Menu
2018-11-08T17:43:00-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
EUA

Fed mantém juros nos EUA e todo foco recai sobre a reunião de dezembro

Banco Central americano mantém taxa básica entre 2% e 2,25% e reafirma a necessidade de novos ajustes graduais

8 de novembro de 2018
17:43
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve
Jerome Powell, presidente do Federal Reserve -

Nada fora do script na decisão desta quinta-feira do Federal Reserve (Fed), banco central americano. A taxa básica foi mantida entre 2% e 2,25% ao ano, e novos ajustes graduais são esperados.

Apesar do conteúdo bastante neutro do comunicado apresentado após a reunião, a reação do dólar e dos juros nos EUA nos permite dizer que a interpretação é de um tom duro (hawkish) na comunicação. O DXY, que mede o comportamento do dólar ante uma cesta de moedas, acentuou alta para a linha dos 96,5 pontos. No mercado de ações, no entanto, a reação foi pouco expressiva, com o Dow Jones orbitando a estabilidade e o S&P 500 seguindo em baixa, na casa dos 0,3%.

O próximo encontro do Fed acontece nos dias 18 e 19 de dezembro, seguido de novas projeções para inflação e crescimento e de uma coletiva de imprensa do presidente Jerome Powell. Para essa reunião, o consenso de mercado é de novo aperto de 0,25 ponto percentual. O ajuste de alta começou no fim de 2016.

A única mudança no comunicado apresentado hoje em comparação com o de setembro está na avaliação com relação aos investimentos (business fixed investment) que apresentaram “moderação” em comparação com o rápido crescimento visto no começo do ano.

O consumo das famílias continua com desempenho forte e a inflação permanece em linha com a meta de 2%, com um balanço de risco equilibrado. O Fed não tratou da recente volatilidade dos mercados, algo que deve ficar para a ata, nem da piora nas condições financeiras no mercado americano.

A grande questão  é até onde vai esse movimento de alta do juro americano e qual impacto disso na economia mundial. A discussão que se desenrola dentro do Fed é se será necessário, ou não, deixar a política monetária restritiva para que a inflação não escape da meta de 2% em um ambiente de crescimento acelerado.

Essa questão importa e muito para o Brasil e demais economias emergentes, pois quanto mais longe o Fed for no seu ajuste, maior a realocação de capital para os EUA, que garante um ganho maior e em dólar para os investidores que aportarem recursos por lá. Para 2019, as projeções se alternam entre outras três ou quatro altas.

Quem não gostou e vai continuar não gostando dessa atuação do Fed é o presidente Donald Trump, que tem feito repetidos ataques ao presidente Jerome Powell.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

seu dinheiro na sua noite

As incertezas da vez

Não sei vocês, mas desde que a pandemia de coronavírus começou, minha vida e rotina mudaram tanto, que tem estado difícil fazer planos para o futuro e ter boas perspectivas, do ponto de vista pessoal e social. Entrei no modo “um dia de cada vez”, já que ainda não temos uma data certa de quando […]

FECHAMENTO

Do céu ao inferno: Incertezas com vacinação pesam, Ibovespa derrapa e vai na contramão de NY

Enquanto o otimismo predominava nas bolsas americanas, por aqui as incertezas sobre a efetividade da campanha de vacinação contra a covid-19 se acumulavam

empresário bolsonarista

Luciano Hang, dono da Havan, está internado com covid-19 em São Paulo

Hang, ao lado de outros empresários bolsonaristas, tem promovido tratamentos sem comprovação científica como forma de prevenção à covid-19

dados da anp

Produção da Petrobras em dezembro fica abaixo dos 2 milhões de barris diários

Somada ao gás natural, a produção da estatal em dezembro ficou em 2,545 milhões de barris de óleo equivalente por dia,

lista do bc

Inter, Itaú e Caixa lideram ranking de reclamações contra 10 maiores bancos

Índice de reclamações é calculado com base no número de reclamações consideradas procedentes, dividido pelo número de clientes da instituição, multiplicado por 1.000.000

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies