Menu
2019-04-04T13:59:59-03:00
Estadão Conteúdo
Empacado

Segundo o relator do projeto na Câmara, autonomia do BC vai ficar para fevereiro

Declarações de Celso Maldaner jogam um balde de água fria nas expectativas de que o projeto passasse no Congresso ainda em 2018

29 de novembro de 2018
16:39 - atualizado às 13:59

O deputado federal Celso Maldaner (MDB-SC) afirmou nesta quinta-feira, 29, ao Broadcast/Estadão que o projeto de autonomia do Banco Central, sob sua relatoria na Câmara, deve ser colocado em votação apenas em fevereiro de 2019. Já o projeto de reforma da Previdência pode ficar para o fim de 2019, segundo ele. Maldaner teve conversas recentes com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o coordenador da transição e ministro-chefe da Casa Civil indicado, Onyx Lorenzoni.

Anteriormente, havia a expectativa de que as duas matérias pudessem ser aprovadas ainda este ano ou que, pelo menos, a autonomia do BC passasse em 2018, enquanto a reforma da Previdência ficaria para o início do mandato de Jair Bolsonaro.

"Tivemos uma reunião ontem (quarta) com a bancada e com o Onyx (Lorenzoni). E também fizemos reunião de líderes (dos partidos) de novo, com o (presidente da Câmara) Rodrigo Maia. A avaliação é que o projeto (de autonomia do BC) não está maduro para votar", disse Maldaner. "O Rodrigo está dando uma segurada. E o Onyx disse que fica para fevereiro."

A reforma da Previdência - considerada fundamental para a recuperação da economia - também pode ficar para mais tarde. "Na própria reforma da Previdência, ele (Onyx) falou que estão estudando modificações, que (a Câmara) vai se adaptar aos novos deputados... Pode ficar para o final de 2019", disse Maldaner. "Estou preocupado (com a reforma da Previdência). Mas a autonomia do BC (o novo governo) mexe no início do próximo mandato", pontuou Maldaner.

Bandeira antiga do Banco Central, o projeto de autonomia foi apresentado oficialmente por Maldaner na semana passada. Seu relatório traz um substitutivo que consolida propostas do próprio BC e de outros projetos que tramitavam na Câmara.

Uma das principais novidades trazidas pelo projeto é o estabelecimento de mandatos fixos de quatro anos para o presidente e os oito diretores do BC. Antes disso, no entanto, haverá um período de transição.

Conforme o texto, em 1º de março de 2020 - já no início do segundo ano do governo de Jair Bolsonaro -, serão nomeados o presidente e os oito diretores do BC. Nesse caso, o presidente e dois diretores terão mandatos de quatro anos; dois diretores terão mandatos de três anos; dois diretores terão mandatos de dois anos; e dois diretores terão mandatos de um ano. Após o período de transição, passam a valer os mandatos de quatro anos para o presidente do BC e os diretores.

Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

pandemia

Brasil registra 1.340 mortes por covid-19 em 24h

Resultado ficou atrás apenas do dia 7 de janeiro, quando foram confirmadas 1.524 novos falecimentos

seu dinheiro na sua noite

Tudo caiu – até o forward guidance

Os mercados domésticos ficaram hoje divididos sob a influência de acontecimentos distintos, o que resultou em um comportamento geral incomum: tudo caiu. O Ibovespa perdeu o patamar dos 120 mil pontos e fechou em queda, na contramão das bolsas americanas, animadas pela posse do novo presidente Joe Biden e a nova fornada de estímulos fiscais […]

Análise

Sem o “forward guidance”, Banco Central arranca bola de ferro dos pés

Decisão do BC de abrir mão do compromisso de não mexer com os juros foi acertada, mas a adoção do instrumento mais ajudou ou atrapalhou a economia?

sem "efeito Biden"

Vacinação e risco fiscal derrubam o Ibovespa em dia de festa em NY; dólar também recua

Euforia dos mercados internacionais com o “efeito Biden” foi barrada pelas incertezas domésticas e fez a bolsa brasileira ir na contramão de NY

taxa básica

BC mantém Selic em 2% ao ano, mas retira o ‘forward guidance’

Bolsa pode ter realização de lucros nesta quinta com derrubada de prescrição, diz especialista; decisão de hoje acontece em meio à alta dos preços das commodities e à valorização do dólar

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies