🔴 +30 RECOMENDAÇÕES DE ONDE INVESTIR EM MARÇO – ACESSE GRATUITAMENTE

Cotações por TradingView
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
No Seu Dinheiro você encontra as melhores dicas, notícias e análises de investimentos para a pessoa física. Nossos jornalistas mergulham nos fatos e dizem o que acham que você deve (e não deve) fazer para multiplicar seu patrimônio. E claro, sem nada daquele economês que ninguém mais aguenta.
Novas perspectivas

Credit Suisse volta a apostar no Brasil

Expectativa de alta do PIB e aprovação de reformas foram os principais fatores que pesaram na decisão do banco

Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
29 de novembro de 2018
6:48 - atualizado às 9:18
Vista do Rio de Janeiro
Vista do Rio de Janeiro - Imagem: marchello74/Shutterstock

O Brasil voltou a figurar na lista global de recomendação de investimentos do banco Credit Suisse 2019. A informação é do jornal "Estado de S. Paulo" desta quinta-feira, 29. O país estava fora da lista há anos.

“Há muito tempo, a gente não tinha uma locação (de recursos) tão pró-cíclica em Brasil”, disse Sylvio Castro, chefe de investimentos do Credit no País, ao jornal. “Estamos mais otimistas com o Brasil do que estávamos pelo menos nos últimos cinco anos”, destacou.

Em relatório global sobre as perspectivas de investimentos para 2019, publicado neste semana, o banco cita o real como uma das moedas atraentes para se investir e aponta que o dólar não deve permanecer tão forte como em 2018.

Alta do PIB

O fato de o Brasil ser um dos poucos mercados cujo Produto Interno Bruto (PIB) deverá crescer mais em 2019 do que em 2018 é um dos motivos que levaram o País a ganhar destaque - apesar de o próprio banco ponderar que a economia brasileira deverá continuar fraca no próximo ano. “Globalmente, deve haver moderação (no crescimento) em 2019, mas o Brasil é uma das raríssimas exceções em que esperamos aceleração”, afirmou Castro.

Pesa também a favor do Brasil - e dos emergentes, em geral - o preço de seus ativos. As ações nas Bolsas, por exemplo, estão em um patamar considerado baixo quando comparadas aos papéis negociados nos Estados Unidos, explica o economista. A desalavancagem das empresas nesses mercados é outra mudanças vista como positiva pelo banco.

O relatório do Credit afirma ainda que as fragilidades dos emergentes são “bastante limitadas”, apesar de alguns países, principalmente Argentina, Turquia e África do Sul serem dependentes de poupança externa, o que “deve ser encarado como um sinal de alerta”. Os desequilíbrios externos do Brasil - e do México e da Indonésia - são “menos sérios”, destaca o documento do banco.

Reformas

Esse cenário global deve fazer com que investidores estrangeiros ampliem seus aportes no Brasil a partir do próximo ano, principalmente se a reforma da Previdência avançar. “Nós, locais, somos os primeiros a comprar (investir no Brasil) porque as figuras que estão compondo o governo nos são familiares. Não temos dúvida de que essas figuras acreditam nas reformas”, disse.

Segundo Castro, os próximos a aumentarem os aportes no mercado financeiro brasileiro são os investidores institucionais locais, como fundos de pensão, e posteriormente os estrangeiros. “Esses vão esperar pelo menos que se encaminhe a discussão da reforma no Congresso, o que deve ocorrer depois de março.”

Castro afirmou que a desconfiança do estrangeiro em relação ao Brasil é normal, principalmente após o investidor ter se decepcionado em países como a Argentina, onde o presidente Mauricio Macri, de centro-direita, foi eleito com uma agenda reformista, mas acabou não entregando tudo o que havia prometido.

O economista diz ainda que é a primeira vez em que está dando um caráter “empreendedor” à carteira de investimentos do banco no País. Até então, o perfil era mais “rentista”. De acordo com ele, isso ocorre porque o PIB brasileiro deve se expandir com tendo os fundamentos macroeconômicos organizados

*Com Estadão Conteúdo 

Compartilhe

Má fase

Ainda na esteira de escândalos e abalado pelo cenário econômico difícil, Credit Suisse troca de CEO após novo prejuízo bilionário

27 de julho de 2022 - 16:47

Thomas Gottstein será substituído por Ulrich Koerner, após banco suíço registrar perdas equivalentes a US$ 1,66 bilhão no 2º tri, muito superiores ao esperado por analistas

DESTAQUES DA BOLSA

Por que as ações da PagSeguro (PAGS34) despencam 20% apesar do lucro recorde no 1T22?

9 de junho de 2022 - 14:18

O mercado enxerga além do 1T22 e pode estar precificando novamente as dificuldades que a empresa talvez enfrente nos próximos meses

PÓDIO DO VAREJO

Arezzo (ARZZ3), Centauro (SBFG3) ou Renner (LREN3)? Qual varejista vai ganhar a corrida dos resultados do 1T22?

26 de abril de 2022 - 13:08

O Credit Suisse espera que os números das três empresas sejam bem recebidos pelo mercado, mas uma delas vai ocupar o lugar mais alto do pódio; saiba qual

Real vem forte

O dólar pode cair ainda mais? Veja as projeções do Credit Suisse para as cotações da moeda

24 de março de 2022 - 11:20

Tombo recente reverte apenas uma parte da valorização do dólar nos últimos anos; saiba até quanto a moeda pode cair, segundo o banco suíço

FUGINDO DE PUTIN?

Como os bancos de Wall Street estão driblando as sanções contra Rússia e negociando no país

11 de março de 2022 - 20:22

Goldman Sachs, JP Morgan e Deustche Bank são os primeiros a anunciar que estão deixando o país e podem ser seguidos por outras instituições financeiras globais

DINHEIRO SUJO

Vazamento de dados do Credit Suisse expõe supostas conexões criminosas entre 18 mil contas com mais de US$ 100 bilhões em depósitos

20 de fevereiro de 2022 - 18:13

Banco suíço debate-se hoje com o mais recente escândalo noticiado pela imprensa internacional; Credit contesta denúncia

DERRUBADO PELA COVID

Com presidente do Conselho fura-quarentena e perdas de clientes, Credit Suisse tem desafio de recuperar reputação

17 de janeiro de 2022 - 15:05

Credit Suisse volta a ser abalado com saída de presidente do Conselho que veio para recuperar a imagem do banco, mas foi pego violando as regras da quarentena contra a covid-19

PISTA LIVRE

CCR (CCRO3) ou EcoRodovias (ECOR3)? O Credit Suisse aponta qual a via mais rápida para o lucro na bolsa

5 de janeiro de 2022 - 11:06

O banco suíço tem recomendação de compra para ambas as empresas e vê potencial de alta de mais de 40% para as ações. Mas o portfólio de uma delas é visto como mais sólido no momento

FALTA CLAREZA

Setor de maquininhas está descontado, diz o Credit Suisse, mas ausência de catalisadores inibe espaço para reação

24 de dezembro de 2021 - 14:12

Banco suíço corta preço-alvo da PagSeguro, da Stone e da Cielo, mas ainda vê espaço para crescimento das empresas de meios de pagamento

PARADA NO ACOSTAMENTO

Credit Suisse coloca o pé no freio com a EcoRodovias: banco rebaixa recomendação para ECOR3 e corta preço-alvo; ação cai na bolsa

14 de dezembro de 2021 - 13:17

Alta dos juros e custos de captação mais elevados foram os principais motivos alegados pela instituição financeira para a revisão

Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies