⚽️ Brasil enfrenta a Coreia do Sul na próxima fase; confira os dias dos próximos jogos

Cotações por TradingView
2018-10-23T16:36:10-03:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

IPCA-15 surpreende para baixo e reforça estabilidade da Selic em 6,5%

Prévia da inflação oficial fica abaixo das estimativas mesmo captando alta do dólar

23 de outubro de 2018
11:23 - atualizado às 16:36

O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo 15 (IPCA-15), tido como uma prévia da inflação oficial, mostrou variação positiva de 0,58% em outubro, firme avanço sobre a alta de 0,09% em setembro, e maior leitura para o mês desde 2015 (0,66%).

A elevação era esperada em função do dólar alto influenciando os preços no período, mas, ainda assim, a surpresa foi positiva, pois o indicador ficou abaixo da mediana de 0,63% da “Projeções Broadcast”. No ano, o indicador acumula alta de 3,83% e sobe 4,53% no acumulado em 12 meses.

Segundo o especialista em commodities da Tullett Prebon, Marco Franklin, a alimentação em domicílio explica parte do aumento e refletiu a alta de produtos in natura, que deverão subir mais até o fim do mês, assim como aves e carnes, que captam a entressafra e uma acomodação de oferta depois dos problemas enfrentados pela BRF Foods, que elevaram a oferta interna. Ainda assim, a variação ficou abaixo da estimada pelas coletas de preços.

Para o IPCA fechado do mês, o Franklin projeta variação ao redor de 0,60%. Para novembro, o IPCA deve refletir com mais intensidade o movimento recente de queda do dólar e do preço do petróleo.

Tendência da inflação

Uma forma de olhar a tendência da inflação é observar os núcleos de preços, que tiram itens mais voláteis. Essas medidas são acompanhadas de perto pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) para definição da taxa básica de juros, a Selic.

Mesmo com a alta da inflação, os núcleos continuam apontando um cenário sem pressão inflacionária, diz a CM Capital Markets em nota a clientes. Algumas medidas oscilam na linha dos 2,3% quando medidas em 12 meses, próximas ao piso da meta.

Tal comportamento da inflação reforça a expectativa de que o Copom manterá a Selic inalterada em 6,5% ao ano no seu encontro do dia 31 de outubro.

Olhando para 2019

Também em nota, o Banco Fibra comunicou uma alteração na expectativa para a condução da política monetária em 2019, e passou a estimar juros estáveis no próximo ano. Até então, a instituição via necessidade de elevação do juro.

Tal previsão considera que a elevada ociosidade da economia pode acomodar uma recuperação da atividade sem gerar pressão inflacionária significativa.

Além disso, expectativas estão ancoradas ao redor da meta, sobretudo em prazos mais longos, ficando em 4,22% para 2019, 4% em 2020 e 3,78% para 2021.

A instituição também cita um recuo das medidas de núcleo, que se mostram compatíveis com atingimento do centro da meta para a inflação.

No lado do câmbio, o Fibra espera moderada depreciação do real nos próximos meses, sobretudo em 2019, por conta do cenário externo mais desafiador para os mercados emergentes. O banco mantém a projeção de dólar a R$ 4,20 no fim do próximo ano.

Para dar um parâmetro, a mediana do mercado, captada pelo Focus, mostra Selic de 8% no fim de 2019, com dólar a R$ 3,80.

Comentários
Leia também
DINHEIRO QUE PINGA NA SUA CONTA

Uma renda fixa pra chamar de sua

Dá para ter acesso a produtos melhores do que encontro no meu banco? (Spoiler: sim).

SEU DINHEIRO NA COPA

Brasil segue favorito mesmo após primeira derrota na Copa; confira as seleções queridinhas das oitavas entre os apostadores

3 de dezembro de 2022 - 9:14

Já classificado, Tite escalou um time recheado de reservas que acabou perdendo de 1 x 0 para os camaroneses, que ficaram fora do mundial

Aperta o play!

Copom realiza última reunião do ano na próxima quarta (07); o que esperar para a Selic daqui para frente?

3 de dezembro de 2022 - 8:00

No podcast Touros e Ursos desta semana, falamos sobre as incertezas fiscais que cercam a decisão de juros do Copom e como investir neste cenário

FECHAMENTO DO DIA

Poeira assenta em Brasília e Ibovespa sobe quase 3% na semana; dólar cai a R$ 5,21

2 de dezembro de 2022 - 19:29

Em Nova York, no entanto, o clima foi de cautela. O payroll, o raio-X do mercado de trabalho americano e um dos dados mais importantes para o Federal Reserve na decisão de política monetária, mostrou uma força maior do que a esperada

DINHEIRO NA CONTA

Dividendos: Raízen (RAIZ4) depositará R$ 918 milhões na conta dos acionistas em 2023, mas data de corte é na próxima semana; veja quem terá direito à bolada

2 de dezembro de 2022 - 19:22

A Raia Drograsil anunciou o pagamento de proventos nesta sexta-feira (2): a farmacêutica distribuirá R$ 90 milhões na forma de JCP

TOMA LÁ, DÁ CÁ

Vai causar estrago? Europa fixa valor do barril de petróleo russo em US$ 60 e deve despertar a fúria de Putin

2 de dezembro de 2022 - 18:35

Na decisão de hoje, os europeus detalham que o limite de preço do petróleo russo será revisado regularmente e deve ser “pelo menos 5% abaixo do valor médio de mercado”

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu

Usamos cookies para guardar estatísticas de visitas, personalizar anúncios e melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossas políticas de cookies