Você pode ter uma renda semanal de até 500 dólares na sua conta; descubra como aqui

Cotações por TradingView
2019-04-20T15:33:26-03:00
Estadão Conteúdo
Roberto Campos Neto

Perfil técnico do novo presidente do Banco Central agrada mercado

Escolha de diretor do Santander agrada a seus pares e deverá ser bem recebido por investidores, mas será importante que a futura equipe econômica reforce sinais de que BC terá independência

16 de novembro de 2018
8:52 - atualizado às 15:33
Edifício-sede do Banco Central, em Brasília
Edifício-sede do Banco Central, em Brasília - Imagem: Rodrigo Oliveira/Caixa Econômica Federal - Flickr/BCB

Com perfil "técnico" de executivo do mercado financeiro, o nome do substituto de Ilan Goldfajn no comando do Banco Central (BC), Roberto Campos Neto, agrada a seus pares e deverá ser bem recebido por investidores, segundo analistas ouvidos pelo Estadão/Broadcast. Para alguns, porém, agora também será importante que a futura equipe econômica reforce sinais de que o BC terá independência de fato.

O presidente do Bradesco, Octavio de Lazari Júnior, elogiou a indicação de Campos Neto. "Temos muito boas informações dele. É um profissional extremamente competente que trabalhou na tesouraria do Santander. A expectativa é muito boa e grande", afirmou o executivo.

Para Lazari, o principal desafio da nova cúpula do BC em 2019 será o controle da inflação com a administração da política monetária. Questionado sobre se a Selic deveria cair no próximo ano, ele respondeu: "Tomara, se a gente tiver um quadro de inflação controlada que não possa correr qualquer perigo, por que não ter uma taxa de juros de 6,25%, 6,0% ou abaixo de 6,0%, de acordo com as condições da economia?", disse. "Para nós, isso vai acontecer agora, ou pouco mais para a frente, pois vamos entrar no seleto grupo de países que têm taxa de juros bastante baixa."

José Júlio Senna, ex-diretor do BC e pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV), também elogiou a indicação. "Ele tem longa experiência de mercado financeiro, onde desfruta de uma imagem muito boa", disse.

"Assim como o próprio Ilan e também Henrique Meirelles, Campos Neto veio do mercado financeiro, com o qual deverá ter boa interlocução. É um nome muito conceituado e trabalha em tesouraria, que é uma área importantíssima", disse o estrategista de renda fixa da GS Research, Renan Sujii.

Para a economista-chefe da gestora ARX Investimentos, Solange Srour, Campos Neto é "respeitado" pelos agentes do mercado financeiro porque tem perfil liberal, está alinhado com o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, e construiu sua carreira no mercado financeiro.

A Federação Brasileira de Bancos (Febraban) elogiou, em nota distribuída nesta quinta-feira, 15, as "qualificações e experiência" de Campos Neto.

Sinais

A indicação de Campos Neto não foi exatamente uma surpresa - seu nome já circulava há dias no mercado como um dos potenciais indicados. Segundo Solange, da ARX, a credibilidade inicial do futuro presidente do BC dependerá dos próximos sinais para os rumos da política monetária, como a composição da diretoria do órgão e seus primeiros discursos.

"O novo presidente chega com certa credibilidade, mas, como é novo no cargo, será avaliado ao longo do tempo. Se os diretores vão ficar ou não é importante", disse Solange, destacando que não conhece Campos Neto. O aumento da transparência na comunicação com o mercado, na visão de Solange, foi o destaque da gestão de Ilan, que assumiu o cargo em 2016. Já as primeiras comunicações diretas de Campos Neto poderão ficar apenas para o ano que vem, lembrou Solange. Isso porque é possível que o futuro presidente do BC não fale publicamente até sua sabatina no Senado.

Por outro lado, a Continuum Economics, consultoria do economista Nouriel Roubini, em relatório, levantou dúvidas sobre o grau de liberdade de atuação de Campos Neto. "Nossa avaliação inicial é de que Campos seguirá a linha de Paulo Guedes no BC, o que não é a melhor perspectiva para um Banco Central que se espera independente. Vamos aguardar pelas indicações dos demais diretores para uma avaliação final", afirma o texto.

Para Solange, o mercado "não gostou muito" quando, logo depois da eleição de Bolsonaro, o futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, falou sobre vender "US$ 100 bilhões" de reservas internacionais quando o dólar chegasse a "R$ 5,00", lembrou a economista. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Comentários
Leia também
A REVOLUÇÃO 3.0 DOS INVESTIMENTOS

Que pi… é essa?

Eu decidi sair do banco, mas não queria entrar em uma enrascada. Bem, acredito que eu tenha encontrado um portal para fugir dessa Caverna do Dragão das finanças. E cá estou para explicar essa descoberta.

DIA 38

Os bombeiros chegaram: ata do Copom e Alckmin tentam baixar a temperatura da relação entre Lula e Campos Neto

7 de fevereiro de 2023 - 20:42

Do outro lado, parlamentares do PSOL e do PT querem apresentar requerimento para convidar o presidente do BC a comparecer em uma audiência pública na Câmara para explicar as razões dos juros altos

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

Super Quarta fora de época, as melhores ações de atacarejo e o que pensa o Credit Suisse sobre o Nubank; confira os destaques do dia

7 de fevereiro de 2023 - 19:38

Não estamos na quarta-feira e nem houve decisão dupla de política monetária, mas o dia (07) foi marcado por uma inegável energia de Super Quarta. No Brasil e nos Estados Unidos só se falou sobre os juros e o que esperar do futuro.  Jerome Powell, presidente do Federal Reserve, agradou Wall Street ao não dar […]

OI OU TCHAU?

Qual é o futuro da Oi (OIBR3)? CEO conta o que vai acontecer com a operadora após proteção judicial

7 de fevereiro de 2023 - 19:01

Rodrigo Abreu deu as explicações após os executivos da empresa saírem de reunião em Brasília com a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel)

Balanço 2022

Provisões contra calote da Americanas afetam lucro do Itaú, mas banco ainda registra recorde no ano

7 de fevereiro de 2023 - 18:36

Assim como o Santander, Itaú evitou se referir nominalmente à Americanas na divulgação de resultados e citou “evento subsequente”

MUNDIAL DE CLUBES

Além do Mundial: veja o que mais o Flamengo perdeu com papelão no Marrocos

7 de fevereiro de 2023 - 18:30

Para além da derrota em campo, o Flamengo deixou de ganhar uma soma expressiva ao não se classificar para a final do Mundial de Clubes

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies