2019-04-20T15:48:21-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Atolado

A crise continua a assombrar os alugueis de salas comerciais – e o preço segue em queda

Nos últimos 12 meses até setembro, valor dos aluguéis de venda de salas comerciais de até 200 metros quadrados caíram cerca de 7%, aponta FipeZap

23 de outubro de 2018
10:59 - atualizado às 15:48
Imóveis em são paulo
Aluguel de salas comerciais de até 200 metros quadrados caíram cerca de 7% Imagem: Shutterstock

A crise continua assombrando o mercado de locação e venda de imóveis comerciais, apesar da economia brasileira ter tecnicamente saído da recessão.

Em 12 meses até setembro, o valor dos aluguéis e os preços de venda de salas comerciais de até 200 metros quadrados caíram cerca de 7%, já descontada a inflação do período, aponta o índice FipeZap, divulgado nesta terça-feira, 23.

Nos últimos anos, desde setembro de 2013, o tombo foi ainda maior. Os aluguéis comerciais caíram 42,5% em termos reais e os preços de compra e venda recuaram 31,6%, também descontada a inflação.

No mês passado, os preços de venda das salas comerciais caíram, em média, 0,54%, superando a inflação oficial do país para o período, que foi de 0,48%, de acordo com o IPCA do IBGE. Das quatro cidades pesquisadas, apenas em Porto Alegre houve um ligeiro aumento, de 0,13%, no preço de venda, e ainda sem descontar a inflação.

Nos aluguéis, o quadro de retração do mercado de compra e venda se repetiu. Em setembro, o valor nominal da locação, isto é sem descontar a inflação, caiu, em média, 0,57%. O recuo ocorreu em todas as praças pesquisadas.

Não é de hoje

Desde 2013, o valor dos aluguéis em 12 meses corre abaixo da inflação. No caso de compra e venda, essa situação ocorre desde 2014. Para um período mais longo, o economista da Fipe explica que, num primeiro momento, uma grande oferta de salas comerciais depreciou os preços dos imóveis comerciais, tanto para locação como para compra e venda. Com a recessão, a crise no setor se acentuou.

No caso de compra e venda, essa situação ocorre desde 2014. Para um período mais longo, o economista da Fipe explica que, num primeiro momento, uma grande oferta de saletas comerciais depreciou os preços dos imóveis comerciais, tanto para locação como para compra e venda. Com a recessão, a crise no setor se acentuou.

A retomada

O momento atual, que é de retomada, geralmente é mais demorado para o setor imobiliário comparado a outros setores, diz o economista.

"O setor imobiliário normalmente é o último da fila: primeiro os empresários precisam ver uma reação na demanda, para depois disso começar a contratar funcionários e finalmente ampliar as instalações", diz Oliva.

Ele acredita que a incerteza do quadro político atual certamente tem retardado a retomada do mercado imobiliário. E a perspectiva, segundo o economista, é que esse cenário continue no ano que vem. "Talvez os preços parem de cair, mas não estou tão otimista. Haverá muita incerteza em 2019."

Quem dá mais?

No mês passado, o valor médio do metro quadrado para compra e venda nos quatro municípios monitorados pelo Índice FipeZap foi de R$ 9.486. Para locação, o valor médio do aluguel ficou em R$ 39,31 por metro quadrado.

O Rio de Janeiro se manteve como a cidade com o maior preço médio de venda, de R$ 10.272 por metro quadrado. Já São Paulo se destacou como o maior preço médio de locação, com R$ 42,45 por metro quadrado.

Com o recuo nos preços de venda e de locação, a pesquisa mostra também que o investimento em imóveis comerciais deixou de ser um bom negócio nos últimos anos.

Desde 2014, o retorno oferecido pelo imóveis foi inferior à rentabilidade do Certificado de Depósito Interbancário (CDI), diferencial que se acentuou desde 2015. Nos últimos 12 meses, a rentabilidade média do CDI foi 6,7%, enquanto a renda dos imóveis comerciais (aluguel e valorização do ativo) foi de 1,8%, em média, no mesmo período, aponta a Fipe

*Com Estadão Conteúdo

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

VAGAS DA SEMANA

Nubank está com mais de 30 vagas abertas; confira as principais oportunidades da semana

As vagas de emprego na fintech são para as áreas de finanças, tecnologia e produtos, além dos programas exclusivos para negros e PCDs

Estatal sob investigação

Petrobras (PETR4) é alvo de mais uma investigação: MP-RJ suspeita de improbidade no reajuste dos combustíveis

A estatal já está envolvida em onze processos comandados pelo Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE)

QUANDO PARECE QUE VAI ANDAR…

Terceira via congestionada: Impasse regional entre MDB e PSDB trava anúncio de Tasso como vice de Simone Tebet

Aliados de Simone Tebet no MDB gaúcho e também líderes tucanos cobram que a senadora assuma pessoalmente a articulação, mas ela resiste

CAPTANDO DINHEIRO

CVC (CVCB3) capta R$ 402,8 milhões em oferta de ações, mas precisa aceitar um desconto pesado

O preço por ação na oferta da CVC foi de R$ 7,70 por papel, o que representa um desconto de 13,3% na comparação com o fechamento de ontem

MERCADOS AO VIVO

Bolsa hoje: Ruídos fiscais afastam Ibovespa de Nova York, mas bolsa volta a ganhar fôlego; dólar vai a R$ 5,26

RESUMO DO DIA: O último pregão da semana é marcado pelo apetite de risco dos investidores, que passaram por dias de alta volatilidade nas bolsas. Sem maiores destaques para o dia no exterior, os índices sobem, digerindo as falas de representantes dos bancos centrais. Por aqui, o destaque do Ibovespa vai para a divulgação do […]

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies