Menu
2018-11-06T09:29:49-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Selic fica em 6,5% enquanto expectativas ficarem ancoradas nas metas

Ata do Comitê de Política Monetária (Copom) tem tom bastante neutro e reafirma possibilidade de retirada de estímulo

6 de novembro de 2018
9:29
Ilan-Goldfajn-metas-inflação
Imagem: Vanessa Eyer

Mesmo com uma melhora no balanço de riscos para a inflação, o Banco Central (BC) prefere manter a flexibilidade para a condução da política monetária e prefere se abster de fornecer indicações sobre o futuro da taxa básica de juros, a Selic.

Em sua última reunião, na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) optou por manter a Selic em 6,5% ao ano e o que se depreende da leitura da ata é que taxa fica neste patamar enquanto as expectativas de inflação permitirem.

Por ora, o quadro segue favorável aos ativos de risco, como bolsa de valores, e outros setores relacionados à retomada da atividade, com o segmento imobiliário, e os Fundos de Investimento Imobiliário (FIIs). Perdem atratividade os ativos “selicados”, como as LFTs.

No documento, o Copom afirma que a diminuição de incertezas no âmbito doméstico, que produziu redução dos prêmios de risco embutidos nos preços de ativos brasileiros, contribuiu para a redução da assimetria no balanço de riscos para a inflação. Isso pode ser visto como uma referência à queda na cotação do dólar e dos juros futuros com a definição do quadro eleitoral.

“Não obstante essa melhora, os membros do Copom concluíram que os riscos altistas para a inflação seguem com maior peso em seu balanço de riscos.”

Os riscos de alta decorrem de uma possível frustração com as expectativas de continuidade de ajustes e reformas. Risco que se intensifica em caso de deterioração do cenário externo para emergentes.

Faz anos que o BC enfatiza a importância de ajustes e reformas como forma de garantir inflação e juros baixos e uma retomada do crescimento. Agora é aguardar para ver como será feita a implementação das reformas pelo governo eleito.

Segundo o BC, expectativas ancoradas, núcleos de inflação compatíveis com as metas e elevada ociosidade ainda prescrevem política monetária estimulativa, ou seja, com taxas de juros abaixo da taxa estrutural. A taxa estrutural ou neutra é aquela que permite o máximo crescimento com inflação dentro das metas.

Essa é uma variável não observável, mas segundo o Copom as atuais taxas de juros reais (taxa nominal descontada da inflação esperada) “têm efeito estimulativo” sobre a economia. Essa taxa real está rodando na casa dos 3% enquanto que algumas projeções para a taxa neutra ficam entre 4% a 4,5%.

O BC também fala sobre as condicionalidades que prescreveriam política monetária estimulativa.

“Em especial, a provisão de estímulo monetário requer ambiente com expectativas de inflação ancoradas. O Comitê avaliou que esse estímulo deve ser removido gradualmente caso o cenário prospectivo para a inflação no horizonte relevante para a política monetária e/ou seu balanço de riscos apresentem piora”, diz a ata.

Vale notar que retirar estímulo é diferente de deixar a política monetária restritiva. Então, o que o BC está dizendo é que se as expectativas descolarem das metas para 2019 e 2020 ele vai reduzir o grau de estímulo, deixando a taxa real mais próxima da taxa neutra.

Inflação e projeções

Os membros do Copom também analisaram a trajetória da inflação nos próximos meses. Essa trajetória deverá produzir elevação da inflação acumulada em doze meses, até atingir um pico por volta do segundo trimestre de 2019. A partir de então, a inflação deverá recuar ao longo do resto do ano, em direção à meta de 4,25%.

As projeções apresentadas mostram Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de 4,4% para 2018, 4,2% para 2019 e de 4,1% para 2020, considerando Selic em 6,5% e dólar constante a R$ 3,70.

Com Selic de 8%, que é projetada pelo mercado, e dólar a R$ 3,8 em 2019 e R$ 3,75 em 2020, a inflação fecha 2019 em 4,2% e recua a 3,7% em 2020, quando a meta é de 3,75%.

Sobre o núcleo da inflação, que capta a tendência dos preços, o BC mantém a avaliação de que eles estão, de modo geral, consistentes com as metas de inflação. Vale lembrar que o comportamento dos núcleos foi essencial para o BC acelerar o ritmo de cortes de juros no começo do ciclo e também para o ajuste fino que levou a taxa aos atuais 6,5%.

“Ajustes de preços relativos parecem ter contribuído para elevar a inflação para níveis compatíveis com as metas em contexto com expectativas ancoradas, o que não deveria constituir risco para a manutenção da inflação nesses níveis após concluídos os referidos ajustes”, diz o BC.

Ainda assim, o Copom reforçou a importância de acompanhar a evolução da trajetória prospectiva da inflação no médio e longo prazos, além da ancoragem das expectativas de inflação, visando avaliar o possível impacto mais perene de choques recentes sobre a inflação.

O BC também segue avaliando o repasse dos movimentos da taxa de câmbio para o restante da inflação e enfatiza que tal fenômeno depende do nível de ociosidade da economia e da ancoragem das expectativas de inflação.

Cenário externo

Para o Copom a conjuntura internacional segue desafiadora para as economias emergentes. O apetite a risco se manteve estável, depois de um período de piora, mas a avaliação consensual foi de que que essa estabilização se deu em níveis aquém dos vigentes no início do ano, o que implica prêmios de risco mais elevados.

Além disso, desde a reunião anterior do Copom, os preços de ativos de risco nas economias avançadas apresentaram maior volatilidade.

O cenário base é de normalização gradual da política monetária americana. O Copom também fala dos riscos associados à continuidade da expansão do comércio internacional, “com possíveis impactos sobre o crescimento global e sobre a economia chinesa em particular”.

 

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

fim de semana fora

Bolsonaro vai à Índia, em viagem que inclui ao menos 10 acordos bilaterais

Na sexta, presidente cumpre agenda com protocolo de visita de Estado, que inclui reuniões com autoridades locais para assinatura de acordos

na agenda

Projetos de autonomia do BC e lei cambial serão prioridades no primeiro semestre, diz Maia

O presidente da Câmara afirmou que a intenção é aprovar as propostas “o mais rapidamente possível”

gostinho do balanço

Carrefour tem alta de 11% nas vendas brutas consolidadas, apontam prévias

Cifra chegou a R$ 17,6 bilhões no período. No acumulado do ano, as vendas chegaram a R$ 62,220 bilhões, alta de 10,4%

De cisne a patinho feio

O que esperar para os resultados e para as ações dos grandes bancos?

Resposta deve ficar mais clara a partir da próxima semana, quando começa a temporada de divulgação de balanços. Os lucros bilionários estão garantidos, mas a previsão é que os bancões naveguem por mares bastante turbulentos ao longo deste ano (e dos próximos)

RECUPERAÇÃO EXTRAJUDICIAL

Recuperação extrajudicial da Triunfo é suspensa pela 1ª Câmara do Tribunal de Justiça de São Paulo

Hoje, os papéis da companhia terminaram o dia cotados em R$ 2,07, o que representa uma alta de 11,29%. Apenas em janeiro, os papéis da Triunfo já subiram 22,49%

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Petrobras à beira da privatização

Caro leitor, São grandes as expectativas do mercado em torno das vendas de ativos estatais para o setor privado durante o governo Jair Bolsonaro. Recentemente, o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, Salim Mattar, disse que a meta do governo federal é levantar R$ 150 bilhões em privatizações apenas em 2020. Mas Bolsonaro já […]

De volta aos 118 mil pontos

Noticiário corporativo dá as cartas e Ibovespa sobe mais de 1%; dólar cai a R$ 4,17

Num dia de calmaria no exterior, o Ibovespa fechou em alta firme, impulsionado pelo bom desempenho das ações das siderúrgicas, da Eletrobras e do setor de papel e celulose.

PETRÓLEO

Campo de Lula permanece em 2019 como o maior produtor de petróleo do Brasil

Primeiro campo supergigante brasileiro, Lula foi descoberto em 2006, representando hoje 34,2% da produção do País

PETRÓLEO

Produção de petróleo bate recorde e ultrapassa 1 bilhão de barris

A maior alta foi registrada pela produção de petróleo na região do pré-sal, de 21,56%, para 633,9 milhões de barris, segundo agência

MAIS ESCLARECIMENTOS

Contrato para abrir ‘caixa-preta’ é da gestão Temer, diz presidente do BNDES

“Não foi esta diretoria que contratou a auditoria. Chegamos em julho no banco e 90% do relatório estava pronto”, afirmou Montezano

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements