Menu
2019-12-02T17:04:08-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Depois da disparada do dólar

Campos Neto diz que só existe intervenção no câmbio quando BC entender que há disfunção

Presidente da autoridade monetária no país voltou a frisar que o câmbio é flutuante e que o BC só atua quando enxerga distorções no mercado

2 de dezembro de 2019
15:57 - atualizado às 17:04
Presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, em audiência na CAE.
Imagem: Pedro França/Agência Senado

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, afirmou que o movimento do câmbio tem chamado a atenção no Brasil. Ele voltou a frisar que o câmbio é flutuante no Brasil e que o BC só atua quando enxerga distorções no mercado, mas apontou fatores que podem explicar o movimento recente, como a decisão das empresas de pré-pagar dívidas em dólar e a frustração com o leilão da cessão onerosa.

Em evento da Federação Brasileira de Bancos (Febraban), Campos Neto destacou que há um movimento de empresas no Brasil de adiantar pagamento de dívidas em dólar e manter uma dívida local, mesmo que mais cara.

Ele afirmou que o BC tem feito uma análise para "ver se há sensibilidade e qual é a faixa de juros longa que faz com que isso aconteça com mais frequência". O presidente do BC, ponderou, no entanto, que nas conversas com empresas tem visto que essa uma opção estratégica para as companhias.

Outro ponto que justificaria o movimento do câmbio recente é a saída de investidores do país que estavam alocados em renda fixa. Segundo ele, isso gera uma saída de investimentos especulativos. Por outro lado, disse, o movimento abre espaço para entrada de um fluxo real de recursos. O problema, apontou, é que essa saída de portfólio ocorre, muitas vezes, antes de entrada do fluxo real.

Segundo ele, o BC espera um "fluxo grande para entrar na parte real" no próximo ano, sobretudo nas áreas de saneamento e logística. Para isso, contudo, destacou que é preciso acelerar a proposta de fazer um "hedge cambial" em grandes contratos de infraestrutura com o setor privado. Segundo ele, a proposta está na Receita Federal.

Volume de compulsório baixo

O presidente do Banco Central também afirmou que o Brasil tem condições de ter níveis de depósitos compulsórios muito mais baixos do que são hoje ao fazer uma retrospectiva dos nove meses da sua gestão à frente do órgão regulador dos bancos. "Podemos conviver com um volume de compulsório muito mais baixo do que é hoje, estimular o crédito privado e baixar o custo de captação dos bancos. É um projeto que está acelerado e a gente deve ter notícias em breve", disse ele, em tradicional evento de fim de ano dos bancos.

Segundo Campos Neto, há uma reinvenção do mundo privado, com a redução do subsídio, em consequência da queda da taxa de juro.

Na área do crédito, ele ressaltou ainda a importância do estímulo ao crédito imobiliário e voltou a mencionar o home equity, crédito pessoal com garantia do imóvel, uma das agendas de sua gestão. "Tínhamos medo de que as pessoas consumissem suas casas, mas vemos que o estoque, que é muito baixo, esta sendo formado para criar negócios ou para migração para uma modalidade de crédito de custo mais baixo", observou.

Efeitos da política monetária

O presidente do Banco Central disse ainda que as últimas evidências sinalizam no sentido de que "talvez o efeito da política monetária global como vimos no passado tenha chegado a algum grau de exaustão". Segundo ele, há um debate sobre qual é a combinação ótima de políticas e métodos para gerar o melhor resultado com menos efeitos negativos.

Campos Neto voltou a destacar que as últimas reuniões internacionais em que foi, houve uma revisão de crescimento mundial para baixo. "Sempre com essa classificação de que vai ser a última. Tivemos revisões sucessivas, curiosamente na última reunião teve um tom mais otimista, mas em relação à Ásia", afirmou, destacando as economias chinesa e indiana. Ele ponderou, contudo, que no mundo desenvolvido e nas Américas, "o crescimento está baixo, comparado com o que gostaríamos."

Crescimento de qualidade

Campos Neto disse que a autoridade monetária está focada em criar um ambiente para um crescimento de qualidade. Segundo ele, o País deve ter um crescimento parecido com os primeiros anos do governo Fernando Henrique Cardoso, mas com zero impulso fiscal.

Em evento promovido pela Febraban, ele destacou que, no início do governo Lula, o País teve um crescimento de destaque, "mas muito menos que o mercado emergente" e com forte impulso fiscal.

Segundo ele, há um ambiente propício para o Brasil. "Estamos no caminho certo, precisamos reconhecer que parte é crescimento global, parte é reformas, mas não podemos parar, tem muito o que ser feito", disse.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Proventos

Banco do Brasil anuncia pagamento de R$ 416 milhões em Juros sobre Capital Próprio (JCP)

Terão direito ao provento os investidores com posição acionária na empresa no dia 11 de março

o melhor do seu dinheiro

Brandão balança mais não cai?

Chegamos ao fim de mais uma semana tensa nos mercados, que começou com a derrocada das ações da Petrobras, em razão da interferência do governo na presidência da estatal, e termina com pressões na bolsa e no dólar motivadas pelas preocupações dos investidores com a inflação nos Estados Unidos e alta nas taxas dos títulos […]

URGENTE

Hapvida e NotreDame chegam a um acordo sobre fusão, afirma site

A maior combinação entre duas empresas brasileiras criará uma gigante do setor de saúde, com um valor de R$ 110 bilhões.

fechamento da semana

Tensão em Brasília leva Ibovespa de volta aos 110 mil pontos e afunda estatais; dólar vai a R$ 5,60

Em semana marcada pela tensão entre governo e mercado, o Ibovespa recuou 7,09%, de volta aos 110 mil pontos. O dólar disparou acima dos R$ 5,60

Abandonando o barco?

Ações do Banco do Brasil recuam quase 5% com possibilidade de saída de André Brandão

Brandão tem mostrado insatisfação com o cargo e quer deixar o comando da estatal, segundo jornal; BB nega que presidente tenha renunciado

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies