Menu
2019-03-12T18:57:47-03:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Vídeo

PGBL vs. VGBL: desvende a sopa de letrinhas e saiba qual é o melhor para você

Neste vídeo, eu explico melhor as diferenças entre esses dois tipos de previdência privada e para que perfil de investidor cada um é indicado

11 de dezembro de 2018
12:39 - atualizado às 18:57

PGBL ou VGBL, eis a questão. Você já deve ter tido algum contato com essas siglas antes. Essa sopa de letrinhas representa os dois principais tipos de planos de previdência privada abertos que temos hoje no mercado. Mas você sabe a diferença entre eles? E sabe qual seria o mais adequado para o seu perfil?

Os planos de previdência privada podem ser grandes aliados na construção do seu patrimônio e no planejamento da sua aposentadoria.

Eles contam com incentivos tributários que desestimulam o investimento de curto prazo, mas reduzem o imposto de renda a pagar de quem investe para o longo prazo.

PGBL e VGBL se assemelham em quase tudo, mas há duas diferenças cruciais, que determinam para qual perfil de investidor cada um é indicado. Eu falo mais sobre elas neste vídeo:

Iguais em todo o resto

Tanto PGBL quanto VGBL são planos de previdência abertos, isto é, aceitam a adesão de qualquer interessado. São oferecidos por seguradoras e distribuídos por instituições financeiras como bancos, corretoras e distribuidoras de valores.

Nesta outra matéria, eu falo um pouco mais sobre os dois tipos de previdência privada: os planos abertos e os planos fechados.

Os dois produtos se assemelham quanto às coberturas, aos limites de investimento em cada classe de ativo, aos custos e à forma de pagamento dos benefícios no futuro.

Com exceção das diferenças que eu destaquei no vídeo, os demais incentivos tributários são comuns a ambos os produtos.

Seja PGBL ou VGBL, planos de previdência não têm come-cotas e permitem ao participante escolher entre duas tabelas de tributação: a progressiva e a regressiva.

A ausência de come-cotas, tributação semestral de alguns tipos de fundos de investimento, evita que os recursos saiam do fundo para alimentar o Leão.

Em vez disso, eles permanecem aplicados, para rentabilizar no longo prazo, o que dá uma turbinada nas reservas. A tributação só ocorre na hora de o participante receber os recursos, na forma de resgate ou renda.

Já a tabela regressiva permite ao investidor pagar apenas 10% de IR após dez anos de aplicação, menos que os 15% mínimos das demais aplicações financeiras tributadas.

Nesta outra matéria, você pode saber mais sobre como funciona a previdência privada no que diz respeito aos incentivos tributários.

PGBL ou VGBL: como melhor aproveitar o perfil de cada um

É importante frisar que, para poder deduzir as contribuições para PGBL na sua declaração de IR, você também precisa ser segurado da Previdência Social, do INSS, seja de um regime próprio de servidores públicos.

É possível, ainda, abater contribuições feitas em nome de terceiros, como filhos ou cônjuge. Mas se este terceiro tiver 16 anos ou mais, também é preciso contribuir em seu nome para o INSS para garantir o direito à dedução.

Já o VGBL também pode ser usado por quem já contribui com até 12% da renda bruta tributável anual para um PGBL e deseja investir uma quantia maior em previdência. Ou ainda, por quem ora entrega a declaração completa, ora entrega a simplificada.

Ou seja, você pode contribuir para PGBL ou VGBL dependendo de qual modelo de declaração entregar: quando for a completa, você contribui para o PGBL; quando for a simplificada, você contribui somente para o VGBL.

Ao final de cada ano, você pode simular a sua declaração do ano seguinte no programa antigo da Receita para ter uma noção de qual dos dois modelos será mais vantajoso.

Finalmente, o VGBL também é interessante quando o objetivo é fazer planejamento sucessório, isto é, planejar a transferência do seu patrimônio para os seus futuros herdeiros.

Planos de previdência não entram em inventário, sendo os recursos transferidos automaticamente, em poucos dias, aos beneficiários do plano. A vantagem do VGBL, nesse sentido, é o fato de o IR incidir apenas sobre os rendimentos.

Comentários
Leia também
Um self service diferente

Como ganhar uma ‘gorjeta’ da sua corretora

A Pi devolve o valor economizado com comissões de autônomos na forma de Pontos Pi. Você pode trocar pelo que quiser, inclusive, dinheiro

Contas analisadas

CMN aprova balanço do Banco Central no 2º semestre de 2019, com lucro de R$ 64,5 bilhões

Com os R$ 21,04 bilhões de lucro no primeiro semestre, o resultado total do ano para a instituição em 2019 foi de R$ 85,57 bilhões

Novidade na área

Caixa confirma parceria om Visa em cartões

Acordo marca o primeiro negócio fechado pelo banco público para constituir um braço de meios de pagamentos

Ano trágico

Vale tem prejuízo de US$ 1,7 bilhão em 2019; provisões e despesas por Brumadinho chegam a US$ 7,4 bilhões

A Vale fechou 2019 com um prejuízo bilionário, fortemente pressionada pelas provisões relacionadas ao rompimento da barragem em Brumadinho — efeitos que superaram em muito os ganhos relacionados à valorização do minério de ferro no ano

Gigante do varejo

Carrefour registra lucro líquido a controladores de R$ 636 milhões no 4º trimestre de 2019

Resultado representa uma alta de quase 20% na comparação com o mesmo período do ano anterior

Adiou de vez

Bolsonaro confirma envio de reforma administrativa só depois do carnaval

Presidente disse que a reforma administrativa está “madura”, embora ainda não esteja pronta

Na ponta do lápis

Vale, SulAmérica, Carrefour e B2W: os balanços que movimentam o mercado no pré-Carnaval

Na maratona de balanços anuais de 2019, novos peso-pesados do mercado anunciaram seus números

Retorno maior com juro baixo

Menos liquidez, mais diversificação: como os clientes ricos do Itaú andam investindo

Com juro baixo, clientes private do Itaú vêm reduzindo alocação em renda fixa pós-fixada e migrando para ativos com mais risco de mercado ou liquidez, como ações, multimercados e investimentos de baixa liquidez.

Seu Dinheiro na sua noite

Hoje tem recorde do dólar?

Tem, sim senhor. Em mais um dia sem a presença do Banco Central no mercado, a moeda do país de Donald Trump tirou tinta dos R$ 4,40, mas perdeu um pouco de força e fechou aos R$ 4,391, alta de 0,60%. A alta recente do dólar, um movimento que na verdade começou lá em agosto […]

Sem alívio

Mais uma sessão, mais um recorde: dólar segue em alta e chega pela primeira vez aos R$ 4,39

O mercado de câmbio continuou pressionado pelo coronavírus e pela fraqueza da economia doméstica. Nesse cenário, o dólar à vista ficou a um triz de bater os R$ 4,40, enquanto o Ibovespa caiu mais de 1% e voltou aos 114 mil pontos

Ele fica

Ministro chama de ‘maior mentira’ história de pedido de saída de Guedes

Ruído sobre eventual saída do titular da Economia do governo se espalhou pelos mercados nesta semana

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements