Menu
2018-11-26T19:09:32-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Dólar dispara e Banco Central oferta liquidez no mercado à vista

Autoridade monetária fará leilão de linha com compromisso de recompra. Serão até US$ 2 bilhões com vencimento em fevereiro e março

26 de novembro de 2018
19:09
Dólares
Imagem: Shutterstock

Depois da disparada de 2,6% na cotação do dólar, maior em cinco meses, que puxou a taxa de câmbio a R$ 3,9227 no pregão desta segunda-feira, o Banco Central (BC) anunciou uma intervenção no mercado à vista. Serão ofertados até US$ 2 bilhões com compromisso de recompra para os meses de fevereiro e março de 2019.

"O leilão de linha é para prover liquidez ao mercado de câmbio, como é normal nesta época do ano", disse o BC, por meio de sua assessoria.

Todo fim de ano se intensificam as remessas de moeda para fora do país conforme as empresas estrangeiras fecham os balanços do ano. Entre novembro e dezembro do ano passado, por exemplo, o fluxo financeiro foi negativo em cerca de US$ 18 bilhões.

Pelo menos desde 2011, o BC atua com leilões de linha com compromisso de recompra entre os meses de novembro e dezembro para acomodar esse sazonal fluxo de saída.

Um sinal de que a demanda por dólar à vista está aumentando vem do comportando do FRA de cupom cambial. De forma simplificada, quando a taxa de curto prazo sobe é sinal de que a procura por moeda americana está aumentando. As taxas para janeiro e fevereiro, por exemplo, voltaram a se aproximar dos 4%, vindo de mínimas na linha dos 3,4% no fim de outubro.

Esse volume de US$ 2 bilhões ofertados ao mercado em leilão nesta terça-feira é "dinheiro novo". Até o fim da semana, o BC deve se pronunciar sobre o vencimento de US$ 1,25 bilhão em leilão de linha feito no fim de agosto com vencimento no começo de dezembro.

Nessa modalidade de atuação, o BC oferta uma espécie de financiamento ao mercado, “emprestando” os dólares das reservas internacionais que posteriormente serão devolvidos à autoridade monetária. Essa atuação reduz a pressão nas taxas do FRA de cupom cambial, tentando trazer o mercado de volta à normalidade.

Swaps cambiais

No mercado futuro, o BC segue com a rolagem integral dos US$ 12,2 bilhões em swaps cambiais que vencem no começo de dezembro. Esses contratos equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Até o fim da semana, o BC também deverá acenar qual será a estratégia para os swaps que vencem em janeiro. O estoque vincendo é de US$ 10,3 bilhões e deve ser rolado ao longo do mês de dezembro.

Quando o BC faz a rolagem integral dos swaps ele se mantém “neutro” no mercado futuro. Atualmente o estoque de swaps está na casa dos US$ 68,8 bilhões.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Contas brasileiras em jogo

STF retoma julgamento sobre ICMS e PIS/Cofins; decisão pode ter impacto de R$ 258,3 bilhões para União

Os ministros já haviam declarado inconstitucional a cobrança de ICMS na base de cálculo do PIS/Cofins, mas o governo pede que a decisão não tenha efeito retroativo

São Jorge e o dragão inflacionário

A grande e ameaçadora besta da inflação começa a sair do seu sono profundo. Aos poucos, movimenta as asas e mexe sua cauda incendiária. Um vagaroso e temerário despertar. Nem de longe está cuspindo fogo — e quem viveu no Brasil nos anos 80 e 90 lembra bem do seu poder destrutivo. Mas mesmo o […]

FECHAMENTO

Dragão americano da inflação assombra ativos globais e resultado é bolsa, dólar e juros sob pressão; Ibovespa recua 2% e volta aos 119 mil pontos

A pressão inflacionária superou até mesmo o cenário político interno caótico nos holofotes do mercado e levou o principal índice brasileiro a amargar uma queda brusca

Primeiro encontro

Presidentes de Petrobras e BR se reúnem para tratar da saída da estatal da distribuidora

Os executivos, que assumiram os cargos há cerca de uma vez, discutirão a venda da participação de 37,5% que a Petrobras ainda detém na empresa

Trabalho em equipe?

Biden e oposição tentam acordo para aprovar pacote de infraestrutura

Um dos maiores pontos de divergência entre o presidente e líderes republicanos é o aumento de impostos para financiar a proposta

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies