Menu
2019-04-04T14:11:15-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

Nova diretoria do Banco Central começa a ser formada

Carlos Viana, atual diretor de Política Econômica, vai permanecer no cargo

16 de novembro de 2018
8:54 - atualizado às 14:11
Reunião do Copom com Ilan Goldfajn à frente
Copom destaca cautela, serenidade e perseverança nas decisões de política monetária - Imagem: Beto Nociti/BCB

O Banco Central (BC) divulgou nota informando que os atuais diretores se colocaram à disposição do presidente indicado Roberto Campos Neto. O atual diretor de Política Econômica, Carlos Viana de Carvalho, já chegou a entendimento e vai “permanecer no cargo por tempo considerável”.

Campos Neto foi indicado ontem pelo futuro ministro da Economia, Paulo Guedes. Seu nome ainda precisa ser formalmente apresentado ao Senado, que vai realizar sabatina e votação.

A diretoria de Política Econômica é a responsável por pilotar o intricado modelo matemático que gera as projeções do BC para as principais variáveis econômicas, como inflação, câmbio e PIB, que determinam as decisões sobre a taxa básica de juros.

Viana é doutor em economia pela Universidade de Princeton, já trabalhou no Federal Reserve (Fed), banco central americano e tem vasta produção acadêmica.

Segundo um ex-servidor do BC, outro nome relevante que poderia seguir com o novo presidente, é Otávio Damaso, atual diretor de Regulação, em função da sua vasta experiência e bom relacionamento com o mercado.

Comentários
Leia também
ENCRUZILHADA FINANCEIRA

Confissões de um investidor angustiado

Não vou mais me contentar com os ganhos ridículos que estou conseguindo hoje nas minhas aplicações. Bem que eu queria ter alguém extremamente qualificado – e sem conflito de interesses – para me ajudar a investir. Só que eu não tenho o patrimônio do Jorge Paulo Lemann. E agora?

Fechamento

Dólar sobe, Eletrobras fecha em queda no exterior e ações de tecnologia sustentam alta de índices nos EUA

Renúncia de Ferreira Junior ao cargo de presidente da estatal brasileira afeta confiança dos investidores na privatização; S&P 500 e Nasdaq fecham em alta

SD PREMIUM

Segredos da bolsa: Ata do Copom é destaque em meio à preocupação com covid-19 e cenário fiscal

A queda do EWZ, o principal fundo de índice com ações brasileiras em Nova York, indica uma reabertura no vermelho para o Ibovespa na volta do feriado

Futuro da estatal

‘Temos dentro da Eletrobras profissionais capazes de me suceder’, diz Wilson Ferreira

Após deixar presidência, Wilson Ferreira responde se há conflito de interesse ao se manter no conselho da Eletrobras e, ao mesmo tempo, presidir a BR Distribuidora

Expectativas

Novo presidente da Eletrobras (ELET3) deve dar prioridade à privatização, diz Caio Megale

Após saída de Wilson Ferreira, analista afirma que ‘a privatização da Eletrobras tem sua importância pela sua situação atual e pelo seu grau de maturidade (para ser privatizada)’

Reformas

‘Vamos limpar a pauta, destravando o horizonte de investimentos’, diz Paulo Guedes

Ministro prometeu que o governo não irá aumentar impostos e reforçou que a atividade está se recuperando em ‘V’

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements
Advertisements

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies