no exterior ficou em 72% em janeiro. Esse patamar significa que não houve captação de valor em quantidade para rolar compromissos das empresas no período.

O resultado ficou abaixo do verificado em janeiro do ano passado, quando a taxa havia sido de 94%.

De acordo com os números apresentados nesta segunda pelo BC, a taxa de rolagem dos títulos de longo prazo ficou em 70% em janeiro. Em igual mês de 2018, havia sido de 299%. Já os empréstimos diretos atingiram 75% no mês passado, ante 80% de janeiro do ano anterior.

O BC estima taxa de rolagem de 100,0% para 2019.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

O FISCAL ENLOUQUECEU

Com furo no teto, XP e BTG já esperam que a Selic suba 1,5 ponto percentual na próxima semana

A corretora também reviu suas projeções para o câmbio, inflação e PIB deste e do próximo ano

E-commerce de pneus

Cantu Store não se assusta com a farra fiscal e registra pedido de IPO na CVM

A companhia paranaense conta com 26 filiais em 17 unidades federativas e quatro centros de distribuição, além de duas marcas próprias

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Guedes diz que fica, o puxadinho do teto de gastos e outros destaques do dia

Pelo menos um dos temores do mercado teve um desfecho nesta sexta-feira (22) — Paulo Guedes segue sendo o ministro da Economia, e o país não vai passar o fim de semana na incerteza. Após as baixas recentes na equipe econômica, mas o capitão do navio continua firme. Diante de tantas incertezas e a confirmação […]

SUPEROU AS EXPECTATIVAS

Hypera (HYPE3) inicia temporada de balanços com alta de 50% na receita líquida — veja os destaques da farmacêutica no terceiro trimestre

Apoiadas pelo portfólio cada vez maior de medicamentos e pelas vendas aquecidas, outras linhas do balanço também deixaram para trás as projeções

FECHAMENTO DA SEMANA

‘Fico’ de Guedes não apaga mau humor do mercado com furo no teto de gastos e Ibovespa despenca na semana; dólar volta a R$ 5,70

O principal índice da bolsa brasileira fechou o dia em queda de 1,34%, aos 106.296 pontos — longe das mínimas, mas no menor nível desde novembro de 2020. Na semana, a queda foi feia, e o Ibovespa recuou mais de 7%.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies