Menu
2019-04-29T11:51:25-03:00
Estadão Conteúdo
vizinho em crise

Argentina introduz mudanças no regime cambial e poderá intervir fora da banda

Comitê de política monetária considerou que é importante reforçar o viés contrativo da política monetária, intervindo no mercado para “reduzir mais agressivamente a quantidade de pesos”

29 de abril de 2019
11:29 - atualizado às 11:51
shutterstock_613679384 (1)
Banco Central da Argentina - Imagem: shutterstock

O Banco Central da Argentina (BCRA) informou em comunicado nesta segunda-feira que decidiu realizar mudanças no regime monetário-cambial vigente.

Diante do aumento da volatilidade cambial nos últimos dias, o comitê de política monetária considerou que é importante reforçar o viés contrativo da política monetária, intervindo no mercado para "reduzir mais agressivamente a quantidade de pesos" e desse modo contribuir para o funcionamento adequado desse mercado. "Estas intervenções ocorrerão tanto dentro do que se havia definido até agora como zona de não intervenção como fora da mesma", explicou a entidade.

A partir desta segunda-feira, o BC disse que poderia realizar venda de dólares mesmo se o câmbio do dólar ficar abaixo de 51,448 pesos argentinos, com montante e frequência a depender da dinâmica do mercado. Além disso, se o dólar ficar acima de 51,448 pesos, o BCRA aumentará de US$ 150 milhões a US$ 250 milhões o montante de venda diária estipulada até agora.

"Além disso, poderá determinar a realização de intervenções adicionais para responder a episódios de volatilidade excessiva, caso se considere necessário", pontuou.

Em todos os casos, o montante de pesos resultante dessas vendas será descontado da meta de base monetária. Desse modo, as medidas anunciadas possibilitam a absorção de liquidez de pesos quando o câmbio ficar abaixo de 51,448 pesos por dólar e intensificam essa absorção quando o preço do dólar ficar acima, diz o BC.

Além disso, o comitê confirmou sua decisão de não comprar divisas até junho de 2019 se o câmbio ficar abaixo de 1 dólar por 39,755 pesos.

O comitê de política monetária aprovou as mudanças por unanimidade, segundo o BC.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Recuperação

Em evento, Guedes nega frustração com PIB e diz que transporte público, saúde e educação podem ter alíquota menor de IVA

Durante a sua fala, Guedes disse que a recuperação da economia está sendo generalizada, destacando o desempenho da indústria e dos investimentos no terceiro trimestre.

fechamento dos mercados

Pfizer pesa e limita alta do Ibovespa, após cortar meta de vacinas à metade em 2020

Farmacêutica enfrenta problemas na cadeia de suprimentos e reduz envio de imunizantes contra a covid-19 para 50 milhões, diz Wall Street Journal. Com fechamento anterior à notícia, dólar à vista cai 2% e juros longos despencam

acionista recompensado

Locaweb paga R$ 16 milhões em juros sobre capital próprio

Empresa estreou este ano na bolsa e já tem uma valorização de quase 200%; no terceiro trimestre, lucro cresceu 30%, a R$ 7,8 milhões

Voando

Boeing recebe primeira grande compra de novos 737 MAX após acidentes

Até novembro, as companhias aéreas e as empresas de leasing de aeronaves cancelaram cerca de 10% dos pedidos do Max pendentes da Boeing neste ano.

Topo da lista

Ricardo Barros diz que reforma tributária é prioridade do governo

“É desejo do presidente uma reforma tributária que simplifique e modernize os impostos sem aumento de carga tributária”, afirma Barros.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies