2019-04-18T08:44:50-03:00
Estadão Conteúdo
abalo entre vizinhos

Indústria brasileira deve sofrer impacto com freada argentina

Ibre, da FGV, projeta uma recessão de 2,2% na Argentina em 2019 e nessa quarta revia para baixo a estimativa de crescimento da indústria brasileira por causa da queda esperada nas exportações para o país

18 de abril de 2019
7:50 - atualizado às 8:44
indústria-brasileira
Indústria brasileira - Imagem: José Cruz/Agência Brasil

O pacote anunciado nessa quarta-feira, 17, pelo presidente argentino, Mauricio Macri, para tentar amenizar a crise não será suficiente para reverter a trajetória de queda da economia - nem reduzir os impactos que a recessão no país vizinho tem causado no Brasil.

O Instituto Brasileiro de Economia (Ibre), da FGV, projeta uma recessão de 2,2% na Argentina em 2019 e nessa quarta revia para baixo a estimativa de crescimento da indústria brasileira por causa da queda esperada nas exportações para o país. O novo número será divulgado apenas na próxima semana, mas será inferior ao 1,9% que havia sido calculado em março.

"No fim de 2018, esperávamos uma melhora na Argentina no segundo semestre deste ano. Essa expectativa não se configura mais. A notícia de hoje (quarta-feira), de se mexer nos preços dos produtos, é péssima, é um sinal de que as coisas saíram do controle", disse Luana Miranda, economista do Ibre. "Estamos finalizando a nova projeção da indústria, muito em parte por causa do efeito argentino", acrescentou.

Em recessão, a Argentina deve reduzir ainda mais as compras de produtos brasileiros, principalmente de itens industrializados. Luana destaca que, entre janeiro e abril de 2018, os embarques do Brasil para o país cresceram quase 8% na comparação com o mesmo período do ano anterior. Após a chegada da crise - entre maio e dezembro -, eles despencaram 30%. No acumulado de 2019, o recuo chega a 48%.

Além de prejudicar as exportações e a indústria brasileira, situação argentina serve de alerta para o País, diz o economista-chefe do Goldman Sachs para a América Latina, Alberto Ramos. "O excesso de gradualismo é uma estratégia de risco alto, que depois pode criar a necessidade de um ajuste econômico e social mais forte", afirma, em referência a política de Macri de fazer um ajuste fiscal lentamente. O gradualismo é apontado por economistas como um dos responsáveis pela crise argentina.

Ramos destaca ainda que, no Brasil, se fala da necessidade de se fazer um ajuste desde o fim do primeiro mandato de Dilma Rousseff. Até agora, porém, muito pouco foi feito. "Estamos incubando vulnerabilidade." O economista compara o cenário argentino atual com o do Brasil do fim de 2014, quando Joaquim Levy assumiu o ministério da Fazenda e as expectativas estavam desancoradas, o câmbio desvalorizado e a inflação subia apesar dos altas na taxa de juros básica, a Selic, impostas pelo Banco Central. "A situação argentina é muito parecida, mas num patamar muito maior."

Janela de oportunidade

Para o economista Fabio Giambiagi, a crise no país vizinho mostra a "importância de não se perder uma janela de oportunidade" para fazer um ajuste. Na Argentina, diz ele, havia esse espaço no começo do governo Macri, quando o mercado estava de lua de mel com o presidente.

Giambiagi destaca, no entanto, que, apesar de também ter a necessidade de passar por um ajuste fiscal, o Brasil está em uma situação melhor que a da Argentina, pois não há descontrole de preços nem déficit de conta corrente.

* Com informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

Nova gestora

Bolsa está barata e esperar pelo “melhor momento” para investir é má estratégia; conheça as principais apostas da Mantaro Capital

Nova gestora focada em renda variável, Mantaro Capital nasce de cisão na Pacífico e quer navegar as águas turbulentas da bolsa

NOITE CRIPTO

Vento que venta lá, venta cá: bitcoin (BTC) sente pressão global, mas se mantém nos US$ 20 mil; confira cotações

A tensão é tanta que alguns investidores de ativos digitais estão prevendo que o preço do bitcoin pode cair para até US$ 10 mil antes que um piso seja encontrado

MANUTENÇÃO ETERNA

Não tem choro, nem vela: Putin vai fechar torneira do gás para a Europa em julho e tensão aumenta — entenda a história

Tradicionalmente, os gasodutos russos entram em fase de manutenção nesse período, mas com a guerra na Ucrânia e a enxurrada de sanções do Ocidente, o temor de ficar sem gás por mais tempo é maior e sinais de que isso pode acontecer já apareceram

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Recessão assusta Ibovespa, bitcoin (BTC) na coqueteleira, BB Seguridade (BBSE3) conquistando analistas e outros destaques do dia

As principais economias do mundo não estão oficialmente em recessão e os menos otimistas indicam que a situação só deve mudar de cara na virada de 2022 para 2023, mas nem por isso o mercado financeiro consegue desviar a atenção do cenário que começa a ganhar ares de inevitável.  Em outros tempos, a notícia de […]

FECHAMENTO DO DIA

Temor de recessão no primeiro mundo deixa Ibovespa no vermelho mais uma vez; dólar e juros sobem

A decisão da China em encerrar a política de “covid zero” empolgou nas primeiras horas, mas o mau humor em Wall Street contaminou o Ibovespa

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies