Menu
2019-10-17T17:04:52-03:00
Não está sendo fácil

Campos Neto destaca nos EUA choques internacionais que afetaram PIB em 2019

Apresentação do presidente do BC mostra que a projeção do mercado financeiro para o crescimento do Produto Interno Bruto em 2019 é de 0,87%

17 de outubro de 2019
17:04
Roberto Campos Neto
Imagem: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O presidente do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, destacou nesta quinta-feira, durante apresentação em eventos em Washington, nos Estados Unidos, que o crescimento do Brasil foi afetado por "choques importantes" em 2019.

Uma apresentação de Campos Neto, publicada no site do BC, mostra que a projeção do mercado financeiro para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2019 é de 0,87%. Sem os choques, este crescimento poderia chegar a 1,54%, conforme os dados do Banco Central.

Da diferença de 0,67 ponto porcentual nas projeções, o choque trazido pela crise econômica da Argentina é responsável pela perda de 0,18 ponto porcentual de crescimento do País. A Argentina é um dos principais parceiros comerciais do Brasil.

O segundo choque citado por Campos Neto é o trazido pela desaceleração global, responsável por 0,29 ponto porcentual da perda de PIB do Brasil.

Já o choque gerado pelo rompimento da represa da Vale em Brumadinho, no Estado de Minas Gerais, em janeiro, impactou negativamente a projeção para o PIB de 2019 em 0,20 ponto porcentual.

Em sua apresentação, Campos Neto também incluiu gráficos que tratam do efeito da incerteza comercial na atividade econômica global. Os gráficos têm por base trabalho acadêmico intitulado "The Economic Effects of Trade Policy Uncertainty", de Dario Caldara, Matteo Iacoviello, Patrick Molligo, Andrea Prestipino e Andrea Raffo.

A apresentação de Campos Neto traz a estimativa de que a incerteza comercial reduziu em 0,8 ponto porcentual a atividade global em 2019. Além disso, uma baixa de 1 ponto porcentual se acumularia de 2019 para 2020.

Em outro gráfico, com dados da unidade de Nova York do Federal Reserve (Fed, o banco central americano), a apresentação de Campos Neto destaca que a probabilidade de recessão nos Estados Unidos chegou a 35% em outubro deste ano. O crescimento da probabilidade vem ocorrendo desde 2018. Antes disso, os porcentuais se mantinham abaixo de 10%, conforme o gráfico apresentado.

Política monetária

Na apresentação preparada para os eventos nos EUA, Campos Neto retomou ideias contidas nos documentos mais recentes do BC.

O presidente da instituição repetiu que "a consolidação do cenário benigno para a inflação prospectiva deverá permitir ajuste adicional no grau de estímulo" - ou seja, redução adicional da Selic (a taxa básica de juros), hoje em 5,50% ao ano.

Ao mesmo tempo, Campos Neto reiterou na apresentação que "os próximos passos da política monetária continuarão dependendo da evolução da atividade econômica, do balanço de riscos e das projeções e expectativas de inflação".

Campos Neto permanece em Washington até o dia 20. Na cidade, ele participará de eventos ligados à Reunião Anual do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial, além das reuniões de Ministros da Fazenda e Presidentes de BCs do G-20 e do Brics. O presidente do BC participará ainda de reuniões com investidores.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

dinheiro no caixa

Centauro levanta R$ 900 milhões em oferta de ações

Empresa deve usar os recursos para o financiamento de aquisições de empresas em curso e futuras que possam contribuir para a execução de sua estratégia de crescimento

em meio à crise

Governo transfere R$ 83,9 milhões do Bolsa Família para investir em propaganda

Medida atinge os recursos previstos para a região Nordeste do País; Secom já havia aumentado para R$ 17,8 milhões suas despesas com propaganda

Entrevista

Vitreo não será “mais uma” plataforma de investimentos na concorrência com XP, diz CEO

Patrick O’Grady conta por que a Vitreo, que possui hoje R$ 4,5 bilhões e 60 mil clientes, decidiu entrar na disputa pelo território ocupado hoje por mais de duas dezenas de corretoras, bancos e fintechs

SEXTOU COM RUY

As grandes vencedoras na crise e o “vício” das perdedoras no lucro

O problema dessas empresas “reloginho” – com lucros estáveis e recorrentes – é que elas atraem acionistas que só conseguem pensar nos dividendos

Balanço da covid no país

Brasil supera Itália em número de mortes por coronavírus e chega a 34 mil

O Brasil registrou 34.021 mortes provocadas pelo coronavírus até agora. Há 614.941 casos confirmados da doença em todo o país

coronavírus na energia

Copasa prorroga pagamento de contas devido à pandemia

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) informou que prorrogou os prazos das medidas de auxílio aos clientes, a fim de minimizar os impactos à população devido à pandemia do novo coronavírus

seu dinheiro na sua noite

Licença para gastar

Na crise financeira de 2008, as autoridades dos países desenvolvidos se encontraram diante de um dilema: era certo usar dinheiro público para salvar os bancos que estavam à beira da falência? Se por um lado eles foram os grandes culpados pelo próprio destino, por outro os efeitos colaterais de uma quebradeira no sistema financeiro afetariam […]

Recorde histórico

Em meio à pandemia, poupança tem captação líquida recorde de R$ 37,201 bilhões em maio

Este é o maior volume de depósitos líquidos em um único mês em toda a série histórica do BC, iniciada em janeiro de 1995

Bolsa imparável

Ibovespa sobe pelo quinto dia, desafiando até mesmo o tom mais cauteloso no exterior

O Ibovespa contrariou a tendência global e fechou em alta, aproximando-se do patamar dos 94 mil pontos. O tom mais cauteloso visto lá fora só foi sentido no mercado de câmbio, com o dólar à vista subindo e voltando a R$ 5,13

MP 936

Maia avalia que desoneração de folha evita mais desemprego na crise

Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a prorrogação da desoneração da folha de pagamento até o fim de 2021, como proposto no texto da medida provisória 936 aprovada pela Câmara, vai evitar um impacto de R$ 10 bilhões nos custos de mão de obra de 17 setores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements