Menu
2018-11-08T08:57:34-02:00
Julia Wiltgen
Julia Wiltgen
Jornalista formada pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) com pós-graduação em Finanças Corporativas e Investment Banking pela Fundação Instituto de Administração (FIA). Trabalhou com produção de reportagem na TV Globo e foi editora de finanças pessoais de Exame.com, na Editora Abril.
Esquenta dos mercados

Mercados devem reagir bem a notícias do front político nesta quinta

Bolsonaro discute mudanças na Previdência por projeto de Lei; reunião do Fed e balanços importantes completam agenda cheia

8 de novembro de 2018
8:41 - atualizado às 8:57
Selo esquenta mercados
Petrobras e Cemig devem reagir positivamente a avanços de projetos de lei no Congresso - Imagem: Seu Dinheiro

Bom dia, investidor! A bolsa tem hoje novos motivos para voltar a subir, com notícias favoráveis vindas do front político. Os mercados devem reagir às tentativas do governo eleito de fazer passar ainda neste ano medidas para reformar a Previdência e à aprovação da urgência da votação da cessão onerosa na noite de ontem.

Ontem, as bolsas americanas e europeias fecharam em alta, reagindo com otimismo ao resultado das eleições legislativas americanas, no dia anterior.

As maiorias democrata na Câmara e republicana no Senado são entendidas como um equilíbrio de forças positivo, capaz de não reverter as políticas de Trump, mas de controlar novos ímpetos protecionistas do presidente, bem como maiores estímulos à economia. O cenário é positivo para as bolsas, notadamente as emergentes.

O Ibovespa e o dólar seguiram o otimismo do exterior na parte da manhã de ontem, com a bolsa subindo e a moeda americana caindo. Mas à tarde, o que se viu foi o movimento oposto, na ausência de novidades no cenário interno que pudessem dar aos mercados novo fôlego.

Os investidores estavam apreensivos quanto aos ruídos do novo governo e à ausência de clareza sobre o que afinal será feito em relação à reforma da Previdência.

Na tentativa de dar uma sinalização positiva aos mercados, Bolsonaro tentará antecipar alguma mudança na Previdência por projeto de lei, sem necessidade de emendas constitucionais, o que requer menos votos no Congresso.

Ontem, o presidente eleito discutiu com Temer a possibilidade, e recebe hoje parlamentares para debater propostas.

Segundo o consultor legislativo Pedro Fernando Nery, por medida provisória é possível aumentar a contribuição de servidores e, no INSS, extinguir a fórmula 85/95, endurecer o fator previdenciário, o cálculo da pensão por morte, a aposentadoria por invalidez e o tempo mínimo de contribuição.

Na aposentadoria rural, podem ser alteradas as regras de comprovação do benefício e, no benefício assistencial ao idoso e à pessoa com deficiência (BPC), mudar a idade e a linha de pobreza.

No caso dos militares, tudo pode ser mexido por projeto de lei, mas Bolsonaro não deve entrar nisso agora.

Agora, mudanças de maior impacto, só por emenda constitucional: idade mínima, desvinculação do salário mínimo e quase tudo em relação aos servidores públicos (integralidade, parcialidade e até cálculo da pensão por morte).

Se sair alguma coisa desse encontro, o governo eleito ganha tempo, e o mercado deve reagir positivamente, mas não vai se contentar só com isso. As mudanças mais profundas terão que vir mais adiante. Ao menos seria uma sinalização de compromisso reformista.

Até que enfim

O Senado aprovou finalmente a urgência da cessão onerosa na noite de ontem. A votação do projeto de lei que trata da matéria, porém, só deve ocorrer no próximo dia 27. Ainda assim, as ADRs (recibos de ações brasileiras negociados no exterior) da Petrobras tiveram alta ontem, em reação positiva.

Revisto o contrato da cessão onerosa com a Petrobras, a estatal será ressarcida - o que é boa notícia para os acionistas da companhia - e também o governo Bolsonaro fica liberado para o leilão do excedente dos barris em 2019, o que poderá render R$ 100 bilhões, beneficiando as contas públicas.

A aprovação da urgência foi possível após a oposição negociar que parte dos recursos da comercialização do óleo excedente fosse repartida com estados e municípios e destinada à criação de um fundo de expansão de gasodutos.

Isso destravou também o imbróglio do risco hidrológico, abrindo espaço para a aprovação do projeto de lei que estabelece pagamento à Cemig pelas usinas perdidas ao não renovar concessões com a União. A matéria ainda tem que passar pela Câmara.

Equipe econômica

Os investidores continuam de olho em nomes para a equipe econômica e as estatais, principalmente para a liderança do Banco Central.

Ontem, os mercados reagiram mal a rumores de que Ilan Goldfajn não permaneceria à frente do BC, mas gostaram da indicação de que Ivan Monteiro continuaria na presidência da Petrobras, e da notícia de que Mansueto Almeida e Ana Paula Vescovi devem permanecer no novo governo - ela, à frente da Caixa.

O Banco do Brasil é alvo de especulações no governo Bolsonaro. A equipe do presidente eleito estaria estudando a fusão com o Bank of America, para elevar a competição no setor financeiro, segundo informação do site "Poder360".

Reunião do Fed

Hoje, às 17h, o Fed decide sobre juros, nos Estados Unidos. É esperada a manutenção das taxas, mas previa-se que o banco central americano poderia sinalizar um aperto monetário maior nas próximas reuniões.

O resultado das eleições legislativas sugere que, com os democratas funcionando como um freio à política expansionista de Trump, essa sinalização pode não ocorrer.

Além da reunião do Fed, nos EUA são divulgados também os dados do auxílio-desemprego, às 11h30, com previsão de mais 210 mil pedidos.

Por aqui, temos apenas a prévia do IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor-Semanal), às 8 horas.

Além disso, temos balanços de diversas companhias, como BB, Azul, B3, Natura, Copel, Equatorial, Sabesp, Cyrela, Gafisa, Qualicorp e CVC; e teleconferências de BRF e Múltiplus (10h), MRV, Ultrapar e Carrefour (11h), CSN (12h), Cosan (14h) e Azul (15h).

Saiba o que esperar dos balanços a serem divulgados hoje.

*Com informações do Bom Dia Mercado, de Rosa Riscala. Para ler o Bom Dia Mercado na íntegra, acesse www.bomdiamercado.com.br

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

nova abertura de capital

Com preço da ação no piso, Melnick, da Even, movimenta mais de R$ 700 milhões em IPO

A empresa divulgou os planos para sua abertura de capital na B3 em julho e é a 15ª empresa a realizar abertura de capital na bolsa em 2020

reparação histórica

MPT rejeita denúncias de racismo contra Magazine Luiza por programa para negros

Para o MPT, não houve violação trabalhista, mas sim uma ação afirmativa de reparação histórica

seu dinheiro na sua noite

O Abaporu da bolsa

Tarsila do Amaral pintou em 1928 uma figura de traços relativamente simples. Com a cabeça diminuta e os pés gigantes, ela surge nua tendo por companhia apenas o sol a pino e um enorme cacto. Foi só depois da reação empolgada do marido Oswald de Andrade que a artista veio a batizar o quadro de […]

Um outro olhar

Investidores mudam o foco, dólar cai e Ibovespa vive dia de forte recuperação

Bolsa recupera terreno e fecha em alta de 1,33%; dólar retorna a R$ 5,51 com reação a sinalizações de banqueiros centrais

fintech do Mercado Livre

Mercado Pago recebe aporte de R$ 400 milhões do Goldman Sachs

Os recursos têm como destino a divisão de crédito da instituição, o Mercado Crédito, e servirão para expandir a oferta de crédito para pequenos e médios vencedores que usam o Mercado Pago e o Mercado Livre

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements