Menu
Dados da Bolsa por TradingView
2018-10-24T12:59:32-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Mais de US$ 2 bilhões saíram do país na semana passada

Fluxo cambial mostrou firme saída na conta financeira, mas isso não fez preço no mercado

24 de outubro de 2018
12:59

Pela segunda semana consecutiva a saída de dólares superou a entrada no mercado físico de moeda do Brasil. Segundo o Banco Central (BC), o fluxo cambial foi negativo em US$ 2,120 bilhões na semana passada.

Com isso, o resultado do mês cai para magros US$ 151 milhões positivos, mas no ano a sobra é de US$ 18,2 bilhões, contra US$ 8,758 bilhões em igual período do ano passado.

A saída ficou concentrada na conta financeira, que capta investimentos e movimentações de mercado, com retirada de US$ 2 bilhões na semana encerrada dia 19. A conta comercial também foi negativa, mas em apenas US$ 118 milhões.

Evidenciando que fluxo não faz preço na conjuntura atual, a quarta-feira, dia 17, teve saída líquida de US$ 1,320 bilhão, e foi justamente nesse dia que o dólar comercial perdeu a linha de R$ 3,70 e foi testar o patamar de R$ 3,66, antes de fechar a R$ 3,6852, menor cotação desde maio. No acumulado da semana, o dólar perdeu 1,3%.

A formação de preço segue atrelada à questão eleitoral e ao comportamento do mercado externo, sendo pouco relevante a movimentação do fluxo cambial efetivo. Por vezes, a expectativa de fluxo tem algum impacto no preço.

Mercado futuro

Posso parecer repetitivo, mas sempre vale lembrar que a formação de preço do dólar ocorre no mercado futuro, onde os investidores montam apostas direcionais e protegem suas exposições. Isso acontece em função das limitações para diversos tipos de operação com moeda à vista.

Não por acaso, na mesma quarta-feira, dia 17, foi registrada uma grande redução de posição comprada, na casa de US$ 1,2 bilhão, por parte do investidor estrangeiro.

No entanto, entre segunda e terça-feira desta semana, os estrangeiros remontaram a posição que tinham desfeito em parte da semana passada, somando mais de US$ 1,2 bilhão em contratos de dólar futuro e cupom cambial (DDI – juro em dólar).

Assim, a posição comprada do gringo, que pode ser vista como uma aposta de alta no dólar, subiu a R$ 38,4 bilhões, uma das maiores do mês e entre as maiores do ano.

Na ponta de venda estão os bancos e investidores institucionais (fundos de investimento). Os bancos estão vendidos em US$ 16,9 bilhões, e os fundos em US$ 23,6 bilhões.

Ao longo do mês os bancos vêm reduzindo o tamanho da posição vendida, que tinha encerrado setembro acima de US$ 22 bilhões. Já os fundos chegaram a registrar uma posição de US$ 12 bilhões no começo do mês.

 

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Coluna do jojo

Mercados hoje: Em terra de Copom, quem sobe os juros é rei

Para hoje, além da continuidade da temporada de resultados com pesos pesados – por aqui, esperamos nomes como Gerdau, Banco do Brasil e Petrobras –, mais pesquisas de opinião sobre o sentimento empresarial estão por vir

O melhor do seu dinheiro

O que mexe com seu dinheiro: bolão do Copom na bolsa, novo fundo da Inter, IPO da Raízen e mais

Bem, amigos do Seu Dinheiro. Hoje é dia de decisão! Com o desfalque do diretor Bruno Serra, que testou positivo para a covid-19, o Banco Central entra em campo nesta quarta-feira para definir a taxa básica de juros (Selic). Haja coração! As reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) são para a imprensa econômica o […]

Cliente difícil

Barrada na alfândega: Carne de unidade da BRF não é mais bem vinda na China

País asiático suspende compra de produtos suínos e de aves processados na unidade de Lucas do Rio Verde (MT), alegando problemas no transporte

Esquenta dos Mercados

Pré-mercado: cautela antes da decisão do Copom e risco fiscal devem dividir atenção com balanços do dia

Em meio ao exterior positivo, bolsa brasileira deve lidar com cenário interno de incertezas quanto ao teto de gastos

Preparar para decolagem

Renovação total: Gol faz acordo para adquirir aviões novos; veja os detahes

Presidente da companhia aérea afirma que movimento é uma antecipação à esperada retomada da demanda por viagens após a pandemia

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies