Menu
2018-11-26T19:09:32-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Câmbio

Dólar dispara e Banco Central oferta liquidez no mercado à vista

Autoridade monetária fará leilão de linha com compromisso de recompra. Serão até US$ 2 bilhões com vencimento em fevereiro e março

26 de novembro de 2018
19:09
Dólares
Imagem: Shutterstock

Depois da disparada de 2,6% na cotação do dólar, maior em cinco meses, que puxou a taxa de câmbio a R$ 3,9227 no pregão desta segunda-feira, o Banco Central (BC) anunciou uma intervenção no mercado à vista. Serão ofertados até US$ 2 bilhões com compromisso de recompra para os meses de fevereiro e março de 2019.

"O leilão de linha é para prover liquidez ao mercado de câmbio, como é normal nesta época do ano", disse o BC, por meio de sua assessoria.

Todo fim de ano se intensificam as remessas de moeda para fora do país conforme as empresas estrangeiras fecham os balanços do ano. Entre novembro e dezembro do ano passado, por exemplo, o fluxo financeiro foi negativo em cerca de US$ 18 bilhões.

Pelo menos desde 2011, o BC atua com leilões de linha com compromisso de recompra entre os meses de novembro e dezembro para acomodar esse sazonal fluxo de saída.

Um sinal de que a demanda por dólar à vista está aumentando vem do comportando do FRA de cupom cambial. De forma simplificada, quando a taxa de curto prazo sobe é sinal de que a procura por moeda americana está aumentando. As taxas para janeiro e fevereiro, por exemplo, voltaram a se aproximar dos 4%, vindo de mínimas na linha dos 3,4% no fim de outubro.

Esse volume de US$ 2 bilhões ofertados ao mercado em leilão nesta terça-feira é "dinheiro novo". Até o fim da semana, o BC deve se pronunciar sobre o vencimento de US$ 1,25 bilhão em leilão de linha feito no fim de agosto com vencimento no começo de dezembro.

Nessa modalidade de atuação, o BC oferta uma espécie de financiamento ao mercado, “emprestando” os dólares das reservas internacionais que posteriormente serão devolvidos à autoridade monetária. Essa atuação reduz a pressão nas taxas do FRA de cupom cambial, tentando trazer o mercado de volta à normalidade.

Swaps cambiais

No mercado futuro, o BC segue com a rolagem integral dos US$ 12,2 bilhões em swaps cambiais que vencem no começo de dezembro. Esses contratos equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Até o fim da semana, o BC também deverá acenar qual será a estratégia para os swaps que vencem em janeiro. O estoque vincendo é de US$ 10,3 bilhões e deve ser rolado ao longo do mês de dezembro.

Quando o BC faz a rolagem integral dos swaps ele se mantém “neutro” no mercado futuro. Atualmente o estoque de swaps está na casa dos US$ 68,8 bilhões.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

Insights Assimétricos

Alocação entre classes: o jeito certo de ganhar dinheiro

Saber em que tipo de ativo você deve estar, como ações, renda fixa ou fundos imobiliários, é mais importante do que ter um ação ou um título de crédito específico

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies