Menu
2018-11-26T19:09:32-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Dólar dispara e Banco Central oferta liquidez no mercado à vista

Autoridade monetária fará leilão de linha com compromisso de recompra. Serão até US$ 2 bilhões com vencimento em fevereiro e março

26 de novembro de 2018
19:09
Dólares
Imagem: Shutterstock

Depois da disparada de 2,6% na cotação do dólar, maior em cinco meses, que puxou a taxa de câmbio a R$ 3,9227 no pregão desta segunda-feira, o Banco Central (BC) anunciou uma intervenção no mercado à vista. Serão ofertados até US$ 2 bilhões com compromisso de recompra para os meses de fevereiro e março de 2019.

"O leilão de linha é para prover liquidez ao mercado de câmbio, como é normal nesta época do ano", disse o BC, por meio de sua assessoria.

Todo fim de ano se intensificam as remessas de moeda para fora do país conforme as empresas estrangeiras fecham os balanços do ano. Entre novembro e dezembro do ano passado, por exemplo, o fluxo financeiro foi negativo em cerca de US$ 18 bilhões.

Pelo menos desde 2011, o BC atua com leilões de linha com compromisso de recompra entre os meses de novembro e dezembro para acomodar esse sazonal fluxo de saída.

Um sinal de que a demanda por dólar à vista está aumentando vem do comportando do FRA de cupom cambial. De forma simplificada, quando a taxa de curto prazo sobe é sinal de que a procura por moeda americana está aumentando. As taxas para janeiro e fevereiro, por exemplo, voltaram a se aproximar dos 4%, vindo de mínimas na linha dos 3,4% no fim de outubro.

Esse volume de US$ 2 bilhões ofertados ao mercado em leilão nesta terça-feira é "dinheiro novo". Até o fim da semana, o BC deve se pronunciar sobre o vencimento de US$ 1,25 bilhão em leilão de linha feito no fim de agosto com vencimento no começo de dezembro.

Nessa modalidade de atuação, o BC oferta uma espécie de financiamento ao mercado, “emprestando” os dólares das reservas internacionais que posteriormente serão devolvidos à autoridade monetária. Essa atuação reduz a pressão nas taxas do FRA de cupom cambial, tentando trazer o mercado de volta à normalidade.

Swaps cambiais

No mercado futuro, o BC segue com a rolagem integral dos US$ 12,2 bilhões em swaps cambiais que vencem no começo de dezembro. Esses contratos equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Até o fim da semana, o BC também deverá acenar qual será a estratégia para os swaps que vencem em janeiro. O estoque vincendo é de US$ 10,3 bilhões e deve ser rolado ao longo do mês de dezembro.

Quando o BC faz a rolagem integral dos swaps ele se mantém “neutro” no mercado futuro. Atualmente o estoque de swaps está na casa dos US$ 68,8 bilhões.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

dinheiro no caixa

Centauro levanta R$ 900 milhões em oferta de ações

Empresa deve usar os recursos para o financiamento de aquisições de empresas em curso e futuras que possam contribuir para a execução de sua estratégia de crescimento

em meio à crise

Governo transfere R$ 83,9 milhões do Bolsa Família para investir em propaganda

Medida atinge os recursos previstos para a região Nordeste do País; Secom já havia aumentado para R$ 17,8 milhões suas despesas com propaganda

Entrevista

Vitreo não será “mais uma” plataforma de investimentos na concorrência com XP, diz CEO

Patrick O’Grady conta por que a Vitreo, que possui hoje R$ 4,5 bilhões e 60 mil clientes, decidiu entrar na disputa pelo território ocupado hoje por mais de duas dezenas de corretoras, bancos e fintechs

SEXTOU COM RUY

As grandes vencedoras na crise e o “vício” das perdedoras no lucro

O problema dessas empresas “reloginho” – com lucros estáveis e recorrentes – é que elas atraem acionistas que só conseguem pensar nos dividendos

Balanço da covid no país

Brasil supera Itália em número de mortes por coronavírus e chega a 34 mil

O Brasil registrou 34.021 mortes provocadas pelo coronavírus até agora. Há 614.941 casos confirmados da doença em todo o país

coronavírus na energia

Copasa prorroga pagamento de contas devido à pandemia

A Companhia de Saneamento de Minas Gerais (Copasa) informou que prorrogou os prazos das medidas de auxílio aos clientes, a fim de minimizar os impactos à população devido à pandemia do novo coronavírus

seu dinheiro na sua noite

Licença para gastar

Na crise financeira de 2008, as autoridades dos países desenvolvidos se encontraram diante de um dilema: era certo usar dinheiro público para salvar os bancos que estavam à beira da falência? Se por um lado eles foram os grandes culpados pelo próprio destino, por outro os efeitos colaterais de uma quebradeira no sistema financeiro afetariam […]

Recorde histórico

Em meio à pandemia, poupança tem captação líquida recorde de R$ 37,201 bilhões em maio

Este é o maior volume de depósitos líquidos em um único mês em toda a série histórica do BC, iniciada em janeiro de 1995

Bolsa imparável

Ibovespa sobe pelo quinto dia, desafiando até mesmo o tom mais cauteloso no exterior

O Ibovespa contrariou a tendência global e fechou em alta, aproximando-se do patamar dos 94 mil pontos. O tom mais cauteloso visto lá fora só foi sentido no mercado de câmbio, com o dólar à vista subindo e voltando a R$ 5,13

MP 936

Maia avalia que desoneração de folha evita mais desemprego na crise

Para o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a prorrogação da desoneração da folha de pagamento até o fim de 2021, como proposto no texto da medida provisória 936 aprovada pela Câmara, vai evitar um impacto de R$ 10 bilhões nos custos de mão de obra de 17 setores

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements