Menu
2018-12-04T18:28:36-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Mercados

A tal da curva invertida no mercado americano

Juros de curto prazo estão acima dos de longo prazo nos EUA fenômeno que vem chamando atenção e trazendo turbulência aos mercados

4 de dezembro de 2018
17:38 - atualizado às 18:28
Grafico-curvas-
Imagem: Shutterstock

O alívio trazido pela trégua na guerra comercial entre Estados Unidos e China parece ter durado pouco e os mercados externos tiveram uma acentuada piora no decorrer desta terça-feira, com reflexo sobre os negócios no mercado local.

Entre os motivos, dúvidas sobre os termos desse acordo de paz entre Donald Trump e os chineses, incertezas sobre o Brexit e também uma movimentação pouco usual no mercado de títulos dos Estados Unidos.

Vamos centrar atenção sobre a curva de juro americana, que vem dando sustos por diferentes motivos ao longo do ano. Em outubro, a preocupação era com a alta da taxa do título do Tesouro (Treasury) de 10 anos, que estava acima dos 3,2%, fazendo máximas não vistas desde 2011. No momento, a preocupação era com uma atuação mais forte do Federal Reserve (Fed), banco central americano, na elevação dos juros.

Agora, o quadro é diferente. As taxas estão recuando, e o papel de 10 anos tem um retorno (yield) de 2,9%. O que está subindo é a taxa dos papéis de curto prazo, como os de dois, três e cinco anos.

O fenômeno é conhecido como inversão da curva de juros e é temido, pois antecede recessões na economia americana. As últimas sete recessões foram precedidas desse movimento da curva. Vale lembrar que a temida curva invertida não seria a causa da recessão, mas um sintoma do que está por vir.

O gráfico abaixo mostra as taxas dos títulos de dois anos e de 10 anos. As áreas cinzas são recessões na economia americana. A ferramente (FRED) é do Federal Reserve de St.Louis e o gráfico é interativo.

O fenômeno pode ser lido como uma questão de expectativas. Antevendo uma desaceleração da economia ou tempos mais difícil pela frente, os investidores tentam se proteger e fazem isso aumentando a demanda por papéis mais longos do Tesouro americano. Quanto maior a demanda, menor a taxa de retorno (yield). No outro lado, a demanda pelos papéis de curto prazo cai, o que eleva a taxa de retorno (yield) desses ativos.

Nesta terça, a diferença entre a taxa do papel de 10 anos e o de dois anos caiu para apenas 13 pontos-base, menor distância dos últimos 11 anos. Essa a relação mais acompanhada pelo mercado.

Outra relação que entrou no radar foi a do papel de cinco anos, que registrou uma taxa de retorno cerca de 1,4 ponto, menor que a dos títulos de três anos. Reforçando a preocupação com esse fenômeno de inversão da curva de juros.

Se teremos uma recessão nos EUA ninguém sabe com certeza. O que pode estar acontecendo é um novo ajuste nas expectativas com relação ao ciclo de alta de juros pelo Fed. As apostas eram de até quatro elevações ao longo de 2019.

Mas as avaliações começaram a ser revistas depois que do presidente do Jerome Powell falou que a taxa já estaria próxima do considerado neutro e o colegiado do BC americano deixou de falar em deixar a política monetária restritiva para conter o ritmo da atividade e segurar eventual pressão inflacionária.

O Fed tem sua última reunião de 2018 no dia 19 de dezembro, quando pode dar melhor orientação sobre sua avaliação prospectiva ao mercado.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

estudos para RS, RJ e CE

Neoenergia estuda o desenvolvimento de projetos eólicos offshore no Brasil

Segundo o presidente, Mario José Ruiz-Tagle Larrain, a companhia está desenvolvendo estudos preliminares para projetos no Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Ceará

popular aplicativo

TikTok pede a juiz federal dos EUA audiência sobre aplicativo banido

Os advogados da empresa argumentam que a medida viola a liberdade de expressão e o devido processo legal

balanço da doença

Brasil acumula 4,6 milhões de casos e 138,9 mil mortes por covid-19

Nas últimas 24 horas, foram registrados 869 novos óbitos. Ontem, o total estava em 138.108. As autoridades de saúde ainda investigam 2.422 mortes que podem ou não estar relacionadas à doença

seu dinheiro na sua noite

Já deu o que tinha que dar

Caro leitor, Quando a pandemia de coronavírus explodiu e os bancos centrais do mundo passaram a reduzir fortemente os juros, muitos economistas e analistas de mercado questionaram os limites da política monetária naquele caso. Afinal, não se tratava de uma crise financeira, como foi a de 2008, nem de uma crise econômica comum. Estávamos diante […]

Roubando a cena

Dólar dispara mais de 2% com aversão ao risco e tem 4ª sessão seguida de alta; bolsa cai

Dólar passou voando pela marca de R$ 5,50 e por pouco não bateu R$ 5,60; Ibovespa acompanhou sinal negativo vindo de Wall Street e perdeu piso de 96 mil pontos

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements