🔴 FONTE DE RENDA EXTRA COM APENAS 1 CLIQUE – CONHEÇA AQUI

Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

A tal da curva invertida no mercado americano

Juros de curto prazo estão acima dos de longo prazo nos EUA fenômeno que vem chamando atenção e trazendo turbulência aos mercados

Eduardo Campos
Eduardo Campos
4 de dezembro de 2018
17:38 - atualizado às 18:28
Imagem: Shutterstock

O alívio trazido pela trégua na guerra comercial entre Estados Unidos e China parece ter durado pouco e os mercados externos tiveram uma acentuada piora no decorrer desta terça-feira, com reflexo sobre os negócios no mercado local.

Entre os motivos, dúvidas sobre os termos desse acordo de paz entre Donald Trump e os chineses, incertezas sobre o Brexit e também uma movimentação pouco usual no mercado de títulos dos Estados Unidos.

Vamos centrar atenção sobre a curva de juro americana, que vem dando sustos por diferentes motivos ao longo do ano. Em outubro, a preocupação era com a alta da taxa do título do Tesouro (Treasury) de 10 anos, que estava acima dos 3,2%, fazendo máximas não vistas desde 2011. No momento, a preocupação era com uma atuação mais forte do Federal Reserve (Fed), banco central americano, na elevação dos juros.

Agora, o quadro é diferente. As taxas estão recuando, e o papel de 10 anos tem um retorno (yield) de 2,9%. O que está subindo é a taxa dos papéis de curto prazo, como os de dois, três e cinco anos.

O fenômeno é conhecido como inversão da curva de juros e é temido, pois antecede recessões na economia americana. As últimas sete recessões foram precedidas desse movimento da curva. Vale lembrar que a temida curva invertida não seria a causa da recessão, mas um sintoma do que está por vir.

O gráfico abaixo mostra as taxas dos títulos de dois anos e de 10 anos. As áreas cinzas são recessões na economia americana. A ferramente (FRED) é do Federal Reserve de St.Louis e o gráfico é interativo.

O fenômeno pode ser lido como uma questão de expectativas. Antevendo uma desaceleração da economia ou tempos mais difícil pela frente, os investidores tentam se proteger e fazem isso aumentando a demanda por papéis mais longos do Tesouro americano. Quanto maior a demanda, menor a taxa de retorno (yield). No outro lado, a demanda pelos papéis de curto prazo cai, o que eleva a taxa de retorno (yield) desses ativos.

Nesta terça, a diferença entre a taxa do papel de 10 anos e o de dois anos caiu para apenas 13 pontos-base, menor distância dos últimos 11 anos. Essa a relação mais acompanhada pelo mercado.

Outra relação que entrou no radar foi a do papel de cinco anos, que registrou uma taxa de retorno cerca de 1,4 ponto, menor que a dos títulos de três anos. Reforçando a preocupação com esse fenômeno de inversão da curva de juros.

Se teremos uma recessão nos EUA ninguém sabe com certeza. O que pode estar acontecendo é um novo ajuste nas expectativas com relação ao ciclo de alta de juros pelo Fed. As apostas eram de até quatro elevações ao longo de 2019.

Mas as avaliações começaram a ser revistas depois que do presidente do Jerome Powell falou que a taxa já estaria próxima do considerado neutro e o colegiado do BC americano deixou de falar em deixar a política monetária restritiva para conter o ritmo da atividade e segurar eventual pressão inflacionária.

O Fed tem sua última reunião de 2018 no dia 19 de dezembro, quando pode dar melhor orientação sobre sua avaliação prospectiva ao mercado.

Compartilhe

DEU RUIM!

Powell derruba as bolsas mundo afora ao dar um alerta que o mercado não queria ouvir — veja o recado do presidente do Fed em Jackson Hole

26 de agosto de 2022 - 12:26

O tão aguardado discurso do chefão do maior banco central do mundo aconteceu depois da divulgação de dados que mostraram que a inflação perdeu força nos EUA e, ainda assim, os investidores não gostaram do que ouviram; entenda por quê

Ajuste na carteira

De olho no fim da alta dos juros, Itaú BBA recomenda menos prefixados curtos e mais Tesouro IPCA+ 2035 no Tesouro Direto

11 de agosto de 2022 - 13:25

Após rali recente dos prefixados, banco sugere venda para realizar ganhos e compra de papéis mais longos

Eles estão indo bem!

Tesouro Direto: títulos preferidos de analistas e gestores têm alta no ano e vivem rali – e ainda há espaço para mais

8 de agosto de 2022 - 6:30

Para além do Tesouro Selic, prefixados e Tesouro IPCA+ de prazos curtos estão se saindo bem de forma talvez até meio surpreendente – mas tem explicação!

aperte o play!

Onde investir com o fim da alta dos juros no Brasil: com a Selic chegando ao topo, é hora de mudar algo na carteira?

6 de agosto de 2022 - 7:00

No podcast Touros e Ursos da semana, o debate é sobre como ajustar a carteira de investimentos ao fim do ciclo de alta dos juros, que se já não chegou, está realmente muito perto

JUROS (AINDA) MAIS ALTOS

Copom eleva a Selic em mais meio ponto, a 13,75%, e avisa os passageiros: o avião dos juros está quase em altitude de cruzeiro

3 de agosto de 2022 - 18:35

Conforme projetado pelo mercado, a Selic chegou a 13,75% ao ano; veja os detalhes da decisão de juros do Copom

INSIGHTS ASSIMÉTRICOS

O ciclo de alta da Selic está perto do fim – e existe um título com o qual é difícil perder dinheiro mesmo se o juro começar a cair

2 de agosto de 2022 - 5:58

Quando o juro cair, o investidor ganha porque a curva arrefeceu; se não, a inflação vai ser alta o bastante para mais do que compensar novas altas

Também tem risco!

Melhor momento para investir em renda fixa ainda está por vir – mas convém evitar emissores desses setores

28 de julho de 2022 - 21:02

Ulisses Nehmi, da Sparta, e Marcelo Urbano, da Augme, gestoras especializadas em crédito privado, falam das perspectivas para a renda fixa e os setores mais promissores ou arriscados

Insights Assimétricos

O Fed entre os juros e a inflação: por que estamos na semana mais importante de julho?

26 de julho de 2022 - 7:11

O Federal Reserve (Fed) se vê entre a cruz e a espada: subir juros de um jeito agressivo e afetar a economia, ou deixar a inflação alta?

APERTO MONETÁRIO

Surpresa #sqn: Por que o Banco Central Europeu não pega o mercado desprevenido nem mesmo quando surpreende

21 de julho de 2022 - 11:34

BCE elevou a taxa de juro mais do que vinha antecipando; em compensação, lançou um programa de compra de títulos para evitar a chamada ‘fragmentação’

TREASURIES NA BERLINDA

Por que a China e o Japão estão se desfazendo – em grande escala – de títulos do Tesouro do Estados Unidos

20 de julho de 2022 - 14:30

Volume de Treasuries em poder da China e do Japão estão nos níveis mais baixos em anos com alta da inflação e aumento dos juros nos EUA

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies

Continuar e fechar