Menu
2019-09-19T10:39:12-03:00
Estadão Conteúdo
Giro dos BCs

Banco da Inglaterra decide manter taxa básica de juros em 0,75% ao ano

Inflação medida pelo índice de preços ao consumidor (CPI), que desacelerou para 1,7% anual em agosto, deve permanecer ligeiramente abaixo da meta de 2% no curto prazo, espera o BoE

19 de setembro de 2019
10:39
Inglaterra
Imagem: Shutterstock

O Banco da Inglaterra (BoE) decidiu por unanimidade, ou seja, nove votos a zero, manter a sua taxa básica de juros inalterada em 0,75% ao ano. Pelo mesmo placar, o comitê de política monetária da instituição aprovou a manutenção do estoque de compras de bônus corporativos não financeiros em 10 bilhões de libras e o de bônus do governo, os Gilts, em 435 bilhões de libras.

"Desdobramentos relacionados ao Brexit estão deixando dados econômicos do Reino Unido mais voláteis, com o PIB (Produto Interno Bruto) caindo 0,2% no segundo trimestre de 2019 (em relação ao trimestre anterior), e agora esperamos que cresça 0,2% no terceiro trimestre", afirma o BoE.

Para o comitê, o crescimento subjacente da economia britânica desacelerou, mas permanece "ligeiramente positivo". "Um grau de excesso de oferta parece ter se aberto dentro de empresas", acrescenta o comunicado. "O governo anunciou um aumento significativo em gastos departamentais para o período de 2020 a 2021, que poderia elevar o PIB em torno de 0,4% ao longo do período de projeção do comitê, todo o mais sendo constante."

A inflação medida pelo índice de preços ao consumidor (CPI), que desacelerou para 1,7% anual em agosto, deve permanecer ligeiramente abaixo da meta de 2% no curto prazo, espera o BoE.

O BC britânico ressalta ser possível que "eventos políticos levem a um período adicional de incerteza arraigada sobre a natureza de e a transição para a eventual futura relação de comércio do Reino Unido com a União Europeia". "Quando mais tempo persistirem essas incertezas, particularmente em um ambiente de crescimento global mais fraco, mais provável é que o crescimento da demanda permaneça abaixo do potencial."

No cenário de um Brexit sem acordo, reafirma a autoridade monetária, a libra provavelmente cairia, a inflação aumentaria e o crescimento do PIB desaceleraria. "As decisões de taxa de juros o comitê teriam de equilibrar a pressão de alta sobre a inflação, da provável queda da libra, e qualquer redução na capacidade de oferta, com a pressão de baixa de qualquer redução na demanda. Nessa eventualidade, a resposta de política monetária não seria automática e poderia se dar em qualquer direção."

Já na hipótese de haver mais clareza de que a economia está rumando para um Brexit "suave", e presumindo alguma recuperação do crescimento global, "é provável que se forme uma margem significativa de excesso de demanda no médio prazo". "Se isso viesse a ocorrer, o comitê julga que aumentos das taxas de juros, a um ritmo gradual e até um ponto limitado, seriam apropriados para levar a inflação sustentavelmente de volta à meta de 2%."

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Entrevista

‘Desemprego alto e déficit público nos deixam cautelosos’, diz presidente da Whirlpool

CEO da fabricante das marcas Consul e Brastemp diz estar cauteloso para investir em produção e em relação à sustentabilidade da demanda, por conta de desemprego e da situação fiscal

Mercadores da noite

Bolsa, dólar e juros subindo: qual dos três está mentindo?

Quando a Bolsa, o dólar e as taxas de juros estão subindo ao mesmo tempo, um dos três está mentindo – qual deles será e o que fazer?

Infraestrutura

Novo marco legal para ferrovias vai a votação no Senado na próxima semana

Legislação promete organizar regras do setor e permitir novos formatos para a atração de investimentos privados

Telecomunicações

Operadoras cobram transparência do governo na definição da tecnologia 5G

Teles se dizem preocupadas com as “incertezas” relativas ao processo, depois de governo sinalizar banimento da chinesa Huawei

Recorde

Estrangeiros põem R$ 30 bilhões na bolsa brasileira em novembro

Trata-se de recorde de entrada de recursos estrangeiros em um mês, impulsionado pela migração de recursos para bolsas emergentes; movimento por aqui, porém, pode ser passageiro

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies