Menu
2018-10-24T12:59:32-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Mais de US$ 2 bilhões saíram do país na semana passada

Fluxo cambial mostrou firme saída na conta financeira, mas isso não fez preço no mercado

24 de outubro de 2018
12:59

Pela segunda semana consecutiva a saída de dólares superou a entrada no mercado físico de moeda do Brasil. Segundo o Banco Central (BC), o fluxo cambial foi negativo em US$ 2,120 bilhões na semana passada.

Com isso, o resultado do mês cai para magros US$ 151 milhões positivos, mas no ano a sobra é de US$ 18,2 bilhões, contra US$ 8,758 bilhões em igual período do ano passado.

A saída ficou concentrada na conta financeira, que capta investimentos e movimentações de mercado, com retirada de US$ 2 bilhões na semana encerrada dia 19. A conta comercial também foi negativa, mas em apenas US$ 118 milhões.

Evidenciando que fluxo não faz preço na conjuntura atual, a quarta-feira, dia 17, teve saída líquida de US$ 1,320 bilhão, e foi justamente nesse dia que o dólar comercial perdeu a linha de R$ 3,70 e foi testar o patamar de R$ 3,66, antes de fechar a R$ 3,6852, menor cotação desde maio. No acumulado da semana, o dólar perdeu 1,3%.

A formação de preço segue atrelada à questão eleitoral e ao comportamento do mercado externo, sendo pouco relevante a movimentação do fluxo cambial efetivo. Por vezes, a expectativa de fluxo tem algum impacto no preço.

Mercado futuro

Posso parecer repetitivo, mas sempre vale lembrar que a formação de preço do dólar ocorre no mercado futuro, onde os investidores montam apostas direcionais e protegem suas exposições. Isso acontece em função das limitações para diversos tipos de operação com moeda à vista.

Não por acaso, na mesma quarta-feira, dia 17, foi registrada uma grande redução de posição comprada, na casa de US$ 1,2 bilhão, por parte do investidor estrangeiro.

No entanto, entre segunda e terça-feira desta semana, os estrangeiros remontaram a posição que tinham desfeito em parte da semana passada, somando mais de US$ 1,2 bilhão em contratos de dólar futuro e cupom cambial (DDI – juro em dólar).

Assim, a posição comprada do gringo, que pode ser vista como uma aposta de alta no dólar, subiu a R$ 38,4 bilhões, uma das maiores do mês e entre as maiores do ano.

Na ponta de venda estão os bancos e investidores institucionais (fundos de investimento). Os bancos estão vendidos em US$ 16,9 bilhões, e os fundos em US$ 23,6 bilhões.

Ao longo do mês os bancos vêm reduzindo o tamanho da posição vendida, que tinha encerrado setembro acima de US$ 22 bilhões. Já os fundos chegaram a registrar uma posição de US$ 12 bilhões no começo do mês.

 

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Empréstimos sem autorização

C6 Bank é notificado pelo Procon-SP por operações de crédito não solicitadas

O órgão afirma que foram registradas 149 queixas contra o C6 no mês passado e comparou com maio, quando apenas uma reclamação foi registrada

Retomada

BR Distribuidora, Cosan e Ultrapar: o que esperar dos resultados do terceiro trimestre

Depois de ficarem com os postos às moscas no auge da pandemia do coronavírus, as distribuidoras de combustíveis devem voltar a ter resultados melhores, segundo o Credit Suisse

Destaques da bolsa

Ações de bancos disparam em dia de volta do Ibovespa aos 100 mil pontos

Papéis de BTG Pactual e Bradesco estão entre as cinco maiores altas do índice neste momento; ações de BB, Itaú e Santander também sobem forte

Aegea vence leilão de concessão de esgotamento sanitário de Cariacica e Viana, no Espírito Santo

Empresa terá de universalizar acesso à rede de esgoto até o décimo ano de contrato

Leilão do 5G

Embaixada da China do Brasil sai em defesa da Huawei em meio à pressão americana

Mais cedo, a delegação de autoridades americanas que visitam Brasília afirmou que os Estados Unidos estão dispostos a financiar investimentos no setor de telecomunicações brasileiro para evitar a participação da empresa chinesa no leilão

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies