Menu
2018-12-05T17:13:28-02:00
Vinícius Pinheiro
Vinícius Pinheiro
Formado em jornalismo, com MBA em Derivativos e Informações Econômico-Financeiras pela FIA. Trabalhou por 18 anos nas principais redações do país, como Agência Estado/Broadcast, Gazeta Mercantil e Valor Econômico. É coautor do ensaio “Plínio Marcos, a crônica dos que não têm voz" (Boitempo) e escreveu os romances “O Roteirista” (Rocco), “Abandonado” (Geração) e "Os Jogadores" (Planeta).
Transição

Acha que o governo Bolsonaro tem dado declarações desencontradas? O Secretário do Tesouro concorda

Mansueto Almeida garantiu, porém, que há um claro compromisso com a agenda de ajuste fiscal, privatizações e abertura comercial da gestão que toma posse no dia 1º de janeiro

5 de dezembro de 2018
12:12 - atualizado às 17:13
111
Imagem: Divulgação/Western

Você acha que a equipe do presidente eleito Jair Bolsonaro tem dado declarações desencontradas? Pois você não está sozinho. O secretário do Tesouro Nacional, Mansueto Almeida, reconheceu que há de fato uma certa confusão nos anúncios do novo governo.

Ele garantiu, porém, que há um claro compromisso com a agenda de ajuste fiscal, privatizações e abertura comercial da gestão que toma posse no dia 1º de janeiro.

O secretário do Tesouro, que permanecerá no cargo no novo governo, falou com os jornalistas depois de participar de um evento promovido pela gestora Western Asset hoje em São Paulo. E disse que a proposta de reforma da Previdência deve ser apresentada pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, entre fevereiro e março do ano que vem.

"Não tem muito mistério, qualquer proposta de reforma deve ter o estabelecimento de idade mínima e regra de transição e algumas coisas que já estavam na reforma do [governo] Temer", disse Mansueto Almeida.

Para o secretário, as arestas na comunicação da equipe de Bolsonaro devem ser aparadas assim que o governo efetivamente começar, em janeiro.

"Apesar de algumas declarações desencontradas, o cenário do governo que começa é muito claro. É um cenário de privatização e concessão, maior abertura comercial e ajuste fiscal."

Mansueto afirmou que o governo está "preso" legalmente ao ajuste fiscal, já que qualquer mudança que comprometa a trajetória de acerto das contas públicas demandaria mudança na Constituição.

"Fazer ajuste fiscal é sempre muito difícil, mas o governo tem apoio popular e, se tiver boa base no Congresso, pode aprovar as reformas."

O secretário destacou ainda que algumas mudanças, como a abertura comercial, não necessitam de aprovação do Legislativo para serem implementadas.

Cessão onerosa

A aprovação do projeto de lei da cessão onerosa deve mesmo ficar para o ano que vem, segundo Mansueto Almeida. Uma das dificuldades na negociação da divisão com Estados e municípios dos recursos arrecadados é que ainda não se sabe quais os valores envolvidos.

Mas ele disse que o leilão das áreas da cessão onerosa poderá acontecer no ano que vem mesmo que o projeto de Lei não seja aprovado neste ano.

"É difícil fazer esse debate em três semanas, mas não existe restrição para a aprovação do projeto no ano que vem", afirmou Mansueto.

E você, concorda com o Mansueto Almeida? Dê sua opinião nos comentários abaixo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

seu dinheiro na sua noite

Expectativa vs. realidade

Quando eu estava na terceira série do ensino médio, o coordenador do curso deu um alerta aos alunos: em geral os estudantes agem como se o vestibular fosse o objetivo final, e quando passam têm aquela sensação de “ah! Nunca mais vou precisar estudar!” Mas é depois do vestibular que a coisa começa a ficar […]

mudança nas estruturas

Acionistas da Cosan aprovam reorganização societária

Com isso, Cosan Logística e Cosa Limited serão incorporadas pela Cosan

FECHAMENTO DA SEMANA

Ano novo, vida velha: Ibovespa recua e dólar sobe mais de 2% com piora do cenário fiscal e avanço da covid-19

Semana foi negativa para os mercados brasileiros mesmo após a aprovação de vacinas e entusiasmo com Biden no exterior

preocupação

Ex-BCs dizem que atraso na vacinação preocupa por pressão fiscal

Carlos Viana disse não ver uma mudança estrutural no processo inflacionário no País, onde, assim como a atual direção do BC, vê como temporário os choques de preços

pandemia

Anvisa aprova segundo lote da vacina CoronaVac

Diferença da análise do segundo lote para o primeiro está no fato de que o envase e os processos de rotulagem e embalagem ocorrem no Instituto Butantan

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies