Menu
2018-12-07T10:37:27-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
análise

Inflação garante Selic estável por mais tempo. Trabalho agora está com Paulo Guedes

Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne na próxima semana e deve acenar juro em 6,5% a perder de vista. A grande dúvida é o ajuste fiscal

7 de dezembro de 2018
10:23 - atualizado às 10:37
Paulo Guedes
Ministro da economia, Paulo Guedes - Imagem: WILTON JUNIOR/ESTADÃO CONTEÚDO

Do lado do Banco Central (BC) as condições estão dadas para um longo período de estabilidade da taxa básica de juros, a Selic em 6,5% ao ano. A inflação continua surpreendendo para baixo agora em 2018, deixando uma herança positiva para 2019. A questão, mesmo, está com Paulo Guedes e sua agenda de reformas fiscais.

Para o nosso bolso, isso quer dizer que o cenário está e deve continuar favorável aos ativos de risco como bolsa de valores e fundos imobiliários. No mercado de títulos ganham atratividade os prefixados longos que ainda têm taxas próximas a 10% e as Notas do Tesouro Nacional Série-B mais longas, que encontramos no Tesouro Direto.

De volta aos números, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) de novembro apontou deflação de 0,21%, mais intensa que a mediana de deflação de 0,10% prevista da “Projeções Broadcast”, e menor que o 0,28% de igual mês do ano passado. Assim, medido em 12 meses, o índice oficial de inflação caiu de 4,56% para 4,05%.

Os núcleos de preços, que captam a tendência da inflação, também apresentaram queda em todas as suas diferentes medidas, com a média recuando de 3% em 12 meses até outubro para 2,87%, nos cálculos da CM Capital Markerts.

Além disso, o índice de difusão voltou a recuar, de 60,3% para 54,6%, mostrando menos itens da cesta com aumento de preço. Breve alta apenas para a inflação de serviços, mas nada que demande resposta do BC.

Copom

Na quarta-feira, dia 12, o Comitê de Política Monetária (Copom) tem sua última reunião de 2018. O consenso é de estabilidade do juro básico e também não devemos ver grande mudança na comunicação do BC.

O ponto principal do balanço de riscos, que está levemente assimétrico, continua sendo “uma frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas e ajustes necessários na economia brasileira”, algo que pode afetar prêmios de risco e elevar a trajetória da inflação no horizonte relevante para a política monetária. O cenário externo também faz parte dos eventos que podem tirar a inflação das metas.

No entanto, esses dois vetores fogem do escopo de atuação do BC. Com 2018 “na conta”, o que importa, agora, é o comportamento das projeções e expectativas para 2019 e 2020. Uma leitura detalhada disso será conhecida no Relatório de Inflação de 20 de dezembro.

O BC deve manter em sua comunicação, o parágrafo no qual fala em eventual retirada de estímulo “caso o cenário prospectivo para a inflação no horizonte relevante para a política monetária e/ou seu balanço de riscos apresentem piora”.

O trabalho está com Paulo Guedes e o “pacote” aqui inclui a capacidade de articulação do governo com o Congresso, pois sem avanço das reformas fiscais ao longo de 2019, certamente as expectativas deixarão de ficar nas metas de 4,25% para o próximo ano, 4% para 2020 e 3,75% para 2021.

Se o governo for vitorioso na agenda de reformas uma nova discussão se abre envolvendo a redução da taxa neutra ou estrutural da economia. Essa é a taxa de juros que permite o máximo de crescimento com inflação nas metas. Ela é uma variável não observável, mas estimativas sugerem que ela está entre 4% a 4,5% em termos reais (juro nominal descontado da inflação). Atualmente nosso juro real está ao redor de 3%, por isso o BC fala que a política monetária está estimulativa, ou seja, juro real abaixo do estrutural.

Com reformas aprovadas esse juro estrutural tenderia a cair, abrindo espaço para Selic em 6,5% por ainda mais tempo ou até eventual redução da taxa básica.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
UMA OPÇÃO PARA SUA RESERVA DE EMERGÊNCIA

Um ‘Tesouro Direto’ melhor que o Tesouro Direto

Você sabia que existe outro jeito de investir a partir de R$ 30 em títulos públicos e com um retorno maior? Fiz as contas e te mostro o caminho

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

LIÇÕES DO PAI RICO, PAI POBRE

Ganhando bem, mas longe de ser rico?

Robert Kiyosaki, autor do best seller Pai Rico, Pai Pobre, escreve aos sábados sobre suas lições de finanças

DE OLHO NOS EMPRÉSTIMOS

BNDES aprova empréstimos a exportações de Embraer, Marcopolo, Mercedes e Scania

A maior das operações foi para a fabricante de aviões Embraer, que tomou empréstimo de US$ 285 milhões para financiar a exportação de 11 aeronaves modelo E175 para a American Airlines, nos Estados Unidos

FUNDOS DE PENSÃO

Assessores de Guedes e mais 28 viram réus por rombo em fundos de pensão

“O Ministério Público Federal produziu e apresentou a este Juízo peça acusatória formalmente apta, acompanhada de vasto material probatório, contendo a descrição pormenorizada contra todos os denunciados”, anotou Vallisney.

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements