Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2019-08-13T14:38:59-03:00
Estadão Conteúdo
Sinal amarelo

No Twitter, economistas citam maior possibilidade de calote da dívida argentina

Os hermanos, com oito calotes na história, estão em destaque no mercado por ser o único país do continente que deu dois calotes desde o ano 2000

13 de agosto de 2019
14:37 - atualizado às 14:38
Argentina
Imagem: Shutterstock

O resultado das eleições primárias de domingo na Argentina, que deram ampla vitória à chapa composta por Alberto Fernández e a ex-presidente Cristina Kirchner sobre o atual mandatário do país, Maurício Macri, gerou grande preocupação entre os operadores e analistas do mercado financeiro por conta da perspectiva de que o provável novo governo possa incorrer em um possível novo calote da dívida.

Pelo Twitter, o operador Jeroen Blokland, da Robeco Asset Management, publicou um gráfico elaborado pelos economistas americanos Carmen Reinhart e Kenneth Rogoff, da Universidade de Harvard, identificando a quantidade de calotes que cada país já deu desde 1800. "Se você está procurando por calotes, Argentina (e o resto da América Latina) é o seu lugar", comentou.

O gráfico é liderado por Equador e Venezuela, com dez calotes cada, seguido por Uruguai, Costa Rica, Brasil e Chile, com nove.

A Argentina, com oito calotes na história, está destacada em vermelho por ser o único país do continente que deu dois calotes desde o ano 2000.

O economista-chefe da Allianz, Mohamed El-Erian, ressalta que enquanto a maior preocupação dos investidores é com a chance de um default, os movimentos do mercado observados ontem ilustram que também há problemas de liquidez no país.

"Também não há descanso para o peso argentino, que abriu hoje 8% mais fraco", comenta o economista. "Essa depreciação agrava as condições financeiras, mina o crescimento e alimenta a inflação, fazendo com que as eleições fiquem ainda mais incertas", analisa.

De acordo com o Broadcast (sistema de notícias em tempo real do Grupo Estado) o Credit Default Swap (CDS) de cinco anos da Argentina, um seguro contra calote da dívida soberana e medida do risco-país, seguiu em alta nesta terça-feira e já embute probabilidade de 75% do default do país vizinho nos próximos cinco anos. Antes das primárias de domingo, essa possibilidade estava perto de 40%, de acordo com operadores.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

ECONOMIA X COVID

Economia monitora variante ômicron da covid-19, mas programas de auxílio dependem da PEC dos Precatórios; pasta evita falar em gastos fora do teto

Ministério da Economia evita falar em crédito extraordinário, como acontece nos casos de guerras ou calamidades públicas

Black Friday em números

Varejo cresce 6,3% na Black Friday e vê crescimento de lojas virtuais com e-commerce aquecido; confira dados

Apesar do aumento em relação à Black Friday de 2020, o patamar de faturamento do varejo foi 9,1% inferior ao registrado em 2019

Desdobramentos da crise

Presidente da Latam, Roberto Alvo diz que recusou oferta ‘incompleta’ e ‘insuficiente’ da Azul

O conteúdo dela é confidencial”, afirmou, em entrevista coletiva. Procurada, a Azul não quis comentar

Solana no MB

Exclusivo: Solana (SOL), 5ª maior criptomoeda do mundo, chega Mercado Bitcoin com alta de mais de 12.000% no ano

A quinta maior criptomoeda do mundo vem conquistando o mercado porque se coloca como uma blockchain alternativa ao ethereum (ETH)

Pandemia em curso

Variante ômicron da covid-19 já está em dez países, mas chefe da associação médica da África do Sul vê “sintomas médios” da doença em estudo preliminar

Até o fechamento desta matéria, não haviam informações sobre infecções por essa variante da covid-19 nas Américas

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies