2018-10-31T14:55:30-03:00
Fluxo Cambial

Entrada de dólar voltou a superar saída no país na semana passada

Entre os dias 22 a 26 de outubro, quarta semana do mês, o fluxo cambial ficou positivo em US$ 706 milhões

31 de outubro de 2018
14:55

Após duas semanas em que a saída de dólar superou a entrada da moeda no país, o movimento voltou a se inverter. Mas ainda de forma pouco expressiva.

Entre os dias 22 a 26 de outubro, quarta semana do mês, o fluxo cambial ficou positivo em US$ 706 milhões, informou o Banco Central nesta quarta-feira, 31. Na semana anterior, o BC divulgou fluxo cambial negativo em US$ 2,120 bilhões.

O canal financeiro apresentou saída líquida de US$ 144 milhões no período, resultado de aportes no valor de US$ 12,518 bilhões e de envios no total de US$ 12,662 bilhões.

No comércio exterior, o saldo na semana passada ficou positivo em US$ 850 milhões, com importações de US$ 4,271 bilhões e exportações de US$ 5,121 bilhões. Nas exportações, estão incluídos US$ 959 milhões em ACC, US$ 1,788 bilhão em PA e US$ 2,375 bilhões em outras entradas.

No mês

Depois de encerrar setembro com saídas líquidas de US$ 6,138 bilhões, o País registra fluxo cambial positivo de US$ 857 milhões em outubro até o dia 26, informou o Banco Central. O montante reflete as operações registradas nas quatro primeiras semanas do mês.

O canal financeiro apresentou entradas líquidas de US$ 514 milhões no período. Isso é resultado de aportes no valor de US$ 43,063 bilhões e de retiradas no total de US$ 42,549 bilhões.

No comércio exterior, o saldo de outubro até o dia 26 é positivo em US$ 343 milhões, com importações de US$ 14,340 bilhões e exportações de US$ 14,683 bilhões. Nas exportações, estão incluídos US$ 2,491 bilhões em ACC, US$ 5,031 bilhões em PA e US$ 7,161 bilhões em outras entradas.

No ano

O fluxo cambial do ano até o dia 26 de outubro ficou positivo em US$ 18,897 bilhões, informou nesta quarta-feira, 31, o Banco Central. Em igual período do ano passado, o resultado era positivo em US$ 10,170 bilhões.

A saída pelo canal financeiro neste ano até 26 de outubro foi de US$ 18,489 bilhões. O resultado é fruto de aportes no valor de US$ 414,597 bilhões e de envios no total de US$ 433,086 bilhões. O segmento reúne os investimentos estrangeiros diretos e em carteira, remessas de lucro e pagamento de juros, entre outras operações.

*Com Estadão Conteúdo

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Clique aqui e receba a nossa newsletter diariamente
Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

App da Pi

Aplique de forma simples, transparente e segura

Dê o play!

Com a Selic acima de 10%, quais os próximos passos do BC? O podcast Touros e Ursos debate o futuro da taxa de juros

No podcast Touros e Ursos desta semana, a equipe do SD discutiu o cenário para a Selic e o BC em 2022. Até onde o Copom vai subir os juros?

Sinal amarelo

Marfrig (MRFG3) confirma participação em oferta da BRF (BRFS3), mas não poderá assumir o controle da empresa; entenda

Segundo um comunicado enviado à Comissão de Valores Mobiliários hoje, as compras da Marfrig estarão limitadas a sua participação acionária atual

SEU DINHEIRO NA SUA NOITE

Ibovespa no azul apesar da volatilidade, bitcoin no vermelho e imbróglios com FII e Oi: o que marcou o mercado nesta sexta

Numa semana marcada pela escalada das tensões entre Rússia e Ucrânia, decisão de juros nos Estados Unidos e um discurso mais hawkish (duro contra a inflação) por parte do presidente do banco central americano, Jerome Powell, o Ibovespa conseguiu, mais uma vez, acumular alta. E as bolsas americanas – pasme – também. A sexta-feira (28) […]

DESINVESTIMENTOS

Em negócio bilionário, Petrobras (PETR4) vende ativos na Bacia Potiguar para subsidiária da 3R Petroleum (RRRP3); saiba quanto entrou nos cofres da estatal

A bola da vez é um conjunto de 22 concessões de campos de produção terrestre e de águas rasas, juntamente à sua infraestrutura de processamento, refino, logística, armazenamento, transporte e escoamento

SACO DE PANCADAS PRESIDENCIAL

Petrobras (PETR4) recua quase 4% após críticas de Lula; petista condenou pagamento de dividendos e política de preços da estatal

Embalados pela alta do petróleo, os papéis operavam em alta mais cedo, mas, após a nova rajada de críticas, passaram a registrar uma queda brusca