Menu
2019-06-27T12:34:22-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Olho no Spread

Banco Central cria departamento para ampliar competição no mercado financeiro

Ideia é estimular a concorrência entre os bancos e se preparar para o sistema financeiro do futuro

27 de junho de 2019
10:11 - atualizado às 12:34
Bancos - Itaú - Santander - Bradesco - Banco do Brasil
Imagem: Montagem Andrei Morais / Estadão Conteúdo / Shutterstock

O diretor de Política Monetária do Banco Central, Bruno Serra Fernandes, explicou que embora o estímulo à concorrência no sistema financeiro financeiro já fosse objetivo do BC, a instituição entendeu ser oportuna a criação de um Departamento de Competição e de Estrutura do Mercado Financeiro (Decem).

O BC vem defendendo que mais importante que reduzir a concentração no mercado brasileiro (os cinco bancos e 200 milhões de patos), a queda dos spreads bancários (diferença entre o custo do dinheiro para os bancos e para o tomador final) passa pelo aumento da competição.

O Decem será subordinado ao diretor de Organização do Sistema Financeiro e de Resolução, João Manoel Pinho de Mello. A fala de Bruno Serra aconteceu em evento em São Paulo e seu discurso foi divulgado no site do BC.

Segundo o diretor, em um cenário de crescimento das fintechs, de implementação do open banking e dos pagamentos instantâneos, o BC tem de observar os movimentos do mercado e se preparar para organizar “o sistema financeiro do futuro”.

A ideia é que o novo departamento permita ao BC ter postura mais proativa no tratamento de questões referentes à organização do sistema financeiro e do sistema de pagamentos.

“Não vamos parar por aí. Seguiremos buscando o desenvolvimento de ações de caráter microeconômico, com o objetivo de incentivar o crescimento do mercado de capitais e promover a democratização financeira”, disse.

Segundo o diretor, os projetos de pagamentos instantâneos e open banking apresentam alto potencial de acelerar a dinâmica concorrencial na prestação de serviços financeiros.

“O primeiro entrega ao usuário final o controle da realização de seus pagamentos de forma complementar, e em vários aspectos, mais eficiente que os instrumentos de pagamento atualmente disponíveis. O segundo disponibiliza ao usuário suas próprias informações, para melhor uso em busca das condições mais favoráveis na contratação de serviços financeiros”, explicou.

Mercado de Capitais

Segundo o diretor também é preciso incentivar a concorrência no mercado de capitais. Nesse tema, ele lembrou de iniciativa conjunta com o Ministério da Economia, CVM e Susep, composta de diversas ações.

A ideia é buscar a redução do custo e a desburocratização para abertura de contas de custódia para não-residentes, aumentando a base de investidores internacionais.

Também estão contemplada a evolução do arcabouço legal e operacional para produtos de home equity, que segundo Serra, “tem o potencial de desimobilizar um volume enorme de riqueza da população”.

Por fim, também será estimulada a securitização e o mercado de títulos privados e de operações de crédito.

“Faremos com que avanços observados recentemente nos mercados de capitais atinjam também as pequenas e médias empresas”, disse.

Outro ponto citado pelo diretor é a busca por melhora na eficiência de mercado. Com base em diálogos com os participantes de mercado, e principalmente os dealers do BC, Serra falou que a instituição já começou a adotar uma série de medidas de caráter mais operacional com vistas a aprimorar a efetividade e a reduzir os custos e as fricções, que podem advir das intervenções do BC nos mercados monetário e cambial.

Ainda de acordo com o diretor, o aprimoramento operacional das linhas de assistência financeira de liquidez, usando instrumentos mais modernos e com maior facilidade de acesso por parte dos agentes, “pode ainda colaborar para reduzir a necessidade de manutenção do atual nível de compulsórios como instrumento macroprudencial”.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter

Cooperativas

Serra também falou que o aperfeiçoamento do sistema cooperativo também permitirá o aumento da concorrência, contribuindo também para a inclusão dos atualmente desatendidos.

Entre os aprimoramentos que estão sendo estudados estão a permissão de empréstimo sindicalizado; a criação de Depósito Interfinanceiro Cooperativo, como funding entre cooperativas; e a modernização do conceito de área de admissão.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

AINDA SOBRE A 'CAIXA-PRETA'

TCU dá 20 dias para BNDES explicar auditoria milionária da ‘caixa-preta’

Após um ano e dez meses focado em oito operações com as empresas JBS, Bertin, Eldorado Brasil Celulose, a auditoria não apontou nenhuma irregularidade

DE OLHO NA VALE

Vale paga multas ao governo mineiro, mas questiona cobranças do Ibama

De acordo com dados da Semad, foram aplicados até o momento 11 autos de infração em decorrência do rompimento da barragem no dia 25 de janeiro de 2019

OLHO NAS STARTUPS

Volume de aportes em startups do País cresce 80% e atinge US$ 2,7 bi em 2019

O número de aportes, por sua vez, cresceu 8,3% na comparação com 2018, mas não bateu recordes – em 2017, foram 263 investimentos no País, mas com valor individual menor, totalizando US$ 905 milhões

ACORDOS

Bolsonaro assina 15 acordos com a Índia e fala que comércio poderá superar US$ 50 bilhões até 2022

O principal acordo assinado é o de cooperação e facilitação de investimentos (ACFI), segundo o jornal Folha de S.Paulo

MAIS LIDAS DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: O sonho da aposentadoria rápida

Caro leitor, O que te assusta mais: o coronavírus ou a fila do INSS? Não tenho dúvidas de que a nova doença foi o assunto da semana no mundo todo, mas o desejo de se aposentar rápido – e sem depender do governo – foi o que bombou aqui no Seu Dinheiro.  O projeto Aposente-se aos […]

DE OLHO NA TECNOLOGIA

Toyota investe US$ 394 milhões em companhia de táxi aéreo elétrico, Joby Aviation

Parecida a um drone, a aeronave tem capacidade para quatro passageiros mais o piloto, possui seis hélices, um alcance de 150 milhas (aproximadamente 240 km) e pode voar até 200 milhas por hora (cerca de 320 km/h)

POLÍTICA

Em Davos, Doria se ‘afasta’ de Bolsonaro

Nesses 12 meses de intervalo, o clima entre os dois não apenas esfriou como houve troca de farpas tendo como pano de fundo o cenário político de 2022

EMPREGO

Em 1º ano, Bolsonaro gera mais vagas que Temer, mas fica atrás de Lula e Dilma

Com a economia ganhando tração a partir do segundo semestre do ano passado, o Caged registrou saldo positivo de 644.079 vagas com carteira assinada em 2019

COLUNA DO PAI RICO PAI POBRE

Ter um emprego versus empreender

Veja como avaliar se é melhor ter um próprio negócio, ser autônomo ou arrumar um emprego.

EMPREGOS

Para gerar 1 milhão de empregos, economia tem de crescer 3%, diz secretário

O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, evitou nesta sexta-feira, 24, fazer uma previsão oficial para a geração de empregos com carteira assinada em 2020, mas disse acreditar em até 1 milhão de novos postos de trabalho neste ano, caso o Produto Interno Bruto (PIB) tenha uma alta próxima de 3% até […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements