💸 Você pode receber R$ 120 para investir; veja como solicitar o depósito aqui

Cotações por TradingView
2019-04-04T14:43:14-03:00
Seu Dinheiro
Seu Dinheiro
Críticas ao Cade e ao BC

Gustavo Franco sobre aprovação da compra da XP pelo Itaú: “infeliz”

Economista afirmou que o BC teve que corrigir a posição tomada pelo órgão antitruste

13 de novembro de 2018
14:33 - atualizado às 14:43
Gustavo Franco, ex-presidente do Banco Central e sócio da gestora Rio Bravo
Gustavo Franco: "foi um momento extremamente infeliz. Acho até que o Banco Central teve que corrigir e adequar a decisão do Cade" - Imagem: Felipe Rau/Estadão Conteúdo

Sócio da Rio Bravo Investimentos e ex-presidente do Banco Central, o economista Gustavo Franco não poupou palavras para criticar a aprovação da compra da XP pelo Itaú tanto no Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) como no Banco Central.

Ao taxar a decisão do Cade de "infeliz", Franco disse nesta terça-feira que o BC teve que corrigir a posição tomada pelo órgão antitruste. A fala foi feita durante uma audiência pública no Cade para discutir a estrutura do setor financeiro nacional e o impacto sobre a concorrência.

O aval do Cade foi anunciado em março deste ano. Cinco meses depois, o BC determinou que o Itaú não poderia comprar o controle da XP no futuro, como estava previsto em contrato.

"Foi um momento extremamente infeliz. Acho até que o Banco Central teve que corrigir e adequar a decisão do Cade para que ela não fosse pior. É uma pena que tenha sido assim, na próxima vez vamos tentar acertar", Gustavo Franco.

Cade "político"

Em suas declarações, Franco disse ainda que o conselho "certamente tem o problema de influências políticas", e que "é preciso estar atento a isso".

Segundo ele, a concentração bancária no Brasil é muito grande e existe um problema de integração vertical no setor (quando o mesmo grupo detém várias empresas na mesma cadeia). O economista disse que o Brasil tem apenas cinco grandes bancos e que os dois estatais - em uma referência ao Banco do Brasil e à Caixa - não conseguem concorrer porque têm custos superiores aos privados.

Por outro lado, as instituições privadas, segundo ele, têm taxas de retorno muito elevadas. "Seja porque tem competidor café com leite ou remuneração excessiva, a concentração do setor bancário é muito grande", afirmou. Ele lembrou ainda que os clientes reclamam dos serviços bancários e disse que o sistema financeiro tem plataformas fechadas, com consumidores presos às instituições por falta de opção.

Falando em concentração...

Representando o Santander na audiência, o economista e ex-presidente do Cade Gesner Oliveira rebateu o argumento de que o setor bancário é muito concentrado e disse que, na comparação com outros países e setores, ele não se sustenta. "O mercado financeiro brasileiro não é extremamente concentrado. Não há nenhuma anomalia em relação ao cenário internacional", afirmou.

Oliveira disse ainda que é "mitologia" dizer que as taxas de juros são altas porque o mercado é concentrado. Ele atribuiu isso a outros fatores, como o déficit público alto no Brasil.

O vice-presidente da empresa de serviços financeiros dos Estados Unidos First Data, Juan Ignácio de La Torre, afirmou que no mercado norte-americano não há participação de emissores como donos de arranjos de pagamento, como ocorre no Brasil, e que essa é uma barreira para novos entrantes.

*Com Estadão Conteúdo.

Comentários
Leia também
INVISTA COMO UM MILIONÁRIO

Sirva-se no banquete de investimentos dos ricaços

Você sabe como ter acesso aos craques que montam as carteiras dos ricaços com aplicações mínimas de R$ 30? A Pi nasceu para colocar esses bons investimentos ao seu alcance

TÁ ESCRITO

Klabin (KLBN11) aprova investimento de até R$ 183 milhões e abre outra porta para um mercado bilionário; saiba qual

6 de dezembro de 2022 - 20:14

Com o aporte, a empresa dá passo para entrar em um segmento estimado em mais de US$ 20 bilhões e que tem alta taxa de crescimento esperada para os próximos anos

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

PEC da Transição é aprovada, a nova queda do petróleo e o dia das criptomoedas; confira os destaques do dia

6 de dezembro de 2022 - 19:41

Na reta final do pregão — que foi de forte volatilidade devido à aversão ao risco que predominou em Wall Street —, o Ibovespa ganhou fôlego para fechar o dia em alta de 0,72%, aos 110.188 pontos. Isso porque a PEC da Transição, enfim, deslanchou e superou o seu primeiro desafio: a Comissão de Constituição […]

FECHAMENTO DO DIA

Senado dá sinal verde para PEC da Trasição R$ 30 bi menor e Ibovespa sobe, contrariando NY; dólar recua

6 de dezembro de 2022 - 19:18

A forte queda do petróleo e a nova queda de 2% do Nasdaq, em Nova York, não impediram a alta do Ibovespa e nem o alívio no câmbio. O dólar à vista encerrou o dia em queda de 0,25%, a R$ 5,2697

VAI TROCAR DE NOVO

Petrobras (PETR4) — em breve — sob nova direção: Tarcísio de Freitas anuncia presidente da estatal para secretaria em SP

6 de dezembro de 2022 - 19:13

Caio Paes de Andrade foi escolhido pelo novo governador paulista para assumir a pasta de Gestão e Governo Digital

DO TETO NÃO PASSA

O caos de Putin! Ameaça russa gera congestionamento de navios, mas preço do barril desaba; entenda

6 de dezembro de 2022 - 18:32

Depois de cair mais de 3% na segunda-feira (06), o Brent — usado como referência internacional — levou um tombo ainda maior hoje, recuando 4%; entenda o que está por trás desse movimento

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies