Menu
2018-11-16T11:29:15-02:00
Eduardo Campos
Eduardo Campos
Jornalista formado pela Universidade Metodista de São Paulo e Master In Business Economics (Ceabe) pela FGV. Cobre mercado financeiro desde 2003, com passagens pelo InvestNews/Gazeta Mercantil e Valor Econômico cobrindo mercados de juros, câmbio e bolsa de valores. Há 6 anos em Brasília, cobre Banco Central e Ministério da Fazenda.
Política Monetária

IBC-Br reforça estabilidade da Selic em 6,5%

Atividade mostra recuperação no terceiro trimestre, mas segue em ritmo fraco

16 de novembro de 2018
9:50 - atualizado às 11:29

O Índice de Atividade Econômica (IBC-Br) apresentou breve variação negativa de 0,09% em setembro, encerrando o terceiro trimestre com alta de 1,74% na comparação com o trimestre anterior, quando a greve dos caminhoneiros legou uma queda de 0,79%.

A queda no mês foi menos intensa que a projetada pelos analistas consultados pela “Broadcast Projeções” de 0,30%. O intervalo de projeções ia de baixa de 1,2% a alta de 0,53%.

Em comparação com o terceiro trimestre de 2017, o IBC-Br mostrou alta de 1,72%. Devido às revisões constantes, uma boa forma de acompanhar o indicador é pelo acumulado em 12 meses, que registra alta de 1,45%. No ano, a variação é positiva em 1,14%.

Apesar das leituras positivas vale atentar para o fato de que o IBC-Br fechou setembro com 136,5 pontos, ainda abaixo da leitura de dezembro de 2017 de 136,68 pontos.

Segundo o próprio BC, a atividade segue com recuperação em ritmo mais gradual que o antecipado e dentro do balanço de risco, o nível elevado de ociosidade pode deixar a inflação abaixo do esperado.

Essa falta de reação mais firme da atividade reforça a expectativa de que a Selic pode ficar em 6,5% ao ano por mais tempo, o que é positivo para os ativos de risco, como Bolsa de Valores e Fundos Imobiliários. Também podem surgir oportunidades nos títulos prefixados do seu Tesouro Direto.

No mercado começam a aumentar as avaliações de que o BC pode manter o juro em 6,5% ao longo de todo o ano de 2019 e que se for necessário fazer ajustes para cima, eles podem ser menores do que o projetado atualmente.

O boletim Focus mostra Selic a 8% no fim de 2019, mas dentro do Top Five, que concentra as casas que mais acertam, a mediana já recuou para 7,5%. No lado do crescimento, o Focus mostra avanço de 1,36% para o PIB de 2018 e de 2,5% para 2019. O BC trabalha com 1,4% para este ano e 2,4% para o ano que vem.

O Comitê de Política Monetária (Copom) se reúne nos dias 11 e 12 de dezembro. Pode ser a última reunião sob comando de Ilan Goldfajn, a depender dos trâmites legais necessários para que Roberto Campos Neto assuma a presidência do BC.

Não é o PIB do BC

Mesmo conhecido como PIB do BC, o IBC-Br tem metodologia de cálculo diferente das contas nacionais calculadas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em box no Relatório de Inflação (RI), o BC explicou que IBC-Br e PIB são indicadores agregados de atividade econômica com trajetórias similares no médio prazo. Mas há características que os diferenciam tanto do ponto de vista conceitual quanto metodológico.

O IBC-Br, de frequência mensal, permite acompanhamento mais tempestivo do comportamento da atividade econômica, enquanto o PIB, de frequência trimestral, descreve quadro mais abrangente da economia. Além disso, o BC alerta que o processo de dessazonalização pode ampliar diferenças pontuais entre os dois indicadores, o que demanda cautela em comparações nos horizontes mais curtos. No entanto, essas diferenças tendem a se compensar ao longo do tempo, favorecendo as comparações em horizontes mais longos, como o anual.

Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Quer nossas melhores dicas de investimentos de graça em seu e-mail? Cadastre-se agora em nossa newsletter
Comentários
Leia também
OS MELHORES INVESTIMENTOS NA PRATELEIRA

Garimpei a Pi toda e encontrei ouro

Escolhi dois produtos de renda fixa para aplicar em curto prazo e dois para investimentos mais duradouros. Você vai ver na prática – e com a translucidez da matemática – como seu dinheiro pode render mais do que nas aplicações similares dos bancos tradicionais.

Rompimento da barragem

Um ano após Brumadinho, alta cúpula da Vale tenta se defender de acusações

Foi dentro de um jato particular da Vale, durante a viagem de volta ao Brasil, depois de participar do Fórum Econômico de Davos, na Suíça, que Fabio Schvartsman, então presidente da mineradora, recebeu a notícia do rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Um ano após a tragédia de 25 de janeiro, […]

Fórum Econômico Mundial

Guedes, Doria e Huck sobem a montanha mágica de Davos — mas com intenções distintas

O ministro da Economia, Paulo Guedes; o governador de São Paulo, João Doria; e o apresentador de TV Luciano Huck brigam pelo protagonismo na edição deste ano do Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Seu mentor de investimentos

Estamos diante de um novo ciclo de alta das commodities?

No passado, dois bull markets de commodities deram enorme força à economia do Brasil. E, para o Ivan Sant’Anna, um novo ciclo de alta desses produtos está se desenhando no horizonte — o que abre enormes possibilidades de investimento

Parceiros

Brasil fecha acordo de cooperação técnica com a Alemanha na agricultura

A ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, assinou um acordo de cooperação com a Alemanha para o desenvolvimento do setor — a parceria durará, ao menos, três anos

APOSENTE-SE AOS 40 OU O QUANTO ANTES

3 Erros que vão ATRASAR sua aposentadoria

Aproveitando o clima de começo de ano, em que listas e regras para alcançar objetivos se proliferam mais rápido que o mosquito da dengue, decidi dar a minha contribuição numa lista diferente.

Enxugando

Bancos públicos devem acelerar vendas de ativos em 2020

Juntos, Caixa Econômica Federal, Banco do Brasil e BNDES devem vender, só no primeiro semestre de 2020, mais de R$ 60 bilhões em ativos

Obras a todo vapor

A economia brasileira segue patinando, mas o setor de construção dá sinais de força

O segmento de construção continua aquecido, com a retomada nos lançamentos e um crescimento no volume de vendas. E as prévias operacionais da Helbor, Direcional e MRV dão suporte ao otimismo do mercado

Aval do presidente

Bolsonaro aprova fundo eleitoral de R$ 2 bilhões em orçamento para 2020

O presidente Jair Bolsonaro aprovou a inclusão do fundo eleitoral no Orçamento do governo de 2020 — um mecanismo que prevê gastos de R$ 2 bilhões para as campanhas das eleições municipais

O MELHOR DO SEU DINHEIRO

MAIS LIDAS: Bolha? Que bolha?

A matéria que discute uma suposta bolha nos fundos imobiliários foi a mais lida desta semana. Oi, aposentadoria e bolsa também estiveram entre os assuntos de destaque

Em busca de investidores

Guedes vai a Davos para ‘vender’ o Brasil

O ministro da Economia, Paulo Guedes, será a principal autoridade brasileira no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça

Carregar mais notícias
Carregar mais notícias
Fechar
Menu
Advertisements