Menu
2018-11-06T09:29:49-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Selic fica em 6,5% enquanto expectativas ficarem ancoradas nas metas

Ata do Comitê de Política Monetária (Copom) tem tom bastante neutro e reafirma possibilidade de retirada de estímulo

6 de novembro de 2018
9:29
Ilan-Goldfajn-metas-inflação
Imagem: Vanessa Eyer

Mesmo com uma melhora no balanço de riscos para a inflação, o Banco Central (BC) prefere manter a flexibilidade para a condução da política monetária e prefere se abster de fornecer indicações sobre o futuro da taxa básica de juros, a Selic.

Em sua última reunião, na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) optou por manter a Selic em 6,5% ao ano e o que se depreende da leitura da ata é que taxa fica neste patamar enquanto as expectativas de inflação permitirem.

Por ora, o quadro segue favorável aos ativos de risco, como bolsa de valores, e outros setores relacionados à retomada da atividade, com o segmento imobiliário, e os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs). Perdem atratividade os ativos “selicados”, como as LFTs.

No documento, o Copom afirma que a diminuição de incertezas no âmbito doméstico, que produziu redução dos prêmios de risco embutidos nos preços de ativos brasileiros, contribuiu para a redução da assimetria no balanço de riscos para a inflação. Isso pode ser visto como uma referência à queda na cotação do dólar e dos juros futuros com a definição do quadro eleitoral.

“Não obstante essa melhora, os membros do Copom concluíram que os riscos altistas para a inflação seguem com maior peso em seu balanço de riscos.”

Os riscos de alta decorrem de uma possível frustração com as expectativas de continuidade de ajustes e reformas. Risco que se intensifica em caso de deterioração do cenário externo para emergentes.

Faz anos que o BC enfatiza a importância de ajustes e reformas como forma de garantir inflação e juros baixos e uma retomada do crescimento. Agora é aguardar para ver como será feita a implementação das reformas pelo governo eleito.

Segundo o BC, expectativas ancoradas, núcleos de inflação compatíveis com as metas e elevada ociosidade ainda prescrevem política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural. A taxa estrutural ou neutra é aquela que permite o máximo crescimento com inflação dentro das metas.

Essa é uma variável não observável, mas segundo o Copom as atuais taxas de juros reais (taxa nominal descontada da inflação esperada) “têm efeito estimulativo” sobre a economia. Essa taxa real está rodando na casa dos 3% enquanto que algumas projeções para a taxa neutra ficam entre 4% a 4,5%.

O BC também fala sobre as condicionalidades que prescreveriam política monetária estimulativa.

“Em especial, a provisão de estímulo monetário requer ambiente com expectativas de inflação ancoradas. O Comitê avaliou que esse estímulo deve ser removido gradualmente caso o cenário prospectivo para a inflação no horizonte relevante para a política monetária e/ou seu balanço de riscos apresentem piora”, diz a ata.

Vale notar que retirar estímulo é diferente de deixar a política monetária restritiva. Então, o que o BC está dizendo é que se as expectativas descolarem das metas para 2019 e 2020 ele vai reduzir o grau de estímulo, deixando a taxa real mais próxima da taxa neutra.

Inflação e projeções

Os membros do Copom também analisaram a trajetória da inflação nos próximos meses. Essa trajetória deverá produzir elevação da inflação acumulada em doze meses, até atingir um pico por volta do segundo trimestre de 2019. A partir de então, a inflação deverá recuar ao longo do resto do ano, em direção à meta de 4,25%.

As projeções apresentadas mostram Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 4,4% para 2018, 4,2% para 2019 e de 4,1% para 2020, considerando Selic em 6,5% e dólar constante a R$ 3,70.

Com Selic de 8%, que é projetada pelo mercado, e dólar a R$ 3,8 em 2019 e R$ 3,75 em 2020, a inflação fecha 2019 em 4,2% e recua a 3,7% em 2020, quando a meta é de 3,75%.

Sobre o núcleo da inflação, que capta a tendência dos preços, o BC mantém a avaliação de que eles estão, de modo geral, consistentes com as metas de inflação. Vale lembrar que o comportamento dos núcleos foi essencial para o BC acelerar o ritmo de cortes de juros no começo do ciclo e também para o ajuste fino que levou a taxa aos atuais 6,5%.

“Ajustes de preços relativos parecem ter contribuído para elevar a inflação para níveis compatíveis com as metas em contexto com expectativas ancoradas, o que não deveria constituir risco para a manutenção da inflação nesses níveis após concluídos os referidos ajustes”, diz o BC.

Ainda assim, o Copom reforçou a importância de acompanhar a evolução da trajetória prospectiva da inflação no médio e longo prazos, além da ancoragem das expectativas de inflação, visando avaliar o possível impacto mais perene de choques recentes sobre a inflação.

O BC também segue avaliando o repasse dos movimentos da taxa de câmbio para o restante da inflação e enfatiza que tal fenômeno depende do nível de ociosidade da economia e da ancoragem das expectativas de inflação.

Cenário externo

Para o Copom a conjuntura internacional segue desafiadora para as economias emergentes. O apetite a risco se manteve estável, depois de um período de piora, mas a avaliação consensual foi de que que essa estabilização se deu em níveis aquém dos vigentes no início do ano, o que implica prêmios de risco mais elevados.

Além disso, desde a reunião anterior do Copom, os preços de ativos de risco nas economias avançadas apresentaram maior volatilidade.

O cenário base é de normalização gradual da política monetária americana. O Copom também fala dos riscos associados à continuidade da expansão do comércio internacional, “com possíveis impactos sobre o crescimento global e sobre a economia chinesa em particular”.

 

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

hoje não

Holanda rejeita acordo Mercosul-UE

Questão ambiental, relacionada à agricultura no Mercosul, foi o argumento central para o voto dos holandeses

de olho na varejista

Via Varejo anuncia oferta que pode movimentar R$ 4 bilhões

Recursos da oferta serão usados em investimentos em tecnologia e logística, inovação e desenvolvimento

covid-19

Brasil registra 1.349 mortes por coronavírus em 24 h, novo recorde

Balanço divulgado pelo Ministério da Saúde trouxe 28.633 novas pessoas infectadas com o novo coronavírus, totalizando 584.016

efeito coronavírus

Vendas no varejo da zona do euro sofrem queda histórica de 11,7% de abril

Resultado ficou acima da expectativa de analistas consultados pelo The Wall Street Journal, que previam contração ainda mais acentuada nas vendas, de 19%

Exclusivo SD Premium

As melhores ações na bolsa para junho, segundo 14 corretoras

Após consultar 14 corretoras, o Seu Dinheiro selecionou as três ações favoritas de cada uma delas. No pódio, duas velhas conhecidas voltam para mais uma presença no ranking após um bom desempenho em maio.

Agenda BC#

BC estende regras para débito automático a contas de pagamento pré-pagas

A diretoria do Banco Central decidiu estender para as contas de pagamento pré-pagas (aquelas cujos recursos devem ser depositados previamente) as regras sobre autorização e cancelamento de débitos em conta que já estavam previstas para contas de depósitos e para contas-salário

Aprovação concedida

Tim e Vivo recebem aprovação da Anatel e do Cade para compartilhamento de rede

Serão compartilhadas infraestrutura de redes móveis para as tecnologias 2G, 3G e 4G

Empresa diz que não comenta

MPT-RS pede interdição de planta da JBS no Estado por surto de coronavírus

A JBS respondeu, sobre a ação civil pública movida nesta quarta, que não comenta processos judiciais em andamento

seu dinheiro na sua noite

Despiorou

Acabou a crise? Nesta quarta-feira, os mercados mantiveram o otimismo dos últimos dias. As bolsas subiram aqui e lá fora, ao mesmo tempo em que o dólar assistiu a mais um dia de alívio, chegando perto dos R$ 5 novamente. Está até difícil entender de onde sai tanto apetite por risco, dado que a pandemia […]

ANÁLISE

Quarentena de pijama? Não, no mundo cripto tem muita coisa rolando

Nas próximas linhas, Helena Margarido vai mostrar a você um mercado que caminha na contramão de todo establishment e permanece com alta demanda em meio à crise atual: a revolução está somente começando.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements