Menu
2019-09-24T15:34:24-03:00
Jasmine Olga
Jasmine Olga
Cursando jornalismo na Universidade de São Paulo (ECA-USP), já passou pelo Centro de Cidadania Fiscal (CCiF) e o setor de comunicação da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo
Fim da novela

Dona da Ambev, AB InBev levanta US$ 5 bilhões em oferta de ações feita na bolsa de Hong Kong

Valor final da oferta ainda pode ser maior caso a AB InBev oferte um lote opcional de mais 189.354.000 ações, o que elevaria o total a aproximadamente US$ 5,75 bilhões

24 de setembro de 2019
8:23 - atualizado às 15:34
Budweiser
Embalagem de Budweiser - Imagem: Shutterstock

Depois de algumas idas e vindas, a belga Anheuser-Busch InBev (AB InBev), dona da brasileira Ambev, anunciou  a captação de cerca de US$ 5 bilhões na oferta pública inicial (IPO, na sigla em inglês) da sua subsidiária asiática, a Budweiser Brewing Company APAC Limited.

No IPO, foram ofertadas 1.262.350.000 ações, precificadas em 27 dólares de Hong Kong (US$ 3,45) cada. A oferta confere à Budweiser APAC uma capitalização de mercado de mais de US$ 45 bilhões, dentro do esperado pela empresa.

Esta é a segunda maior oferta de ações lançada neste ano no mundo, ficando atrás apenas do IPO da Uber, na NYSE,  que levantou US$ 8,1 bilhões em maio deste ano.

  • CONVITE ESPECIAL: Hoje é nosso aniversário de 1 ano do Seu Dinheiro. E estamos com uma super novidade para você, leitor. Aqui neste vídeo nosso colunista Fausto Botelho conta os detalhes. Aproveite!

A expectativa é que as ações comecem a ser negociadas no dia 30 de setembro na bolsa de Hong Kong, com o código '1876'.

A oferta ainda pode ter um valor final ainda maior caso a AB InBev oferte um lote opcional de mais 189.354.000 ações, o que elevaria o total a aproximadamente US$ 5,75 bilhões.

O valor é muito bem vindo aos cofres da gigante cervejeira AB Invev.  Desde 2016 a companhia acumula um débito de US$ 102,5 bilhões, fruto da aquisição de sua rival direta, a SABMiller.

A Budweiser Brewing Company é um braço importante do negócio da empresa belga. Hoje, a subsidiária asiática atua na China, Austrália, Coréia do Sul, India e Vietnam, produzindo e comercializando marcas mundialmente famosas como Budweiser, Stella Artois, Corona, Howegaarden e mais 50 outros nomes.

Hoje, o mercado chinês de cerveja é um dos que mais crescem e, embora ainda seja dominado por marcas locais populares, apresenta também um crescimento do segmento de cervejas premium.

Em 2018, a filial asiática da AB InBev registrou um lucro de US$ 1,4 bilhões. A expectativa é que o segmento tenha um crescimento de até 21% nos próximos quatro anos.

Entenda a história

Em maio, a AB InBev entrou com um pedido de abertura de capital na bolsa de Hong Kong. A oferta inicial estava prevista para ocorrer em julho.

Mas, devido ao baixo interesse dos investidores, a gigante do mundo cervejeiro cancelou a sua tentativa de IPO junho. A ideia inicial era muito mais ambiciosa e tinha como objetivo arrecadar no mínimo US$ 10 bilhões.

A empresa voltou a demonstrar interesse na abertura de capital de sua filial asiática após realizar a venda de sua subsidiária australiana ao grupo japonês Asahi Holdings, pelo valor de US$ 11,3 bilhões.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

ARMADILHAS FINANCEIRAS

Dois investimentos que parecem uma boa, mas são ‘cilada’

As armadilhas costumam travestir-se de “grandes retornos, com baixo risco”.

Coronavírus

Brasil atinge 100 mil mortos por covid-19; STF decreta luto de 3 dias

Enquanto isso, Bolsonaro destaca 2 milhões de recuperados

Balanço

Lucro da Berkshire Hathaway, de Warren Buffett, sobe 87% no 2º trimestre

Recuperação do mercado de ações teve bons reflexos no balanço da companhia do megainvestidor Warren Buffett, mas no ano a empresa ainda amarga prejuízo

Às vésperas do orçamento

Ministros pedem mais recursos a Guedes

Sob pressão interna para ampliar os gastos como forma de combater os efeitos econômicos da covid-19, o ministro da Economia, Paulo Guedes, precisa entregar o Orçamento do ano que vem até o dia 31 deste mês

Entrevista

Meirelles: ‘A raiz da pressão por aumento de gastos é sempre a mesma, eleição’

Em entrevista ao Estadão, Henrique Meirelles lembra que o País tem pouca memória e que quebrar o teto levaria a uma crise muito maior do que a de 2015

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements